Cooperativismo de crédito: uma mão ao produtor para expansão de negócios

Jornalista: Eliana Maccari

Extensos pomares de diversos tipos de frutas compõem o cenário que emoldura a estrutura do empreendimento Urussanga Hortifruti, na localidade de Rio Caeté. É no espaço que centenas de toneladas de frutas são comercializadas e enviadas para todos os cantos do Brasil. O produtor Arnaldo Masiero, de 47 anos, é o responsável pelo negócio. A ligação e o apreço pela fruticultura iniciaram na infância, quando ele ainda residia em Pedras Grandes.
“Meu pai havia plantado em sua propriedade meio hectare de uva e 500 pés de pêssego. Eu o ajudava e depois, há 24 anos, quando vim morar em Urussanga, segui este caminho e fiz a mesma plantação até em quantidade. Eu pensava que eu era novo e poderia ter o meu negócio. Desejava crescer e porque não conseguir isso no campo, plantando?”, recorda.
A habilidade na área de vendas e o conhecimento sobre o setor fizeram com que o produtor fosse ampliando seus cultivos ao longo dos anos. O crescimento de novos plantios e da produção estimulou Masiero a melhorar a estrutura do negócio visando à
qualidade dos produtos.
Ao contabilizar a venda de aproximadamente 200 toneladas de frutas no ano de 2011, o produtor decidiu buscar a expansão com o apoio do cooperativismo de crédito. A alternativa escolhida foi a agência do Sicoob Credisulca, em Urussanga. Foi a partir de um investimento que ele fundou a empresa Urussanga Hortifruti e construiu um packing
house com 1.600 metros quadrados. No local, após a colheita, as frutas são recebidas e processadas antes da distribuição para o mercado.
No beneficiamento, os produtos são classificados em uma máquina e armazenados no espaço com capacidade de estocagem em câmara fria, que proporciona melhor conservação das frutas. Embalados, posteriormente são encaminhados à área de expedição para o transporte e distribuição até os clientes. Estes processos propiciam eficiência operacional e garantem a manutenção da qualidade dos produtos até o consumidor brasileiro.
“Esse investimento me trouxe facilidades no beneficiamento e melhorou a classificação
dos produtos, uma das exigências do mercado e também de atacadistas. Decidi investir na cooperativa de crédito pela movimentação financeira, participação nos lucros, bem como as facilidades para adquirir recursos para investimento. Além disso, a equipe profissional é atenciosa e prestativa”, salienta.
E a aposta no cooperativismo como uma forma de pensar na economia foi além das expectativas. Ela preparou o produtor para as demandas de mercado. Atualmente o empreendimento de Masiero cresce a cada ano entre 30 e 40%. Em 2016 chegou a contabilizar a comercialização entre 2 e 3 mil toneladas de frutas, um crescimento 10 vezes a mais se comparado ao período antes da implantação do packing house.
Os 35 hectares repletos de pomares logo irão agregar mais 10 hectares de novos pomares que estão iniciando a colheita. A empresa Urussanga Hortifruti produz e comercializa frutas como uva, maracujá, ameixa, pêssego, nectarina, entre outras.
A venda é feita para os estados de Santa Catarina, Paraná e São Paulo. “O investimento que fiz dentro do cooperativismo de crédito alavancou bastante o meu negócio. Sei vender e conheço bem esse mercado no Brasil. É uma habilidade que possuo e também é bom para valorizar os nossos produtos. Gosto muito de trabalhar com fruticultura. A gente tem que gostar do que faz”, destaca.

PROJETO GERA EMPREGO E RENDA
O projeto da Urussanga Hortifruti vai além da obtenção de lucros. Ele traz oportunidade de emprego e renda a produtores da região e trabalhadores da cidade. Arnaldo Masiero incentiva mais de dez produtores a direcionarem e comercializarem suas frutas, movimentando a economia local.
O negócio também gera empregos diretos e indiretos. Em sociedade, Masiero gerencia mais 150 hectares de pomares. No pico das safras, quase 100 funcionários trabalham na colheita das frutas. A projeção para os próximos anos é manter o crescimento anual entre 30 e 40%.

