Passeio reúne mais de 140 ciclistas em Urussanga

O roteiro ciclístico que apreciou quatro vinícolas e outros pontos turísticos de Urussanga recebeu pessoas de diversas cidades da região e também da Capital do Estado, no último domingo (26). O 2° Passeio Rota do Vinho Goethe organizado pelo grupo do Urussanga Ciclismo, teve como objetivo apresentar aos ciclistas pontos da cidade e incentivar o esporte.
O passeio reuniu mais de 250 pessoas entre familiares e ciclistas, desses 143 pedalaram pelas estradas da Bendetta. “Foram percorridos cerca de 30 quilômetros. As crianças participaram nas cadeirinhas e o grupo pode degustar vinhos e sucos de uva nas vinícolas”, comenta um dos organizadores do evento, Fabiano Saviato.
Ao final do passeio, houve o sorteio de 20 brindes doados pelas lojas do comércio de Urussanga ao grupo do Urussanga Ciclismo. O grupo também arrecadou 88 quilos de alimento não-perecível que fazia parte da inscrição para o Passeio. “Na nossa próxima reunião iremos decidir para qual entidade iremos destinar os alimentos. Todos os eventos que realizamos serão feitas arrecadações como forma de cumprir metas sociais”, diz Saviato.
O grupo teve o apoio das vinícolas: De Noni, Casa Del Nonno, Vigna Mazon e Vinhos Trevisol. Além da Farmácia Dalila, Auto Viação São José, Scooter e Bicycles. Para mais informações, acesse: www.urussangaciclismo.com.br.

Novo CD da Bandalheia será lançado em agosto

Os fãs de Gera Fornasa e Bandalheia já aguardam com muita expectativa o lançamento do novo CD do grupo. Intitulado “Além do normal”, o trabalho reúne 14 músicas inéditas e será lançado no dia 3 de agosto, no Teatro Elias Angeloni, em Criciúma.
Nesta data, os músicos irão receber familiares, amigos e fãs para uma noite de autógrafos especial. A banda fará uma apresentação de duas horas para mostrar as músicas do novo CD, além de tocar seus maiores sucessos. Uma porcentagem da venda de ingressos será revertida para uma entidade filantrópica. “Considero este novo CD o melhor da banda e mais completo, pois foi construído com muitas parcerias de compositores, profissionais de Urussanga, gravado em nosso estúdio e com excelente conteúdo. Esperamos que todos apreciem este trabalho eclético e verdadeiro”, frisa o músico Geraldo Fornasa.
O lançamento no Teatro Municipal traz boas recordações à banda. Foi neste local onde o grupo gravou o primeiro DVD em 2009, último trabalho da Bandalheia. “Escolhemos este lugar pela qualidade acústica, o conforto do público e a lembrança daquele teatro lotado. A Bandalheia possui uma representação forte e vibrante para seus integrantes e os fãs. São quase 30 anos dedicados ao rock. Antes de tudo, nossa banda é superação e diversão, bem como, compromisso e respeito individual e coletivo”, conta o baterista da banda, Jair de Ávila.
Os ingressos para o lançamento de “Além do normal” estão à venda em Urussanga e região. Em Urussanga, o novo CD é comercializado na Cia da Música, Papelaria Miotello’s e Restaurante Piatto D’oro.

DIA DO ROCK
No Dia Mundial do Rock, celebrado em 13 de julho, o grupo Gera Fornasa e Bandalheia irá participar do programa “Do Avesso”, na Rádio Som Maior, em Criciúma. Nesta mesma data, a noite, a banda fará um “pocket show” no Nações Shopping com bate papo, autógrafos e apresentação musical.

Passeio fotográfico percorre os caminhos do tenor Aldo Baldin

Vislumbrar paisagens, estar em contato com a natureza, conhecer novos caminhos, trocar experiências e vivenciar a história de um grande artista são descobertas que um grupo de fotógrafos amadores e profissionais irá experimentar neste final de semana. O encontro acontecerá por meio da “2ª Camminata Fotografica”, promovida pelo Foto Clube de Urussanga. Nesta edição, a vida do tenor Aldo Baldin será enaltecida.
Na manhã de sábado, dia 25, o grupo sairá do pátio da Igreja Matriz de Urussanga, às 8 horas, com destino a comunidade de Belvedere, local onde nasceu o artista. Durante o passeio, os fotógrafos irão registrar detalhes da paisagem e compartilhar informações sobre o tenor. Eles seguirão rumo a Vila Nesi, em Treviso, localidade onde Aldo Baldin viveu com a família. Às 13 horas, o grupo irá participar de um almoço típico italiano elaborado por moradores desta comunidade no Centro Comunitário. Nesta oportunidade, os fotógrafos terão a oportunidade de interagir com a comunidade e com familiares do tenor. O passeio encerra às 15h30min com retorno a Urussanga.
Segundo o presidente do Foto Clube de Urussanga, Luiz Antonio Neves Marques, a ideia destes encontros é promover uma ação cultural aos amantes da fotografia. “Passeios como estes mostram as belezas da cidade no meio rural, apresentam a cultura, os costumes, a tradição, as casas antigas, as paisagens, entre outros detalhes. Além disso, desenvolvemos a prática de fotografar e dividimos conhecimentos. Os participantes sairão com seus carros de Urussanga até o Belvedere, local onde iniciaremos a caminhada. Fizemos uma visita aos primos do tenor Baldin e eles apoiaram a ideia. Vamos visitar a antiga residência do artista e imediações. Posteriormente faremos uma exposição fotográfica deste encontro. As fotografias irão se transformar num acervo para o futuro do município”, ressalta.
O integrante do Foto Clube de Urussanga, Henry Goulart, explica que esta ação apresenta uma nova dinâmica relacionada à fotografia. “Saímos deste momento convencional de promover exposições e proporcionamos desta forma uma interação em grupo com o ato de fotografar. Estas experiências propiciam aos participantes o contato com a natureza e o modo de observar a paisagem de um ângulo diferente. É algo mais sensorial, ser sensibilizado pelo ambiente, pelos detalhes, para que se possa explorar novas técnicas e descobertas. Fazer esta caminhada especial voltada à história do Aldo Baldin é redescobrir a nossa identidade cultural também”, frisa.
A administradora Jaira Meneghel acompanhou o primeiro passeio fotográfico promovido ano passado e irá participar da segunda edição neste final de semana. “Tenho alguns cursos de fotografia e tenho um grande interesse nessa área. Na primeira edição em Rio Maior reuni alguns amigos para participar e foi ótimo. Além de explorar novos lugares, conhecemos pessoas com a mesma paixão por fotografia e já trocamos conhecimentos. O lugar foi de grande beleza cultural. Essas caminhadas contribuem e muito para que nós possamos conhecer nossa própria cidade. Já li muito sobre o tenor Aldo Baldin, um grande homem que saiu de sua pequena cidade para ganhar o mundo com sua voz. Acredito que este passeio será incrível”, pontua.
Mais informações sobre a “2ª Camminata Fotografica – Caminhos de Aldo Baldin” podem ser obtidas com o Foto Clube de Urussanga pelo telefone 9912-1200.

