Projetos integram alunos da rede municipal ao Meio Ambiente

O Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado em 5 de junho, foi comemorado nas escolas do município com diversas atividades de conscientização. No CMEI Agenir Nichele, as crianças participaram do plantio de mudas de flores, entre outras ações. A atividade teve como tema: “Preservar e cuidar também são coisas de Criança”.

“A preocupação com as questões ambientais vêm se intensificando nas últimas décadas. O Meio Ambiente é a principal fonte para preservação do planeta, e consequentemente da vida. Por isso é preciso conscientizar nossas crianças desde cedo a cuidar dele, para que no futuro se tornem adultos conscientes da importância de cuidar e amar o Planeta Terra”, garante a diretora da instituição, Maristela Talamini Saturno. Nas demais escolas municipais, também foram realizadas atividades de conscientização sobre o tema.

Trabalhar a importância da reciclagem e da valorização da saúde estão entre os principais objetivos da atividade que vem sendo desenvolvida com os alunos do segundo ano na Escola Municipal Professor Ernesto César Mariot, em Urussanga. Em 2018, a instituição de ensino está promovendo o projeto “Escola e Comunidade em Ação”. A iniciativa visa trabalhar temas importantes como a reciclagem, saúde, animais, jardim e horta orgânica.

“Queremos com esta ideia mostrar aos nossos alunos como plantar, cuidar e pulverizar a horta com produtos naturais, como os feitos com plantas. Nossa horta vertical, feita com garrafas pet, também serve de incentivo aos alunos que não disponibilizam de espaços físicos em suas casas ou apartamentos para fazer o plantio de hortaliças e temperos”, explica a diretora Adriana Tibes da Silva.

A ideia é que os próprios alunos possam levar para as suas casas os ensinamentos que são repassados na escola.

Reciclagem: Cirsures aposta em educação ambiental

A realidade do destino final dado ao lixo está sendo apresentada a alunos e professores de diversos municípios da região que estão visitando o aterro sanitário do Consórcio Intermunicipal de Resíduos Sólidos Urbanos da Região Sul (Cirsures), no bairro Rio Carvão, em Urussanga. As atividades são intensificadas na Semana do Meio Ambiente.

Desde junho do ano passado, um programa de educação ambiental implantado pelo Cirsures já recebeu mais de 1,2 mil alunos no local no decorrer dos meses. No auditório, o educador ambiental do Cirsures, Rozemar De Nez apresenta por meio de material audiovisual as principais atividades desenvolvidas no aterro sanitário e repassa as orientações sobre a coleta seletiva, bem como ressalta a participação da Cooperamérica na cadeia produtiva dos resíduos sólidos urbanos.

Depois desta introdução ao tema, De Nez conduz alunos e professores para uma visita guiada nas instalações do aterro sanitário e no galpão de triagem. É neste momento que o grupo confere de perto como é feito o tratamento dos resíduos sólidos urbanos.

“Para o Cirsures, o Dia do Meio Ambiente é todo dia, pois trabalhamos intensamente no tratamento adequado dos resíduos sólidos urbanos, na coleta seletiva, educação ambiental e inclusão social. Temos muitos desafios pela frente. Os trabalhos não param. O objetivo é alcançar uma meta de 150 toneladas por mês de resíduos por meio da coleta seletiva. Isso representa 10% do que é disposto no aterro sanitário mensalmente”, explica o gerente do Cirsures e engenheiro ambiental, Thiago Maragno Biava.

A coleta seletiva realizada pelo Cirsures passou por uma evolução desde a sua implantação, em 2008. A quantidade, em toneladas, de resíduos reciclados recolhidos entre 2013 e 2017 aumenta à medida que mais municípios foram inseridos na rota e contemplados pelo serviço. Atualmente a coleta seletiva é feita nas cidades de Cocal do Sul, Lauro Müller, Morro da Fumaça, Orleans, Siderópolis, Treviso e Urussanga. Em 2017, os números chegaram a 783,26 toneladas.

“Sempre que possível ou necessário são feitas alterações nas rotas da coleta seletiva para torná-la mais eficiente. A ideia é percorrer pouco, atender muito e recolher o máximo possível. Isso se chama processo de eficientização da coleta seletiva. Para ampliação de mais rotas, o Cirsures pretende comprar mais caminhão para coleta seletiva”, comenta.

Trabalho que vai de encontro com uma realidade no Estado: Santa Catarina não possui mais lixões. “Isso ocorreu devido a um trabalho realizado pelo Ministério Público desde 2001. O próximo passo a ser dado é a utilização direta do lixo para a geração de energia ou de um produto secundário. Isso é o ideal atualmente. O Cirsures já está se movimentando nesse sentido. Tecnicamente isso se mostrou viável, faltando apenas a aprovação do conselho de prefeitos para executar a PPP”, pontua.