COOPERATIVISMO: instrumento de igualdade

O primeiro sábado de julho é um dia especial para a Coopercocal (Cooperativa Energética Cocal). Nele, comemora-se o Dia Internacional do Cooperativismo, também conhecido como Dia Internacional das Cooperativas. A expressividade da cooperação é uma evidência marcante nesses 53 anos de cooperativismo com a integração do trabalho voluntário, promoção da cultura, saúde, preservação do meio ambiente, lazer, projetos da área de sustentabilidade e, principalmente, a garantia de levar energia de qualidade e mais acessível a seus cooperados. É desta forma que a Coopercocal atua
ao atender nove municípios da região.
Definido pela Aliança Cooperativa Internacional (ACI), o tema celebrado neste ano é a Inclusão. Ele se remete ao fato das cooperativas proporcionarem um espaço de construção de comunidades melhores, que atendam às necessidades de todas as pessoas, independente de raça, sexo, cultura, origem social ou situação econômica. Para celebrar a data, iniciativas que propagam o fortalecimento são uma constante e integram as comunidades atendidas pela Coopercocal. A data foi marcada, nesta semana, pelo encerramento do projeto “Coopercocal na Comunidade”, além do reconhecimento das pessoas que fizeram a diferença à frente da cooperativa: os ex-presidentes. Fortes nomes que com muito esforço e dedicação contribuíram para que a cooperativa chegasse ao nível que está hoje, com base nos princípios de adesão democrática livre, gestão democrática e participação econômica dos membros.
No último dia 16 de junho, uma sessão especial presidida pelo atual presidente, Altair Lorival de Melo reuniu centenas de pessoas no Centro de Eventos Cocal do Sul, para homenagear aos ex-presidentes Venícios Búrigo, Jarvis Gaidzinski (in memoriam), Adair Pagnan (in memoriam), Jaime de Brida, Walmor Mário Guollo (in memoriam), José Aldo Furla e Ítalo Rafael Zaccaron. Líderes que com suas visões e iniciativas contribuíram para levar adiante o sonho de muitos agricultores que desejavam crescer e melhorar a qualidade de vida do homem do campo.
O ato contou com a participação da diretoria da Coopercocal, vice-presidente da Coopercocal Antônio Costa, prefeito de Cocal do Sul, Ademir Magagnin, lideranças, autoridades regionais, cooperados e a apresentação do coral Natividade. Durante o evento, também foram destacadas as ações e investimentos dos últimos anos e o resultado do projeto Coopercocal na Comunidade.
Segundo o presidente, celebrar o Dia do Cooperativismo reconhecendo o trabalho de pessoas que fizeram a diferença e concluir um projeto de sucesso na comunidade, é um orgulho e uma satisfação. “Estamos engajados num trabalho de igualdade. O cooperativismo é um movimento que se fortalece no mundo todo por promover o desenvolvimento econômico sustentável e inclusivo, gerando o bem-estar social dos indivíduos e comunidades onde está presente. E é desta forma que a Coopercocal projeta o seu trabalho e aproveita para celebrar e homenagear seus ex-presidentes que nos permitiu chegar até aqui”, destacou Belha.
Para o homenageado, primeiro presidente da Coopercocal, Venícios Búrigo o momento é de gratidão. “Quero, como primeiro presidente, agradecer inicialmente a todas as presidências que me sucederam, as grandes homenagens que sempre me distinguiram e o reconhecimento pelas enormes dificuldades transpostas nos primórdios de nossas atividades. Vencemos os primeiros anos com muita austeridade, trabalho e competência dos auxiliares e muita cooperação dos associados. Nesses mais de 50 anos, podemos ver uma cooperativa forte, dinâmica e lucrativa”, declarou.

AVANÇO E INVESTIMENTO PARA SUPRIR AS NECESSIDADES E SE TORNAR REFERÊNCIA
Há 53 anos, a inclusão do cooperativismo começou quando não havia interesse e investimento para suprir tais necessidades. Durante o passar dos anos é notório o crescimento da Coopercocal somado ao esforço e trabalho das pessoas para fortalecer o seu propósito. Hoje a Coopercocal é motivo de orgulho a todos os associados e consumidores. Ela é referência na qualidade de distribuição de energia elétrica para aproximadamente 14 mil sócios e possui a segunda tarifa de energia mais barata do Brasil, podendo em setembro se tornar a ser a primeira mais barata.
Além disso, a Coopercocal trabalha constantemente com a prática de ações sociais que se destacam a cada ano, promovendo a aproximação da Cooperativa e do consumidor.

PROJETO “COOPERCOCAL NA COMUNIDADE” CONSCIENTIZA E FORTALECE PARCERIAS
Com a intenção de integrar o associado à Cooperativa, a Coopercocal realiza o projeto “Coopercocal na Comunidade”. A iniciativa consiste na realização de reuniões em várias localidades pertencentes à área de atuação da cooperativa. Os encontros tiveram início em abril deste ano e foram finalizados nesta semana.
Durante as reuniões, o presidente Altair Lorival de Melo (Belha) apresenta a prestação
de contas juntamente com o engenheiro eletricista André Mafioletti que faz uma breve explanação sobre o histórico da cooperativa e sua evolução, assim como outros assuntos pertinentes. Para o presidente, este projeto é uma maneira de apresentar aos associados e consumidores os seus direitos e deveres junto a Cooperativa, além de estreitar laços e trocar informações e sugestões. “Queremos ter uma relação mais próxima com o cooperado, pois além da distribuição de energia de qualidade, prezamos e valorizamos o relacionamento com o associado, e cooperativismo é isso”, destaca.

HISTÓRICO DOS EX-PRESIDENTES

VENICIOS BÚRIGO – 02/03/1964 a 23/05/1967
Fundador da Coopercocal, visionário que venceu os primeiros anos de dificuldades com muita austeridade, trabalho e competência e teve principalmente a cooperação dos primeiros sócios. Até o ano de 1976 os cargos de presidente e gerente não eram remunerados.

JARVIS GAIDZINSKI (in memoriam) – 24/05/1967 a 23/02/1975
Com o crescimento da cooperativa houve a necessidade de uma construção de uma sede própria inaugurada em 28 de dezembro de 1973.