Cultive uma horta orgânica e colha qualidade de vida Parte VI –Manejo das principais doenças, pragas e plantas espontâneas (“inços”)

Além das práticas preventivas, outras medidas são importantes para o manejo das doenças, pragas e plantas espontâneas.
Controle mecânico: Consiste na destruição de focos de doenças, pragas e plantas espontâneas através de meios mecânicos e algumas práticas culturais. Dentre essas destacam-se: a) eliminar e destruir (enterrio ou uso em compostagem) através devisita diária a horta, plantas doentes (ramos, folhas e frutos doentes) e/ou atacadas por pragas, evitando-se a disseminação rápida de doenças e pragas. As capinas superficiais de algumas plantas espontâneas como a tiririca ou junça e grama seda tem pouco efeito, por isso, em áreas pequenas, deve-se arrancar as plantas inteiras, usando-se ferramentas apropriadas b) catação manual e destruição de larvas, insetos adultos e ovos depositados nas folhas. A lagarta rosca se esconde no solo durante o dia, próximo à planta cortada; para encontrá-la e destruí-la basta cavar o solo ao redor da planta cortada à cerca de 10 cm de profundidade; c) através da irrigação, utilizando-se jatos fortes de água, pode-se reduzir a ocorrência de pulgões, ácaros, tripes e lagartas do cartucho do milho, pragas que aparecem mais em condições de estiagem; d) a colocação de sacos de aniagem, umedecidos com leite, entre os caminhos da horta, no final do dia, atrai lesmas e caracóis.Deve-se fazer o recolhimento pela manhã, combatendo-os com cal virgem ou sal.
Cultivo protegido: os frutos de tomate são perfurados por brocas e traças, por isso, o ensacamento dos frutos surge como alternativa. As inflorescências são ensacadas quando apresentam em torno de seis flores. As embalagens podem ser de papel glassine opaco e impermeável, de polipropileno perfurado e de TNT (tecido-não-tecido) encontradas em lojas comerciais.
Manejo cultural: Consiste no cultivo de outras espécies que podem servir para abafar os “inços” e atrair ou repelir as pragas.Plantas de cobertura do solo – são espécies que exercem importante papel na conservação do solo, no suprimento de nutrientes como nitrogênio, fósforo e potássio, no equilíbrio das propriedades do solo e no manejo de plantas espontâneas. As plantas das espécies de cobertura (ex.: aveia e mucuna) afetam diretamente a emergência das sementes e o crescimento das plantas espontâneas. O feijão de porco, a aveia-preta e a mucuna diminuem a presença de plantas espontâneas que ocorrem na horta. O cultivo de abobrinha caserta (abobrinha de moita) atrai a broca do pepino e as vaquinhas, devendo-se tomar o cuidado de eliminá-la quando muito atacadas pelas brocas para não haver disseminação. O porongo verde (planta trepadeira com folhas parecidas com as de abóbora), cortado ao meio, e a raiz de tajujá ou tayuyá (planta trepadeira com folhas parecidas com melancia), cortada em fatias (10cm), espalhadas na horta também atraem a vaquinha; A seiva ou o líquido existente na raiz do tajujá atrai a vaquinha, fazendo com que não ataquem a planta cultivada. Tanto no caso do porongo como na raiz de tajujá, usadas como iscas, deve-se renová-las regularmente. A hortelã e o alecrim repele a borboleta da couve que põe os ovos dando origem às lagartas que comem as folhas. O cravo-de-defunto ou tagetes, devido às suas glândulas aromáticas, repele muitos insetos e mantém o solo livre de nematoides. O coentro consorciado com o tomateiro repele a traça que perfura o tomate. O alho, manjerona, camomila e mal-me-quer plantados no meio da horta inibem a presença de insetos.

