Editorial

O Jornal Vanguarda destaca nesta semana a boa campanha do De Villa/CME Urussanga durante o Campeonato Regional da Larm e, principalmente, o ttulo conquistado no ltimo sbado. Essa conquista mostrou para muita gente que organizao, preparao e unio se chega longe. Digo isso porque lamento a falta de discernimento e postura de muitas pessoas na cidade por terem a audcia de torcerem contra ao nico time que representou o municpio no campeonato mais disputado da regio. Agora Urussanga estar em outro patamar quando o assunto futebol amador. Por meio do esporte, o time de Urussanga e no do De Villa apenas, estar levando o nome da cidade para toda a regio. Ou seja, alm de ser respeitada pela sa cultura e sua gente, agora o municpio tambm ser respeitado e bem visto na elite do futebol amador da Regio Carbonfera.
Parabns ao Presidente Arcilsio, treinador, jogadores, equipe tcnica e a todas as pessoas que fazem parte da diretoria que to bem souberam preparar este grande time. E, claro, parabns aos parceiros, pois sem a viso e ajuda dos empresrios da cidade, poder pblico e apoiadores, o De Villa no chegaria a lugar nenhum. Parabns a todos por acreditarem no ttulo e at 2013 na Primeira Diviso da Larm.

O que esperar?

As drogas no escolhem faixa etria, classe social, cultura, inteligncia ou beleza. Apesar de alguns perfis considerados mais comuns, elas fazem parte do cotidiano de qualquer pessoa. H casos de usurios que so realmente difceis de acreditar.

O que esperar de um belssimo jovem, que iniciou uma carreira de modelo, e tem muitas Continuar lendo

Sem consenso

Plenrio para qu? Ningum mais vem Cmara, brincou um dos vereadores urussanguenses, nesta semana, com relao ao aumento do plenrio na nova sede do legislativo. Essa seria uma verdade triste? Sim e no. Sim, porque a comunidade deveria acompanhar com mais assiduidade os trabalhos desenvolvidos pela Continuar lendo

Exemplo entre irmos

O exemplo de voluntariado dados por integrantes do Movimento de Irmos Shalom de14 Urussanga, alm de louvvel, serve para mostrar que, mesmo nos dias de hoje, ainda existem aqueles que trabalham em prol dos menos favorecidos. Tornar agradvel o ambiente de recuperao de dependentes do lcool ou de drogas que, por sua condio, Continuar lendo

Caminho certo

Renovao. Essa a palavra chave para o sucesso de qualquer negcio. Quando o empreendedor acredita que no h mais nada que se possa fazer, que j conquistou definitivamente seu espao no mercado, certamente, tende a fraquejar e perder posies. extremamente importante que a atividade esteja sempre em Continuar lendo

Po e circo, com cheiro de mofo

Po e circo bastam, diziam os filsofos gregos, para acalmar o povo em fria. A fria j no mais a mesma, mas a frmula continua inalterada, o po e o circo ecoam pelos sculos e sculos, como a tradicional maneira de se adestrar a populao, da Grcia ou de Urussanga, indiferentemente.

Se o pecado pela carne fraca, o que dizer do esquecimento, que mutila toda a forma de Continuar lendo

Patrocinadores oficiais

comum imprensa ouvir de alguns segmentos da sociedade que o poder pblico ou os grandes empresrios so os patrocinadores oficiais dos meios de comunicao. Sendo assim, a linha editorial dos jornais fica comprometida devido venda de espaos publicitrios. Argumentao at certo ponto correta, considerando a atuao da grande mdia nos dias de hoje. Mas ela precisa de algumas reflexes.

O Jornal Vanguarda, por exemplo, tem como renda anncios, assinaturas e publicaes legais da Prefeitura Municipal de Urussanga (o veculo , por decreto, Dirio Oficial do Municpio). Aqui, a maior parte da comunidade no pode ser considerada leitora assdua de jornais – reflexo do modelo educacional brasileiro, que pulou a fase da leitura e dos livros direto cultura da imagem, com a introduo da televiso na dcada de 50.

Desse modo, a maior porcentagem da renda proveniente dos anncios publicitrios. Em um mercado escasso, no qual a dificuldade financeira realidade de muitos comerciantes, fica praticamente impossvel ao veculo de comunicao recusar ou escolher seus clientes. Abre-se igual espao para todos. Sendo assim, torna-se muito claro perceber que a imprensa patrocinada pelo poder pblico e pelo empresariado forte.

O grande problema ocorre quando o proprietrio do veculo no consegue fazer uma diviso sensata entre a ideologia do jornal, a funo a que o veculo se prope, e seu departamento comercial. Quando um cliente compra um espao publicitrio, deve ficar subentendido que est comercializando suas idias, no as idias do jornal; est divulgando sua atividade, no interferindo na linha editorial do veculo.

Do mesmo modo, os leitores assduos ou no deveriam ter a sensibilidade de perceber quando h unificao do comercial com o editorial na imprensa, quando o jornal deixa de ser aliado da comunidade para se dedicar exclusivamente queles tm poder poltico e/ou econmico (afinal, quem tem um normalmente tem os dois).
Em sntese, so vlidas as crticas a esse modelo de patrocnio oficial, mas por outro lado preciso entender que, nas condies atuais, sem ele, os jornais, principalmente os de municpios interioranos como Urussanga, no teriam condies financeiras de sobreviver. A no ser que, do dia para a noite, a comunidade deixasse a comodidade de assistir exclusivamente televiso e passasse a desempenhar um papel mais crtico, praticando a leitura dos veculos de comunicao de seu municpio.

Preservao Ambiental

A mobilizao das comunidades de Morro da Palha e Itanema, de Lauro Mller, em torno da preservao da rea de 400 hectares conhecida como Mato Lage reflete uma importante preocupao com a questo ambiental, desde que esteja realmente desvinculada de interesses polticos.

A matria publicada na editoria Especial, desta edio Continuar lendo

Fnix

O acordo estava desfeito, todos diziam. E o prprio Luiz Henrique Martins j no acreditava mais se poderia realmente ser eleito. Mas como dizem no futebol, o jogo s acaba quando termina, foram nos acrscimos que Cuca fez seu gol mais importante em sua jovem carreira poltica. Continuar lendo