WALMOR MARIO GUOLLO (in memoriam) – 24/02/1975 a 29/02/1984
Em pouco tempo a cooperativa se expandiu, além de suprir as próprias necessidades dos setores de manutenção. A antiga sede passou por uma reforma e ampliação, reinaugurada em 1978.

ADAIR PAGNAN (in memoriam) – 29/02/1984 a 20/03/1994
O dinamismo sempre marcou o trabalho da cooperativa, em 1986 foi implantado o sistema de rádio-comunicação fixo e móvel, pioneiro no Estado. A então Cercocal filiou-se a federação das cooperativas de energia do Estado de Santa Catarina – FECOERUSC.

JAIME DE BRIDA – 20/03/1994 a 23/03/1997
Houve a mudança da Razão Social para Cooperativa Mista Cocal do Sul – COOPERCOCAL, tendo como destaque de gestão os investimentos na ampliação de redes, melhorando as quedas de tensão.

JOSÉ ALDO FURLAN – 23/03/1997 a 29/03/2003
Com o passar dos anos a sede construída já não oferecia estrutura suficiente e adequada para suprir a necessidade da crescente quantidade de associados. Foi então
construída uma nova sede administrativa inaugurada no dia 02 de março de 2001. Também foi construída a sede recreativa, um espaço de lazer disponível aos associados da Coopercocal.

ITALO R. ZACCARON – 29/03/2003 a 22/03/2014
Em sua gestão a Coopercocal tornou-se permissionária da Aneel (Agência Nacional de
Energia Elétrica). Com o crescimento da cooperativa construiu a subestação 69KV, inaugurada em 12 de dezembro de 2009, com capacidade de carga garantindo uma maior qualidade e confiabilidade no sistema elétrico. Também construiu a sede esportiva, mais um patrimônio da cooperativa.

“Algo dentro de mim dizia para ajudar este povo”

Jornalista: Eliana Maccari

Foi com o sorriso no rosto e de coração aberto que o italiano Marcello Mazzucco visitou a sede do Jornal Vanguarda durante sua passagem pelo Brasil entre os meses de maio e junho deste ano. Ele permaneceu em Urussanga durante alguns dias para acompanhar e participar das celebrações dos 25 anos do Gemellaggio entre Longarone (IT) e Urussanga. Em diversos atos seu nome e sua atuação foram enaltecidos por autoridades, pois Marcello Mazzucco foi um dos precursores deste pacto de amizade entre as cidades.
Marcello recorda com afeto de lembranças da década de 80, quando ocorreram os primeiros contatos entre longaroneses e urussanguenses em busca de suas origens e de informações sobre os seus antepassados. “Em 1988 fomos recebidos em Urussanga, na localidade de Rio Maior. Quando desci do microônibus, ninguém conhecia ninguém. Fui o primeiro a descer e logo perguntei onde poderíamos dormir. Aí os moradores me perguntaram: você fala como a gente? Eu disse: sim, sou Mazzucco. Então eles começaram a me convidar para dormir em suas casas. Foram dias de muitas conversas em noites e madrugadas adentro. Conheci também o jovem Gilson Fontanella. Os dias que seguiram foram para conhecer a cidade toda de Urussanga e fomos, inclusive, até na mina em Santana”, conta.
Mas duas passagens marcaram e tocaram Marcello Mazzucco de uma forma diferente. “Foi feita uma grande e bonita missa. E no sermão, quando o padre Agenor pregava, eu tive arrepios. Eu não me esqueço o que ele disse: vocês italianos, que tem muitas possibilidades, não se esqueçam desses jovens, pois vocês têm que fazer algo por eles. No dia anterior, em 23 de novembro de 1988, encontrei Hedi Damian na praça de
Urussanga. Fomos apresentados e ele me convidou para ir até a vinícola. Conversamos e trocamos muitas ideias. E ele também me disse que tínhamos que fazer algo pelas pessoas, pela nossa gente, nosso povo daqui e de lá. Eu continuei conhecendo a cidade e visitei o cemitério, mais particularmente os túmulos daqueles com os sobrenomes de Longarone. Ao passar pelo cemitério e sair dele, eu comecei a ter uns sentimentos. Era como se fosse uma entidade superior que me fazia sentir arrepios realmente. Lembro que essa entidade, algo dentro de mim dizia para ajudar este povo a encontrar suas origens e ficar junto dessa gente. Conversando com Hedi fizemos esse acordo de irmandade e foi o que se seguiu pelos quatro anos seguintes até chegar o dia do Gemellaggio, primeiro em Longarone no ano de 1991 e depois em Urussanga no ano de 1992”, destaca.
Marcello afirma que se sente orgulhoso de tudo o que foi feito. Para ele, valorizar o homem do campo é importante para a manutenção do dialeto. “Sinto-me orgulhoso de ter participado dessa iniciativa que aproximou as pessoas. Pude fotografar Urussanga diversas vezes e ver o progresso do município. As pessoas são sempre cordiais e contentes. Seria importante valorizar o homem do campo, pois eles são os verdadeiros portadores do dialeto, da nossa língua que não é o italiano. Porque o italiano é a língua Fiorentina, de Florença. Somos Venetos, Belluneses e carregamos uma língua diferente. Para nós, cidadãos de Longarone, esse pacto de amizade é algo diferente. Mas percebemos que são poucos os que participam realmente da manifestação. Com o passar do tempo, depois desses 25 anos, observamos que as comitivas quando voltam para casa ficam extremamente entusiasmados uns com os outros. E todos querem realmente ver e sentir o Gemellaggio para entender”, salienta.