Para mais informações, acessar o blog: www.cultivehortaorganica.blogspot.com

Calatonia: técnica leva ao relaxamento profundo e melhora ansiedade

A rotina agitada, repleta de compromissos e adversidades, é invadida pela ansiedade e a busca por respostas e soluções. Os diversos transtornos de ansiedade causam irritabilidade, inquietação, pensamento acelerado, falta de concentração, transtorno do sono e também sintomas psicossomáticos como gastrite, tonturas, nó na garganta, dores de cabeça, entre outros.
As fobias, os medos, a síndrome do pânico e o transtorno obsessivo compulsivo são alguns tipos de ansiedade que afligem uma parcela da população. Para orientar essas pessoas, a psicologia trabalha com técnicas e recursos. Em Urussanga, a psicóloga Tatiana da Luz utiliza a técnica denominada Calatonia ou toques sutis, um método de relaxamento profundo que leva à regulação do tônus muscular, promovendo o reequilíbrio físico, psíquico e mental do paciente.
“Essencialmente falando, a Calatonia tem como base sua atuação na sensibilidade táctil por meio da aplicação de estímulos suaves em áreas do corpo onde se verifica especial concentração de receptores nervosos. A base dos toques sutis e da Calatonia é sua capacidade de reorganizar o organismo em sua totalidade e restabelecer a autorregulação. A autorregulação é a habilidade natural do corpo e da psique de ajustar e otimizar seu funcionamento e equilíbrio a qualquer momento, já que somos desorganizados devido ao estresse físico, emocional e mental, ou pelo impacto excessivo das mudanças internas ou externas”, explica.
A empresária M.D., de 34 anos, procurou o método devido ao estresse do dia a dia e a perda de um ente querido. A técnica trouxe benefícios para a sua mente e saúde. “Eu comecei a parar de buscar os por ques e a focar no meu equilíbrio. Passei a dormir melhor, ficar mais calma, deixei de sentir desconforto no estômago, por exemplo”, relata.
A Calatonia trará benefícios como o relaxamento profundo a qualquer pessoa, sempre com o acompanhamento de um profissional habilitado. O psicólogo é capaz de avaliar e elaborar com o paciente suas reações à técnica, bem como, as possíveis contraindicações à aplicação do método. Os critérios de escolha de tais “pontos de toque”, ou estimulação, variam de acordo com cada caso em função do histórico e da evolução do processo psicoterápico de cada paciente.
“Pare e pense: será que você está cultivando algum tipo dessa ansiedade? Você está sendo feliz nos mínimos detalhes? Consegue agradecer pelo espetáculo da vida? Ser feliz não é ter uma vida sem perdas e sofrimentos. Ser feliz é nunca deixar de sonhar e mesmo no sofrimento tentar tirar proveito para nossa evolução. Ressentimento s, raiva e culpa são venenos que nos afastam da felicidade e roubam nossa energia. Portanto é importante usar a nossa mente para pensar maravilhas e não para sofrer. Faça essa escolha e tenha um tempo para você em busca desse caminho”, finaliza a psicóloga.

Inverno: Previsão é de ondas de frio intenso durante a estação

Ao contrário do ano passado, o inverno deste ano contará com o fenômeno La Ninã e a presença de massa de ar polar. Estes acontecimentos trarão ondas de frio intenso em Urussanga e região. A previsão indica que as madrugadas ficarão na média de 10° C e durante o dia cerca de 22° C, conforme informações do Climatologista da Epagri, Márcio Sônego.
“O frio intenso depende da presença da massa de ar polar que vem do círculo polar Antártico. Então, estas ondas de frio podem durar de três a sete dias, depois esquenta por alguns dias, até vir nova massa de ar polar”, comenta Sônego.
Para o início de julho, espera-se novamente a chegada do frio intenso, que irá lembrar as baixas temperaturas do ano 2000. “A mudança da circulação geral da atmosfera permitiu a vinda do ar polar sobre o sul do Brasil com maior facilidade e numa trajetória pelo interior do continente, fato que lembra o histórico frio de julho do ano 2000”, observa Sonego.
O inverno deste ano será mais intenso do que o registrado em 2015, quando Urussanga não teve nenhuma geada e a temperatura em agosto foi 4° C mais quente.
Já em 2016, somente em junho foram registradas sete geadas, enquanto a média histórica era de três geadas no mesmo mês. “Não havia nenhuma previsão para ser um frio assim tão prolongado, já que o padrão atmosférico mudou quase que repentinamente de calor prolongado para frio prolongado”, ressalta o climatologista.
As chuvas serão menos frequentes durante o mês de julho. Em agosto os dias serão mais chuvosos.

UMIDADE DO AR

A umidade do ar no litoral sul do Brasil, incluindo Urussanga, é por muitas vezes elevada. Segundo Sônego, a média fica em 84% em junho e julho e 81% em agosto. “Durante a noite o valor sempre é perto dos 100%, com formação de orvalho, nevoeiro e no frio forte, geada. Mas com o vento sudoeste, mais frio e seco, esses valores podem cair para até 20% em algumas tardes mais frias e de tempo bom”, explica. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o nível ideal de umidade do ar para o organismo humano gira entre 40% e 70%.

Jovem aprende técnicas artesanais em curso e se torna professora

O interesse pelo artesanato começou desde cedo na vida de Catia Berti da Silva, de 19 anos. Na adolescência, ela já pintava caixas de madeira e comercializava. Unindo sempre o trabalho artesanal como uma fonte de renda extra, Catia pode ter mais independência de seus pais e fazer o que gosta.
Em 2015, a jovem participou de um curso de decoração em chinelos, oferecido através do Programa Nacional de Diversificação em áreas cultivadas com tabaco, executado pela Uneagro através da Engenheira Agrônoma Débora Schurch. Com este curso que teve duração de apenas um dia, Catia teve ainda mais interesse em aprender as técnicas. Para expandir o que aprendeu, a jovem passou a pesquisar na internet novas opções de decorações em chinelos. “Eu busquei em vídeos as novas tendências e formas de aplicar as pedrarias, laços e pérolas. No começo eu fazia e vendia para familiares apenas”, conta.
No início Catia produzia os chinelos decorados apenas porque gostava de artesanato, até que começou a receber pedidos de mais pessoas e se tornou sua fonte de renda. “Já fiz mais de 150 chinelos decorados com pedrarias, fui vendendo para uma amiga e depois para vizinhos e quando vi já estava cheia de pedidos. Tenho um lucro de 50% das vendas e com isto não dependo dos meus pais”, relata a jovem.
Quando a Engenheira Agrônoma, Débora Schuch soube que Catia estava se dedicando ao artesanato, fez o convite para ela passar a ministrar os cursos. “Como ela mora no município e sempre está buscando coisas novas, eu percebi que seria interessante ela começar a ministrar os cursos nas comunidades. Catia se mostrou uma ótima professora. Ela sabe explicar e as mulheres lhe adoram”, afirma.
Catia já ministrou dois cursos na comunidade de Barro Preto e um em Armazém. Em breve, ela também irá dar aula de decoração em imagens de Santas, na comunidade de Santo Antônio do Fogo e de chinelos de pelúcia em Armazén. “Depois dos chinelos, também aprendi a fazer decoração em Santos. Este produto é caro no comércio e as mulheres podem aprender e vender por um preço mais justo e ainda terem lucro. O que é aprendido no curso pode se tornar uma fonte de renda, mas também pode servir para fazer presentes aos familiares e amigos”, explica a jovem.
A última novidade que Catia aprendeu foram os chinelos com pelúcia, ideais para o frio da região. “Esta técnica também estudei pela internet e fui testando até fazer corretamente. Comecei a produzir agora com a chegada do outono e já vendi mais de dez pares e tenho encomendas”, diz Catia.
Quem desejar fazer encomendas, pode entrar em contato pelo telefone ou WhatsApp: (48) 96357976 e falar com a Catia.