Coopercocal lança projeto “Cooperar e Preservar”

Com a proposta de chamar a atenção da sociedade para a necessidade de implantar medidas emergenciais a fim de prevenir a degradação do meio ambiente e construir um mundo mais sustentável, a Cooperativa Energética Cocal (Coopercocal) lançou o projeto “Cooperar e Preservar”.

Ele consiste em reutilizar cruzetas retiradas das redes de energia e sem mais utilidade para a confecção de bancos e cachepos. Os objetos serão doados para praças municipais e escolas da área de atuação da cooperativa conforme demanda dos materiais e cronograma pré-definido.

Com o slogan “Há sempre mais um modo de usar o que a natureza nos dá”, a ação busca minimizar os impactos ambientais e a preservação dos recursos naturais através da reciclagem

Os primeiros objetos recicláveis serão colocados na praça da Igreja Matriz de Cocal do Sul durante o evento “FUNDAC na praça”, que ocorrerá neste sábado, dia 9, com a presença do presidente Altair Lorival de Melo, o mascote Benjamin.

Na ocasião, o grupo das Mulheres Artesãs irá participar com exposição de artesanatos com foco em peças sustentáveis, modalidade que une o artesanato com a sustentabilidade ambiental por meio da utilização da reciclagem na produção das peças confeccionadas.

Para o presidente da Coopercocal, Altair Lorival de Melo investir em meio ambiente e na comunidade significa investir no futuro de todos. “A cooperativa pratica constantemente ações voltadas à preservação do meio ambiente. O ateliê das Mulheres Artesãs, por exemplo, trabalha em média com 80% com materiais recicláveis. O que iria para o lixo se transforma em lindas peças decorativas ou utilitárias. O projeto Cooperar e Preservar também foca ba questão da reciclagem e no reaproveitamento dos recursos naturais, beneficiando a população com a doação dos bancos e cachepos”, ressalta.

Jovens projetam brinquedos recicláveis para crianças carentes

A transformação de pequenos itens rejeitados em objetos novos e úteis despertou uma ideia nos jovens Chaiane De Costa, de 17 anos, e Vitor De Brida, de 25 anos. Neste ano, Chaiane ingressou no curso de Farmácia pela Unisul, em Tubarão, e conquistou uma bolsa universitária. O tema meio ambiente é o foco do seu projeto de pesquisa.

Uma das propostas recentes foi a elaboração de um brinquedo com a utilização de técnica de reciclagem. Vitor, formado em engenharia ambiental, auxiliou a namorada na criação de um pequeno avião. O objeto foi confeccionado com o uso de uma garrafa pet de 500ml, bandeja de isopor e palito de espetinho de churrasco, além de cola quente e tinta guache. O trabalho levou 4 horas para finalização.

Com o protótipo em mãos, os jovens decidiram idealizar algo maior: confeccionar mais modelos de brinquedos recicláveis para doar a crianças carentes. “Percebemos que era algo simples de elaborar, bem ao nosso alcance, materiais descartados todos os dias. Então porque não fazer uma boa ação?”, explica Vitor.

Vitor procurou a parceria de pontos de alimentação da cidade como Restaurante da Figueira e Sorveteria Friuli para o fornecimento de alguns materiais como bandejas grandes de ovos, tampinhas de garrafas, garrafas pet e palitos de picolé.

Agora, os jovens aguardam o recolhimento dos materiais para a confecção de 14 modelos de brinquedos recicláveis como, por exemplo, carrinhos, quebra cabeça, jogo da velha, jogo de caminho com dado, jogo de chá, avião, foguete, bilboquê, binóculo, dominó e elefante. A ideia é produzir os itens nos finais de semana e realizar a distribuição no Dia das Crianças ou Natal.

BRINQUEDOS RECICLÁVEIS

Carrinho: Rolos de papel higiênico, papelão, isopor e palito de espetinho de churrasco

Quebra cabeça: Palitos de picolé e papel com desenho

Jogo da velha: Bandeja grande de ovos cortada 3cmx3cm com 10 tampinhas (cinco de cada cor)

Jogo de caminho com dado: Bandeja grande de ovos, isopor nas pontas do caminho, dado feito com quadros de isopor colados e pintados de cortes diferentes e bonecos com tampinhas coloridas para avançar as casas

Jogo de chá: Copo feito com pote de iogurte e bule de caixa de leite

Foguete: Embalagem de detergente e papelão para os detalhes

Bilboquê: Extremidade (bico) de garrafa pet de 2 litros, barbante amarrado na ponta da garrafa e tampinha de garrafa pet

Binóculo: Dois tubos de papel higiênico e barbante para pendurar

Dominó: 28 pedaços de isopor pintado com os desenhos das peças do jogo verdadeiro

Elefante: Embalagem de amaciante