O FUTURO DESTA AMIZADE
Para o italiano Marcello Mazzucco, um dos precursores do pacto de amizade entre Longarone (IT) e Urussanga, o futuro do Gemellaggio depende de todos. “Depende dos jovens, de nós, de vocês. Devemos incentivar e financiar aqueles que querem manter o Gemellaggio. É importante o envolvimento das associações de todos os tipos, da esportiva a cultural, e de todos os tipos de escolas para poder conhecer e entender. Iremos chegar em um ponto em que realmente ocorrerá um choque e cruzamento de gerações. Para o sucesso deste pacto de amizade precisamos de paciência e constância”, frisa.
Mazzucco acredita que o intercâmbio entre estudantes é o caminho correto. “Eles precisam saber como foi a história deles. E também precisam vir os pais para cá para que eles possam entender ainda mais. Isso enriquece o Gemellaggio. Nestes 25 anos fizemos muitas iniciativas. Levamos pessoas para aprender o italiano, enviamos professores para ensinar a língua aqui e também a nossa história. Recebemos estudantes lá por anos. Eu gostaria realmente que desse certo. E fazer com que associações, pessoas de Urussanga e arredores entendam a importância disso, desse sentimento de irmandade. Eu sempre fico muito contente e meu sentimento reconhece e sempre serei grato por esse carinho”, finaliza.

Urussanga promove IX Conferência Municipal de Assistência Social

O Conselho Municipal de Assistência Social – CMAS de Urussanga, juntamente com a Diretoria de Assistência Social do município, convida a comunidade para participar da IX Conferência Municipal de Assistência Social. O evento que ocorrerá no dia 4 de julho, terça-feira, no Complexo Municipal de Assistência Social Luiz Henrique da Silveira, terá início às 13 horas.
O encontro terá a participação do palestrante Antonio Sergio Curioni, com o tema “Garantia de Direitos no Fortalecimento do SUAS”. De acordo com a presidente do CMAS, Edina Meira Fernandes Duarte, o encontro é importante para a discussão de temas pertinentes ao município. “A conferência é um momento de discussão sobre as políticas públicas relacionadas à assistência social, garantindo direitos para a população”, esclarece Edina.

Desligamento da TV analógica em SC inicia em 2018

Uma campanha que alerta a população para o início do desligamento da TV analógica em Santa Catarina foi lançada na última semana. No dia 31 de janeiro de 2018, os televisores dos municípios da região da Grande Florianópolis, entre eles Biguaçu, Palhoça, São José e Santo Amaro da Imperatriz, sintonizarão apenas o sinal digital das televisões abertas. Depois, em dezembro de 2018, o desligamento chegará a Blumenau, Joinville e Jaraguá do Sul.
Concluindo o processo de migração do sinal analógico para digital em todo o Estado em 2023. A campanha está sendo feita pela Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão (Acaert) em parceria com a ABERT e a Seja Digital. O trabalho de esclarecimento dos catarinenses é importante para que não fiquem sem o sinal de TV em suas residências.
Para sintonizar os canais abertos transmitidos pelo sinal digital pode ser que televisores mais antigos precisem de adaptações. Modelos mais novos e de tela fina geralmente já vem com um conversor de sinal embutido, o que deve ser confirmado no manual do fabricante. Para aparelhos que não tiverem será preciso adquirir um kit de conversão com cabo, antena conversora e controle remoto.
O kit custa em torno de R$ 200, mas para famílias de baixa renda inscritas em alguns dos mais de 20 programas sociais do Governo Federal como, por exemplo, o Bolsa Família, esse kit será gratuito.
A empresa Seja Digital esclarece que as solicitações do kit poderão ser feitas a partir de outubro pelo número de telefone 147.

Encontro dará continuidade à elaboração do Plano Municipal de Saúde

A Diretoria de Saúde de Urussanga convida a comunidade para uma reunião no dia 5 de julho de 2017, às 19 horas, na Sociedade Recreativa Urussanga para dar continuidade à elaboração do Plano Municipal de Saúde. A primeira parte do projeto foi realizada com as reuniões nas unidades de saúde do município para ouvir as reivindicações de cada localidade. O encontro do dia 5 de junho terá como tema: “Controle Social Participando das Decisões: Gestão Democrática e Participativa”.
“O Plano Municipal de Saúde é importante para todo o município. O sistema da saúde passou por várias mudanças e precisamos estar adequados a essas situações. Por isso a participação de todos é muito importante para que o plano possa ser elaborado em conjunto com a sociedade”, esclarece a diretora de saúde de Urussanga, Izolete Vieira Gastaldon.
Durante o encontro, também será realizada a palestra proferida pelo gerente regional de saúde, Fernando de Faveri.
O Plano Municipal de Saúde é o principal instrumento de gestão do SUS e mostra as intenções da gestão para o período de quatro anos. A elaboração deste instrumento se dá num processo participativo, com encontros para discussões e grupos de trabalho, onde serão definidos os objetivos e as estratégias.