Vendas nos supermercados catarinenses apresentam resultado negativo

As vendas do setor supermercadista catarinense apresentaram uma queda de quase 5% em abril em relação ao mês anterior. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, houve um crescimento de 0,83%. Os indicadores já levam em conta a inflação do período. No entanto, a expectativa é de mudança neste cenário.
No acumulado dos quatro primeiros meses, na comparação com o quadrimestre do ano passado, houve um resultado positivo em 1,1%. Segundo o diretor executivo da Associação Catarinense de Supermercados (Acats), Antonio Carlos Poletini, as vendas neste início de ano foram prejudicadas por fatores sazonais e devido às mudanças na equipe econômica do país as expectativas são bem melhores.
“A perspectiva é boa. Estamos otimistas. Entendemos que há um novo ânimo na economia e uma reorganização no governo. Se houver essa animação na economia e voltar a gerar emprego, existe perspectiva de retomar o crescimento no setor supermercadista”, comenta.
Poletini ressalta que para enfrentar esse período de dificuldades, os supermercadistas têm apostado principalmente em uma boa gestão.
“O setor supermercadista catarinense é muito organizado. Embora muitas empresas sejam familiares, nós temos excelentes gestores que estão trabalhando desde o ano passado, quando custos já impactaram os supermercados, numa melhor gestão e controle de custo para que sejam otimizados os recursos. Então as redes de Santa Catarina são muito organizadas e com certeza vão saber conduzir esse momento de uma maneira inteligente e sem muito prejuízo”, salienta.

Crise de ansiedade

Será que é feio fazer um desabafo aqui? Eu vou fazer um desabafo aqui. Ando mais ansioso do que normalmente. A mesma ansiedade que me faz realizar algumas coisas boas, às vezes me paralisa. Começo a escrever esta coluna e nem sei qual assunto abordar. Levanto e pego um café. Já é o terceiro da tarde que mal começou. Bebo café quente em copo plástico. Dizem que dá câncer. Viver dá câncer, eis tudo.
Agitado pela cafeína, vou até a janela do meu escritório, onde permaneço alguns minutos contemplando, no horizonte imediato, a bandeira do Acre. Sim, do Acre, pois agora podemos ver hasteadas na rótula de entrada da cidade as bandeiras de todos os Estados do Brasil. O memorial das bandeiras, que colore a paisagem da minha janela, custou 44 mil reais. Mas eu falava da bandeira do Acre, que é um retângulo dividido em dois triângulos, um verde e um amarelo e, no canto superior esquerdo, possui uma singela estrela vermelha. Verde e amarela com uma estrela vermelha no canto esquerdo. Fecho a janela com violência e volto para minha mesa.
Bebo o resto do café gelado que sobrou no copo. Ainda sem assunto, abro o Facebook e leio que um empresário, após demitir 223 funcionários, suicidou-se. Havia na matéria uma foto dele, enforcado no pavilhão da fábrica. E ainda dizem que os empresários são homens desalmados. Vou adiante na timeline do Facebook e encontro nova informação sobre a onça Juma, morta após participar de uma cerimônia com a tocha olímpica. Outro dia, foi um senhor que desfilava com a tocha e, de repente, caiu num buraco no meio da rua. Agora, a onça Juma, abatida, pobre animal! Atocha, Brasil! Atocha mais que está pouco!
Dou-me conta de que o café, a paisagem da janela, o Facebook, nada disso ajuda em minha crise de ansiedade. Encho um copo d´água e o bebo sorvendo cada gole com sofreguidão. De repente, lembro-me de Nelson Rodrigues, o reacionário. Nelson acusava o brasileiro de ser um narciso ao contrário, alguém que cospe na própria imagem. Mas ele não chegou a ver a tocha olímpica em excursão pelo Brasil, nem teve a oportunidade de presenciar o renomado jurista Tomás Turbando sendo mencionado no Senado Federal. Decido tomar mais um café quente em copo plástico. Queria continuar escrevendo, mas meu espaço acaba aqui.

Se não for vice do PMDB, PT de Urussanga lançará candidatura própria

O Partido dos Trabalhadores (PT) de Urussanga já possui uma postura em relação às eleições municipais deste ano. Caso não seja vice do PMDB, o PT estará do lado oposto e irá se apresentar como mais uma opção aos eleitores.
“A coligação com o PMDB é a preferência. A relação com eles é boa dentro da política. Mas definimos em reunião com o diretório que caso o PMDB não queira o PT como vice, não existe a possibilidade de estarmos juntos numa coligação. Caso esta situação de não ser vice ocorra certamente estaremos em lados opostos. Entendemos que não seria justo esta condição devido a grande participação do PT na atual administração municipal, bem como, no volume de obras que ajudamos a construir neste período. O momento atual é de conversa entre os partidos. Estrategicamente não é interessante fechar a porta para ninguém. Os dois diretórios do partido vêm conversando sobre a coligação. Sabemos que existe a possibilidade real do PSB estar junto nesta aliança”, explica o presidente do PT, Marcos Roberto Silveira.
Três filiados colocaram seus nomes à disposição do partido: Luiz Henrique Martins, Régis Quadros e Júlio Bonetti. No início deste ano, o atual vice-prefeito de Urussanga, Luiz Henrique Martins, afirmou que não iria mais concorrer ao cargo, mas após a reunião com militantes do PT mudou sua postura.
“Questões pessoais me levaram a não querer mais concorrer às eleições municipais deste ano. Porém, a pedido do partido, coloquei meu nome novamente à disposição. Eu e o Johnny conversamos todos os dias. O não acerto ainda sobre a coligação não está interferindo no relacionamento de prefeito e vice. O PT entende que deve participar dessa aliança porque fizemos esta administração a quatro mãos e a maioria dos recursos vindos foi federal. Nós nos sentiremos traídos caso não aconteça essa coligação. De qualquer forma, lançaremos candidatura e chapa pura sendo eu candidato a prefeito e o Régis a vice”, ressalta Luiz Henrique Martins.
Para Martins, o cenário nacional do PT não influencia nas ações municipais. “As pessoas relacionam o PT de Urussanga ao trabalho realizado pelo vice-prefeito, do vereador atuante Marquinhos, do Luiz Fernando Rodrigues e Geraldo de Souza no esporte, do Régis na educação. As pessoas avaliam as ações, a atuação na comunidade, e não as questões partidárias”, frisa.
Nas eleições municipais deste ano, o PT de Urussanga terá 14 candidatos a vereador. Evandro de Rezende, Marcos Roberto Silveira, Wilson Adriani Joaquim, Julio Bonetti, Geraldo de Souza, Régis Quadros, Mairon Albino, Gustavo de Oliveira, Aroldo de Jesus e Franciele Carara são alguns dos nomes.

Prorrogadas as inscrições para evento sobre Bacias Hidrográficas

As inscrições para o 2º Diálogo entre Bacias Hidrográficas do Extremo Sul Catarinense foram estendidas até o dia 10 de julho. Este prazo é direcionado aos interessados em apresentar práticas bem sucedidas desenvolvidas por instituições, além de pesquisas científicas e trabalhos acadêmicos.
A segunda edição do evento, promovida pelos Comitês das bacias dos rios Araranguá e Urussanga, acontecerá no dia 27 de julho, no auditório da ACIC, em Criciúma, e irá abordar o tema “Áreas Produtoras de Água – Pactos de Gestão”. O encontro visa despertar a responsabilidade, buscar acordos e planejar os usos múltiplos e racional dos recursos hídricos.
O evento é aberto a profissionais e estudantes das diversas áreas e a todos os interessados pela gestão de recursos hídricos. As inscrições para participar do evento são gratuitas e podem ser feitas até o dia do evento no site:www.dialogoentrebaciasblog.wordpress.com
Interessados em apresentar trabalhos devem efetuar a inscrição até o dia 10 de julho e depois encaminhar seus resumos para o e-mail: dialogoentrebacias@gmail.com
A ação dos Comitês busca despertar a responsabilidade na sociedade civil, nos setores usuários de água e no poder público para a manutenção das áreas produtoras de água necessárias nas atividades socioeconômicas e ambientais das bacias.
“A participação dos setores inseridos nas bacias hidrográficas vai auxiliar na identificação e procura de soluções para os problemas ambientais que degradam os recursos hídricos”, explica a coordenadora de educação ambiental do Comitê da Bacia do Rio Urussanga, Rose Adami.
“Neste evento, vamos definir encaminhamentos para a construção de pactos de gestão de recursos hídricos”, acrescenta a consultora do Comitê da Bacia do Rio Araranguá, Michele Pereira da Silva.

Passeata pede reabertura de caso

Na tarde de sábado (11), cerca de cem pessoas entre familiares e amigos de Elvis Fontana se vestiram de preto e caminharam pela Praça Anita Garibaldi para pedir por justiça. O manifesto que ocorreu de forma pacífica teve o objetivo de solicitar que o caso seja reaberto e que a Divisão de Investigações Criminais (DIC) da Delegacia de Polícia Civil tenha mais tempo para investigar o caso.
Uma salva de palmas encerrou o manifesto com muita emoção entre os participantes. Os familiares não quiseram comentar sobre o assunto para a imprensa. O amigo de Elvis, Edson Lemos, pediu aos presentes ajudem a dar informações e que sejam repassadas a família. “A família já entrou em contato com o Ministério Público e eles estão em fase de análise do caso, onde se eles acharem algo duvidoso, o caso pode ser reaberto. Também pedimos para quem tiver informações que nos passem”, explica.
Na próxima semana os familiares e amigos irão distribuir um abaixo assinado pelo comércio de Urussanga a quem ser a favor de reabrir o caso, para dar mais força ao pedido.
Em entrevista com o Delegado da DIC de Criciúma, André Milanese, ele informou que para o caso poder ser reaberto é necessário ter um novo fato relevante. “Não tenho nada contra ao manifesto, pois a família tem direito. Mas o caso já foi concluído, então só poderia ser reaberto se houver uma motivação ou por determinação judicial”, explica.