Lions de Urussanga promove campanha “Cobertor do Bem”

O Lions Clube de Urussanga em parceria com o LEO Clube está realizando a campanha “Cobertor do Bem”. A ação visa arrecadar edredons e cobertores em bom estado para doá-los a famílias carentes que residem em Urussanga.
As doações podem ser entregues até o dia 14 de julho aos companheiros do Lions ou LEO Clube e também em pontos de coleta como as lojas Acessórios e Tintas Urussanga e Furlan Materiais de Construção.
“A ideia é levar um pouco de calor a quem precisa. A solidariedade aquece o inverno e juntos vamos aquecer muitos corações”, afirma o presidente do Lions Clube de Urussanga, Jair Furlan.

Movimento da Mãe Peregrina promove Encontro Comarcal

Missionárias, coordenadoras e famílias que recebem a imagem da Mãe Peregrina em suas residências estão convidadas a participar do Encontro Comarcal que ocorrerá na Paróquia de Urussanga no dia 15 de julho. A ação acontecerá no Centro Comunitário da Igreja Matriz a partir das 13h30min.

A programação também contempla missa às 16 horas. O intuito do encontro é rezar pelo Brasil e pelas famílias em celebração aos 300 anos da aparição da imagem de Nossa Senhora Aparecida e do Ano Mariano. As missionárias devem levar suas capelinhas e realizar, caso tenham interesse, a troca de coroas e livros.

Passeio ciclístico evidencia Goethe e atrativos

Centenas de ciclistas de várias regiões do estado participaram da 3ª edição do passeio ciclístico “Caminhos do Vinho Goethe” que aconteceu no último domingo, dia 25 de junho. O trajeto contemplou visitas à vinícolas da cidade com direito a degustação de vinhos e sucos.
O presidente do grupo Urussanga Ciclismo, responsável pela organização da ação, Denis Ferminio destaca que a cada ano a procura é maior, mas o limite é de 200 participantes por passeio. “Estamos bem satisfeitos, pois conseguimos fazer um passeio agradável e atingimos o número máximo de participantes”, destaca.
Muitos ciclistas foram trajados com roupas típicas italianas e até utilizaram bicicletas antigas no percurso. Ao final do passeio, o grupo Urussanga Ciclismo sorteou duas bicicletas: uma para quem estava com traje típico e outra para todos os participantes.

Pedras Grandes promove X Festa do Vinho Goethe

Um produto de cor e aroma inigualável, com terroir próprio, cultivado somente na região Vales da Uva Goethe por influência dos imigrantes italianos que desbravaram a Colônia Azambuja em 1877, berço da colonização italiana do sul de Santa Catariana. É enaltecendo este produto e a cultura italiana que o município de Pedras Grandes se prepara para comemorar a X Festa do Vinho Goethe, entre os dias 7 e 9 de julho de 2017, ano que celebra os 140 anos da imigração italiana na região.
O evento com entrada gratuita, que ocorre a cada dois anos, é uma promoção da Associação Cultural Goethe em parceria com a Prefeitura de Pedras Grandes e visa a promoção da cultural local, preservação do cultivo da uva Goethe e da produção do vinho, bem como a economia com geração de renda, emprego e desenvolvimento sustentável aos 4 mil moradores do município.
Os visitantes que irão participar do evento desfrutarão dos vinhos, da gastronomia, da história, manifestações culturais e de atrações musicais. A expectativa da organização da X Festa do Vinho Goethe é receber 40 mil visitantes nos três dias de evento. Na noite de sexta-feira, dia 7, apresentam-se a Banda Remember e em seguida a Bandalheia.
Já no sábado, dia 8, a partir das 19h30min, o grupo “Amici della Polenta” realiza o tombo da polenta. O cantor urussanguense João Cechinel trará os melhores clássicos italianos.
“Ao firmar a uva Goethe como marca municipal, uma vez que ela não é encontrada em nenhum outro lugar do mundo, a não ser em Azambuja e região, a festa tem a função social de preservar os valores da cultura e história locais, expressos principalmente no trabalho, nos costumes e hábitos, nas construções centenárias e artes, na culinária típica e tradicional, na religiosidade e música, nos jogos e na animação. Por meio da Festa do Vinho Goethe pretende-se criar na região do Sul de Santa Catarina um pólo de valorização das potencialidades locais, reunindo produtores e empresários, que poderão divulgar e vender seus produtos”, explica o presidente da CCO da X Festa do Vinho Goethe e vice-prefeito de Pedras Grandes, Josimar Bergman.