Festa de Santo Antônio é assaltada com prejuízo de mais de R$ 15 mil

Nota

Na noite de sábado (11), após os festejos na comunidade do Rio Caeté, por volta das 23h30min, o grupo que estava organizando o evento para o dia seguinte, foi surpreendido com a chegada de quatro homens abordando um assalto.
Uma das moradoras que ajudava na festa, Raiane Martins, relata que eles estavam em 17 pessoas quando os assaltantes chegaram, todos estavam armados com três espingardas e um revólver. “Ficamos muito assustados e só obedeciam”, informa.
Eles levaram ainda de algumas pessoas carteiras, relógios, telefones celulares e dinheiro. Mas o maior prejuízo foi o roubo do valor em caixa, contabilizado em mais de 15 mil reais. “Tínhamos troco de pessoas que nos emprestaram neste valor e todo o lucro do sábado da festa”, diz Raiane.
Segundo informações da moradora, após o roubo, os homens chavearam as 17 pessoas em uma sala e fugiram com um veículo de uma das mulheres que estavam na organização, porém, a cerca de 200 metros do local, os criminosos bateram em um barranco e fugiram a pé por um rio e depois pela mata.
A Polícia Militar de Urussanga realizava rondas pela comunidade quando percebeu a fuga dos criminosos. O veículo foi recuperado pela PM e também foram encontradas armas perdidas.
As pessoas assaltadas prestaram depoimento na Polícia Civil da Comarca de Urussanga, para que o caso seja investigado. Policiais militares de Criciúma, entre eles o K9, continuaram a busca pelos criminosos até a manhã deste domingo, mas ninguém foi localizado.

O dom de tocar e encantar

A sutileza dos sons que invadiu a sala durante a aula de música fascinou André Luiz Bertoncini Feltrin em 2001. Com apenas 9 anos, aquela oportunidade se apresentava como o primeiro contato dele com o piano e a música clássica. As teclas todas iguais e os sons emitidos por uma grande caixa despertaram a curiosidade de André Luiz logo em sua primeira aula particular. Iniciar esta atividade extracurricular contou com o apoio dos pais Luizita Bertoncini Feltrin e José Otávio Feltrin.
“Desde criança sempre gostei muito de música. Em casa todos ouviam muita música e cantávamos. Adorava quando aconteciam almoços ou jantares com amigos e parentes, pois sempre acabávamos numa rodinha cantando acompanhados com um violão. Isso sempre esteve muito presente na minha infância. Logo meu primeiro contato com a música erudita foi na minha primeira aula de piano mesmo, com uma tia da minha mãe, a Nilce, no Colégio Rainha do Mundo, através de aulas particulares. Na minha primeira aula lembro que fiz a tia abrir o piano para ver como funcionava e, como sempre fui muito curioso, fiquei fascinado com a quantidade de sons e com as possibilidades de nuances que aquele instrumento oferecia”, conta.
As aulas particulares introduziram André no atraente e encantador mundo da música clássica. Concentração e coordenação regiam as horas destinadas ao piano. De estudante de piano, André passou a acompanhar o coral infanto-juvenil “Picolo Coro Aldo Baldin”, através de um projeto cultural da Prefeitura Municipal. Juntos, piano e coral encantavam o público que acompanhava as apresentações na praça e em eventos de fim de ano.
“Um dos momentos mais marcantes deste início no meio musical em Urussanga eram os recitais de fim de ano. Sempre ficava bastante ansioso e adorava tocar nestas oportunidades”, recorda.

PAIXÃO QUE VIROU PROFISSÃO

A paixão pelo piano mostrou a André Luiz Feltrin formas de alcançar caminhos mais profissionais. Com o incentivo de familiares e amigos, ele foi buscar seus sonhos no estado vizinho. No Paraná, André ingressou no curso de bacharel em Instrumento – Piano, na Escola de Música e Belas Artes do Paraná (EMBAP), atual Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). A escolha de Curitiba ocorreu devido à continuidade das aulas com a renomada professora russa Olga Kiun, referência no cenário erudito nacional. Durante quatro anos, André se aprofundou na história da música, além de conhecer compositores e intérpretes. “De compositor, gosto muito de Bach, Beethoven, Brahms e Chopin. De compositor erudito brasileiro, admiro Marlos Nobre, pois ele implementa com os ritmos folclóricos nordestinos na música erudita. Cada um com as suas peculiaridades. Eu gosto principalmente o barroco de Bach e o classicismo de Beethoven. Hoje tenho algumas referências como intérpretes: Martha Argerich, Nelson Freire, Grigory Sokolov e Emil Gilels”, pontua.
O urussanguense encerrou o curso em fevereiro deste ano e neste mesmo período participou de uma aula especial com um professor alemão em Curitiba. O encontro se transformou numa grande oportunidade profissional. “Fiquei bastante impressionado pelo currículo, repertório e a forma de tocar do professor. Conversamos e demonstrei meu interesse em seguir meus estudos fora do Brasil e desde então ele vem me encorajando a fazer a seleção para mestrado na universidade que ele dá aulas, em Viena, na Áustria”, ressalta. A seleção do mestrado ocorre no final deste mês. Por isso André está dedicando seu tempo aos estudos. A prova será feita em duas etapas. A primeira será uma entrevista e ele precisará tocar duas peças. Na segunda etapa André terá que tocar um prelúdio (introdução de uma peça musical) e fuga (estilo de composição em que o intérprete executa várias vozes ao mesmo tempo como se tocasse um coral inteiro) de Bach, uma sonata clássica (obra musical com dois temas em contraste), uma peça romântica e uma peça composta após o período impressionista. Para ajudar com os custos da viagem e hospedagem, André está promovendo uma forma de arrecadação online através do link: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/mestrado-f45605ec-9128-49f4-9fe0-681af6588046
“As pessoas podem colaborar com muitas energias positivas, mas quem quiser contribuir com qualquer valor desde já agradeço a ajuda de todos. Quero muito estudar fora e ter a oportunidade no berço da música erudita ocidental será incrível”, pontua. André almeja, para seu futuro, carreira acadêmica para poder lecionar e ensinar tudo o que aprendeu. Paralelamente, o pianista deseja seguir uma carreira de música de câmara (prática em conjunto como, por exemplo, voz e piano ou piano e cordas). “Cada dia me sinto mais responsável pela música que faço como intérprete. Sinto-me completamente realizado em poder unir paixão e profissão. Para mim, a música é a linguagem do universo. A música transcende a língua falada e escrita. Ela transmite e causa sensações e emoções diversas que não se explicam. Nunca tive a oportunidade de tocar em Urussanga. Tenho muita vontade de fazer um recital na região. Aprendi a buscar todas as nuances que a música pode proporcionar e quero poder passar tudo isso a vocês de forma minuciosa”, finaliza.

Urussanga se despede do centenário JoãoTrento

Em março deste ano, após completar 103 anos, João Trento relatou para a reportagem do Jornal Vanguarda que o segredo da longevidade era o desejo de Deus. E foi o desejo divino que o levou deste mundo na última segunda-feira, dia 13. Urussanga se despediu com pesar do famoso centenário Gioanni, que residia na localidade de Rio Salto. Ele era o último dos 12 filhos dos imigrantes italianos Pedro Trento e Joanna Ferraro, oriundos da região de Treviso, no norte da Itália.
Em Urussanga, a família se estabeleceu na comunidade de Rio Carvão e construiu sua vida. Aos 20 anos, João Trento casou-se com Otília Maccari Trento. O trabalho na lavoura foi o sustento do lar. O auge da mineração fez com que eles se deslocassem para Rio Salto, onde viveu até os últimos momentos. João Trento deixou 3 filhas Olga, Iva e Irma, nora Olga e o genro Rui, 19 netos, 21 bisnetos e 3 tataranetos e centenas de amigos.
A trajetória, histórias e fatos foram registrados através do livro “João Tento, cento anni di storia”, publicado no ano de 2013 e escrito pelo jornalista César Pereira. As páginas eternizam as lembranças de Gioanni.
Na última vez em que nos recebeu em sua residência, João Trento ainda estava lúcido e bem humorado. Falava e rezava ainda em italiano e português, mas já afirmava sentir o corpo cansado. De alguma forma buscava estar informado dos acontecimentos, apesar de não mais sair de casa. O único lamento era não conseguir mais ajudar na elaboração de vinhos e a cuidar de seus parreirais, atividades que conduziram sua vida por muitos anos.
Trento não demonstrava estar preocupado com a sua idade, mas sim com a forma que estava aproveitando o tempo. Quando questionado se imaginava passar dos 100 anos, João Trento respondeu com um singelo sorriso: “Não… Agora está passando rápido”. E assim finalizou a nossa última e marcante conversa.
A missa de sétimo dia será celebrada na Igreja Nossa Senhora das Graças, em Rio Salto, neste domingo, dia 22, às 18h30min.

Cultive uma horta orgânica e colha qualidade de vida Parte V–Manejo das principais doenças, pragas e plantas espontâneas (“inços”)

Uma planta bem alimentada e manejada, considerando todas as suas necessidades, é mais resistente às pragas e doenças. Por isso, pode-se trocar o nome de “pragas e doenças” para “indicadores de mau manejo”. A ocorrência de pragas e doenças são a conseqüência e não a causa do problema.Estas quando surgem, são um sinal de desequilíbrio e indicam problemas no manejo do solo. Por isso, em agricultura orgânica tratam-se as causas para que os resultados sejam os mais duradouros e equilibrados possíveis.O manejo adequado do solo proporciona o aumento da resistência das culturas às pragas e doenças e às mudanças impostas por adversidades climáticas, tais como estiagens e chuvas frequentes e intensas. Normalmente, quando se considera o solo como um “organismo vivo” e tratando-o com métodos ecologicamente corretos, associados ao uso de práticas preventivas, não ocorrem doenças e pragas.
Práticas preventivas: A prevenção é a maneira mais fácil de se manejar as doenças, pragas e plantas espontâneas que ocorrem na horta, pois prevenir é melhor que remediar. Dentre essas práticas, destacam-se: a) escolha correta do local para a horta, devendo a área ser pouco inçada, bem drenada e ensolarada, pois os raios solares auxiliam no manejo de doenças;em áreas ainda não infestadas de plantas espontâneas, fazer o manejo preventivo cuidando para não deixar sementar, arrancando-as inteiras e destruindo e, ainda. evitando a incorporação de esterco não curtido, pois dissemina inços através de sementes; b) correção e adubação correta do solo, pois as plantas bem nutridas são mais resistentes;preferencialmente, deve-se usar adubação orgânica, pois além de fornecer todos os nutrientes, melhora a fertilidade do solo; c) sempre que possível, usar variedades crioulas que são mais resistentes às doenças, semeadas ou plantadas na época correta; d) utilizar sistema de semeadura/plantio adequado com espaçamentos maiores para espécies com muitos problemas de doenças e pragas como o tomate, empregando o tutoramento vertical, sempre no sentido norte-sul; e) eliminação e destruição (enterrando ou fazendo compostagem) de restos de culturas e plantas espontâneas (“inços”), pois essas podem ser hospedeiras de doenças e pragas, aumentando a ocorrência na próxima safra; f) a irrigação deve ser na medida certa, pois a falta e o excesso favorecem as pragas e doenças; g) fazer rotação e consorciação de culturas; h) o uso de abrigos e cobertura morta é recomendado pois, além de proteger as plantas das chuvas torrenciais, calor e frio excessivo, desfavorece as pragas, doenças e plantas espontâneas.
Para mais informações, acessar o blog:
www.cultivehortaorganica.blogspot.com

Produção de gado de leite é a atividade mais afetada na região por causa da geada