UMA DROGA PERVERSA

O comunismo é uma droga perversa. Quando não mata, deixa sequelas. Assim como o crack e a heroína, transforma jovens saudáveis e bonitos em pálidos zumbis, incapazes de dizer coisa com coisa. Conheci rapazes e moças com futuro promissor, mas que, graças ao veneno comunista, hoje reproduzem feito robôs narrativas delirantes, insensíveis aos fatos e aos argumentos. Poderoso alucinógeno, ópio dos intelectuais.
Nas universidades, a oferta de comunismo dá-se de forma ostensiva, às claras. Conta com a conivência quando não com o apoio das autoridades. Os calouros tímidos, reprimidos ou com baixa autoestima são as vítimas preferenciais deste tóxico degradante. São presas fáceis, desprotegidas, vulneráveis às utopias mais absurdas. Mal se dão conta e já foram envolvidos pela extensa teia de disseminação comunista.
Nas épocas e lugares onde o comunismo foi consumido com avidez, houve fome, violência e mortes. Muitas mortes. Estima-se que o entorpecente vermelho tenha matado cerca de 200 milhões ao longo da História. Apesar disso, ainda há pouquíssima consciência sobre seus males. Ao contrário do tabagismo, por exemplo, o comunismo permanece sendo retratado pela mídia como algo bacana. Usar comunismo é cool.
Muitos conseguem abandonar o vício, outros convivem até o fim com a patologia. A estes, as experiências reais não convencem, e o que seus os olhos veem é descartado. Tudo passa a ser pensado esquematicamente segundo a teoria marxista. É uma prisão sem grades, uma contaminação que não aparece em exames. O comunismo deve ser tratado como uma droga contra a qual se deve fazer incansável campanha. Ele é perverso e mata. Quando não mata, deixa sequelas.

Prestação de contas da 15ª Ritorno é apresentada na Câmara de Vereadores

Representantes da Comissão Central Organizadora (CCO) da 15ª edição da festa Ritorno Alle Origini participaram da reunião ordinária da Câmara de Vereadores de Urussanga na terça-feira, dia 27, e mostraram a prestação de contas do evento, que ocorreu entre os dias 25 e 28 de maio deste ano.
A demonstração foi feita pelo presidente da CCO, Odivaldo Bonetti, com o auxílio do vice-presidente Rangel Quaglioto, do tesoureiro Edegar Costa da Silva e da responsável pela prestação de contas Fabiane Thomaz. Segundo Bonetti, nesta edição da festa ocorreu uma diminuição de custos de 74%.
“A CCO acredita que a missão dada pelo prefeito em realizar e organizar o evento nos mesmos moldes das edições anteriores com boa programação, infraestrutura, limpeza, decoração, segurança, com menos custos para o poder Público foi um dos objetivos atingidos. Conseguimos organizar a Ritorno deste ano com custo de 74% a menos que última edição. Englobamos também as despesas com o Gemellaggio. Em termos de organização, a festa foi um sucesso. Mas infelizmente as condições climáticas desfavoráveis e o grande volume de chuvas na semana do evento atrapalharam o andamento dos trabalhos e para atrair público. A expectativa das entidades envolvidas não foi atingida”, afirma.
A arrecadação da Comissão Central Organizadora e da Prefeitura Municipal para investimento na 15ª Ritorno Alle Origini foi de R$ 145.490,81. Em contrapartida, as despesas com a infraestrutura do evento somaram R$ 170.098,31. A diferença entre os valores arrecadados e os gastos foi de R$ 24.605,50, saldo negativo coberto com recursos da administração municipal.
“Na edição de 2015 o saldo coberto pelo Poder Público foi de R$ 94 mil. O diferencial que percebemos nessa diminuição de custos é simplesmente porque conseguimos arrecadar mais. Focamos na arrecadação para suprir as despesas, tendo em vista que as despesas geralmente são as mesmas de uma edição para outra do evento”, salienta Bonetti.

PROFISSIONALIZAÇÃO
Rangel Quaglioto, vice-presidente da CCO, afirmou que o futuro da festa Ritorno depende da profissionalização dos setores de turismo de Urussanga e pela sua experiência na organização do evento desde 2012 acredita que a cobrança de ingressos, mesmos com preço simbólico, pode ser uma forma de diminuir os custos da Prefeitura, que possui outras prioridades para investimentos. O presidente do Legislativo, Marcos Roberto Silveira (PT) sugeriu que as Comissões Organizadoras das próximas festas fossem permanentes para se profissionalizarem na realização deste tipo de evento.

BAFFONE – Edição 639

CURSOS TÉCNICOS
Boas notícias, enfim! Está se concretizando a vinda de mais quatro cursos técnicos do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) para Urussanga, entre eles o de “eletricista industrial”, solicitação da ACIU, e o de “representante comercial”, sugestão da CDL. É uma excelente oportunidade para os jovens do município, que vem ao encontro do plano de governo da atual administração. O governo conseguiu colocar em prática algo que os opositores diziam ser impossível e marcou um ponto precioso no tabuleiro político. Agora, é acreditar que as pessoas não desperdiçarão esta chance de aprender uma profissão, já que os cursos são de qualidade e gratuitos.

FESTA DO VINHO
A Festa do Vinho aproxima-se e nada de o governo municipal propor uma discussão séria sobre o modelo do evento. A edição de 2017 será idêntica às anteriores, e as polêmicas e descontentamentos certamente serão os mesmos. O Baffone acredita que a profissionalização é o caminho, pois as comissões são sempre montadas na última hora e com muita dificuldade. A atual gestão faria a diferença se chamasse as associações, sobretudo a ProGoethe, para uma conversa séria e definitiva sobre os rumos da festa, formando um núcleo permanente para sua organização. A Festa do Vinho é hoje uma fonte de desgaste não só para o governo como para a sociedade, mas é possível mudar isso com profissionalismo e boa vontade. O Baffone acredita!

OBRAS NA PRAÇA
A famigerada reforma da Praça Anita Garibaldi decerto ficará para a História do município como uma das obras mais polêmicas e problemáticas. Começou com um projeto irregular e manifestação popular contrária, teve audiência pública, um lamentável episódio de agressão ao arquiteto da Fundação de Cultura do Estado e segue se arrastando, interminável, incomodativa. Ninguém aguenta mais. A previsão era de término este mês, porém o que se vê são apenas dois ou três funcionários calçando chinelos de dedo e com cigarros na boca a assentar pisos. Será que fica pronta até a Festa do Vinho? Oremos…

SECRETARIADO
Até quando o prefeito Gustavo irá manter a estratégia de contar apenas com “diretores de secretaria”, que possuem remuneração reduzida, e não efetivamente com secretários? A princípio, a medida seria adotada até o mês de junho, mas não há indícios de qualquer mudança por parte da administração. Aliviar a pressão sobre os cofres públicos é importante,mas se cercar de uma equipe competente e motivada é essencial. Porém, é impossível sem uma remuneração condizente com o cargo e com as responsabilidades que seus ocupantes assumem.

RISPIDEZ NO AR
O diretor de obras do município, Emerson Jeremias, saiu-se muito mal em entrevista concedida à Rádio Marconi. Jeremias foi à emissora rebater a vereadora Vani (PMDB), que afirmou, na Tribuna da Câmara, que as obras realizadas no bairro Rio Molha foram responsabilidade da associação de moradores, e não da Prefeitura. O diretor tinha tudo para sair por cima, mas adotou um discurso ríspido e raivoso e acabou perdendo a razão. Não é assim que o governo deve fazer a defesa de suas ações, e agindo desta forma somente conseguirá angariar antipatias. O Baffone só espera que a lamentável conduta de Jeremias não tenha sido orientação de algum superior seu.

ADEUS, ASFALTO
A Assembleia Legislativa rejeitou o projeto de lei complementar que regulamentava o Orçamento Regionalizado Impositivo, o qual tornava obrigatória a execução das ações apontadas como prioritárias nas audiências públicas realizadas pela ALESC em todo o Estado. Com isso, podemos dar adeus à pavimentação da estrada Urussanga-Santana, que havia sido incluída no Orçamento do estado três vezes. Segundo o governo, não há dinheiro suficiente para atender a todas as solicitações, e seu líder na assembleia disse que o “Orçamento Regionalizado é muito bom conceitualmente, mas na prática não funciona”. Os moradores da comunidade de Rio Carvão disseram: “sem asfalto não tem voto”. O Baffone torce para que cumpram ao pé da letra sua promessa, já que todos foram feitos de bobos, principalmente quando a comunidade se mobilizou para defender a causa em 2013 e incluir a obra no orçamento durante as audiências também em 2015 e 2016. (Na foto, mobilização realizada em 2013 para a inclusão do projeto).

CHEIRO DE ESGOTO
Não são apenas o carvão e o lixo que poluem os rios de Urussanga. Há também uma grande e fétida quantidade de esgoto domiciliar sendo despejada neles. O Baffone já não aguenta mais caminhar pela cidade e sentir o cheiro insuportável que verte dos cursos d’água. É uma grande vergonha para nós urussanguenses, em pleno ano de 2017, continuar jogando cocô e xixi nos rios como se fosse a coisa mais natural do mundo. Já passou da hora de providências serem tomadas por quem tem a responsabilidade de fazê-lo.

COVARDE
Já está mais do que na hora de dar um basta nessa gente que acha que pode sair por aí matando os animais de estimação e de rua por pura maldade. Em Santana, nas últimas semanas, os casos tomaram grande proporção. Chegaram ao cúmulo de colocar caco de vidro na comida dada para gato e cachorro. Crianças estão desesperadas pela perda dos seus bichinhos. Covarde… O melhor de tudo isso é que a pessoa já está na mira e vai pagar alto!

BAFFINHOS
*Reunião do Conselho do Município de Urussanga – COMUR – será realizada no dia 5 de julho, às 19 horas, na Câmara Municipal. Terá como pauta o projeto de lei do Poder Executivo referente à área industrial do município. Esperamos que o COMUR seja favorável ao projeto e desate de uma vez este nó.
*Ainda não saiu o laudo sobre o acidente com o caminhão do lixo de Urussanga.
*Na Festa do Vinho deste ano a APAE não servirá o famoso nhoque. Alega que não há tempo hábil para produzir a massa até o evento e, em seu lugar, entra o risoto. Resta saber se alguma outra entidade suprirá esta lacuna e servirá o saboroso prato.
*Breve em Urussanga uma novidade para quem gosta de carnes de qualidade, finas e nobres. Um estabelecimento está na fase de testes e promete surpreender a cidade e região com mais esta opção. O Baffone mal pode esperar!
*No Bairro Nova Itália, os moradores da Rua Mantova reclamam da cobrança da taxa de iluminação pública. Com toda razão, pois a rua não tem iluminação pública!
*O vereador Bonetinho (PP) fez a Indicação para que o Poder Executivo elabore projeto de lei visando à criação da “Faixa Prefeital”, como distintivo do cargo de Prefeito do Município de Urussanga, assim como foi feito em Nova Veneza.
*O investimento do Município da Festa Ritorno Alle Origini foi de R$ 24 mil.
*Foi aprovada nesta semana pela Comissão de Finanças e Tributação da Assembleia Legislativa do Estado, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 3/2011, de autoria do deputado Padre Pedro Baldissera, que trata do fim da concessão de aposentadorias
e pensões a ex-governadores do Estado.
*Depois de Nova Veneza, agora é a vez de Pedras Grandes estar em alta. O Plenário do Senado aprovou ontem, o projeto (PLC 75/2016) que inclui no calendário turístico oficial a Festa do Vinho Goethe. Ela será comemorada sempre na primeira quinzena do mês de julho de cada ano. Enquanto isso Urussanga…

BAFFÃO DA SEMANA
*Enquanto isso, num evento ocorrido na cidade na área esporte, no último final de semana, proeminente personalidade, bêbada para variar, chamou a atenção por seu comportamento efusivo. Sua fala pastosa e alcoólica acabou sendo gravada em áudio e o conteúdo, como sempre, se espalhou pelo WhatsApp. Continua rendendo comentários até agora. Hic! Hic!

Flanelinhas podem se cadastrar para trabalhar na XVII Festa do Vinho

Foi iniciado esta semana o cadastro das pessoas interessadas em trabalhar como flanelinhas durante a XVII Festa do Vinho, em Urussanga. O evento ocorrerá de 9 a 13 de agosto, no Parque Municipal Ado Cassetari Vieira. O cadastro dos interessados é realizado antecipadamente no escritório da Comissão Central Organizadora, na entrada do parque.
De acordo com o responsável pela segurança nos dias da festa, Emerson Scrins, o cadastramento dos interessados será realizado das 8h30 às 11h e das 13h30 às 16h de segunda a sexta-feira. “Os interessados devem apresentar a documentação necessária, que são o original e cópia do RG, original e cópia do comprovante de residência e foto 3×4. Além disso, é necessário ter mais de 18 anos para exercer a função”, explica Emerson.
Após esta etapa do cadastramento será realizada uma reunião com a Polícia Militar. “Faremos então uma triagem entre os interessados. Concluída esta fase, eles recebem um colete da Comissão Central Organizadora dando o direito de exercer a função durante os dias da festa”, esclarece.
Ao todo, serão disponibilizadas 16 vagas para flanelinhas. A XVII Festa do Vinho é uma realização da Prefeitura Municipal de Urussanga e Comissão Central Organizadora (CCO) em parceria com as empresas Cardial Feiras e Eventos, Bem Promoções e X9. Os ingressos para a festa podem ser adquiridos pelo site www.minhaentrada. com.br , onde constam também os pontos de venda nas cidades da região Sul de Santa Catarina.

Festa do Vinho contará com câmeras de videomonitoramento

A segurança da XVII Festa do Vinho contará com uma novidade em 2017. Uma parceria entre a empresa Vtech e a Comissão Central Organizadora (CCO) do evento irá possibilitar a instalação de 16 câmeras de videomonitoramento. As câmeras estarão em operação durante os dias da festa e servirão para dar ainda mais segurança a todos que passarem pelo Parque Municipal Ado Cassetari Vieira, em Urussanga.
“É a primeira vez que o parque será monitorado. Esta semana já foi realizado um mapeamento dos pontos que receberão as câmaras. A intenção é de instalá-las nos pontos mais vulneráveis. É uma novidade que com certeza trará mais segurança para o evento”, esclarece Emerson.
Além das câmeras, também serão montadas estruturas para que os seguranças tenham uma visão ampla do parque e, desta forma, tenham uma maior visibilidade das pessoas que estarão circulando pelo local.
“A Festa do Vinho é um evento grandioso, por isso a segurança tem um papel tão importante para o sucesso dele. Já fizemos reuniões com as polícias Militar, Civil e Rodoviária, e, além disso, com as medidas que estão sendo tomadas vamos garantir ainda mais segurança na área interna do Parque Municipal Ado Cassetari Vieira”, explica o presidente da CCO, Odivaldo Bonetti.
A XVII Festa do Vinho é uma realização da Prefeitura Municipal de Urussanga e Comissão Central Organizadora (CCO) em parceria com as empresas Cardial Feiras e Eventos, Bem Promoções e X9. Os ingressos para a festa podem ser adquiridos pelo
site www.minhaentrada.com.br , onde constam também os pontos de venda nas cidades da região Sul de Santa Catarina.