Os pequenos produtores de leite de Urussanga foram afetados com as geadas da última semana na cidade. A agricultora Norma Mazzucco, de 64 anos, da Palmeira Baixa, é um exemplo que já contabiliza 30% na queda da produtividade.
Toda pastagem de mais de 15 hectares da propriedade de Norma, foi afetada e ficou seca, não servindo mais para alimentar o gado. Ela conta que em março a produção de leite era de 450 litros por dia e que após as geadas, passou para 270 litros. “Eu tenho 37 vacas de leite e agora a alimentação delas se baseia em ração e silagem. Mas a ração está cara e não é a melhor opção para o gado”, explica Norma.
A agricultora comenta ainda que o valor pago pelo litro do leite teve aumento, o que está colaborando para não ter um prejuízo muito grande. “Era pago R$ 0,95 pelo litro do leite e agora, recebe em torno de R$ 1,15. Com esse aumento de R$ 0,20, já auxilia a manter os gastos extras com a ração que antes não tinham”, diz.
O azevém também é uma das opções de alimentação, mas que precisa de chuva para crescer. “Eu semeei o azévem esta semana e se chover nos próximos dias, poderá alimentar o gado e melhorar um pouco a produtividade. Porém, a pastagem era essencial para ter produção de qualidade”, expõe a agricultora.
Conforme a Engenheira Agrônoma da Epagri de Urussanga, Heloísa Ricken Angelo, as comunidades que mais sofreram as do interior. “O Rio Caeté, Rio Maior, Palmeira Baixa, Rio Molha e outras comunidades com certeza tiveram as pastagens mortas pelas geadas”, diz.
Além do gado, os cultivos de algumas frutas também sofreram com o frio intenso. As principais foram à produção de banana, pêssego, ameixa, verduras e entre outros cultivos. Heloísa comenta que em alguns casos, é possível evitar grandes danos. “Nos dias de geada, as verduras podem ser irrigadas com água e evitar que morram posteriormente. Já no caso da produção de banana, é possível ensacar o cacho, porém, não dá para evitar os danos no pé”, observa.

Antena de telefonia móvel começa a funcionar em um mês, no Rio América

Desde 2013, o poder legislativo através do vereador Marcos Silveira, buscava pela instalação de uma telefonia móvel na comunidade de Rio América. Em junho de 2013, foi realizada uma reunião com a Deputada Ana Paula Lima juntamente com o Diretor Institucional da operadora Telecom Italia Mobile (TIM) da região sul, Cleber Affanio. “Nesta reunião, foi solicitado à instalação da antena da telefonia móvel para a comunidade do Rio América e comunidades próximas”, explica o vereador.
Após o encontro, o Diretor da TIM participou de uma reunião na Câmara de Vereadores de Urussanga em setembro de 2013. Em dezembro do mesmo ano, foi aprovado a instalação e em junho deste ano saiu a licença ambiental. “Já temos o alvará de Instalação da Prefeitura, a qual gostaria de agradecer pelo empenho. Nesta semana os materiais chegaram e a partir de agora se inicia a instalação”, comenta o vereador.
A antena será instalada ao lado do campo da Ambra e o aluguel do espaço será revertido para a associação de moradores. A base da torre começou a ser edificada na quarta-feira (15) e a previsão é de que em até 30 dias a antena esteja em funcionamento. Ela irá abranger um raio de três quilômetros, beneficiando toda a comunidade. “Foi uma batalha e muita burocracia vencida desde 2013, mas acredito que o benefício será grande, pois estamos passando várias dificuldades com nossos telefones fixos, assim teremos mais uma opção de comunicação e internet”, conclui o vereador.
Para o fotógrafo e morador do bairro Rio América, Willian Mariot, com a instalação da antena irá favorecer seu trabalho. “Hoje eu dependo de telefone fixo, porém, muitas pessoas me ligam no celular e por muitas vezes já perdi trabalhos por conta disto. Também terei mais economia, por ser mais barato realizar ligações por telefone móvel e ainda irei conseguir receber ligações quando estiver pelo bairro”, comenta.

POR MENOS PARTIDOS

Uma coisa que me entedia bastante são as intermináveis tratativas para a formação das coligações eleitorais. Toda véspera de pleito é a mesma coisa: um sem fim de especulações, um vai e vem de filiações e desfiliações, jogos de cena, muita dissimulação e faz de conta. A política nossa de cada dia é uma coisa pobrezinha de espírito, um conta-conta miúdo de votos, um toma-lá-dá-cá sem constrangimentos. Sim, faz parte do jogo, mas é chato e eu duvido que os eleitores gostem de assistir a esta dança do acasalamento partidária.
Há partidos demais no Brasil. Há partidos demais em Urussanga.Em Urussanga, há partidos demais. Nada justifica que numa cidade com menos de 15 mil eleitores existam tantas siglas disputando espaço. Elas não representam cada qual uma visão administrativa diferente, elas não possuem uma ideologia que as distinga das demais, elas sequer têm compromisso com a cartilha oficial de seus respectivos diretórios nacionais. A quantidade de partidos existentes em Urussanga apenas se explica por um truncado jogo de poder que nada ajuda no desenvolvimento da cidade.
O amadurecimento da política brasileira passa pela redução do número de partidos. O amadurecimento da política local também. Se Urussanga tivesse apenas quatro legendas, o cenário seria mais inteligível e mais estável, o eleitor entenderia melhor quem é quem. As coisas seriam mais claras e mais simples. Mas o emaranhado de siglas proporciona uma grande confusão, uma disputa cansativa e um jogo de interesses que às vezes desestimula o povo a fazer sua escolha. Em meio à barafunda, todos acabam parecendo iguais.
Alguns gostam deste diz-que-diz pré-eleitoral, mas acho que a grande maioria dos eleitores comuns está preocupada com outras coisas e cansada das barganhas partidárias. O eleitor quer as coisas às claras, quer estabilidade e definições o quanto antes. Não tem mais paciência com os conchavos, não aguentam mais os camaleões que mudam de cor conforme o terreno onde pisam. Quanto mais partidos Urussanga tiver, pior será sua política, mais complicadas serão suas eleições, menos compreensão do processo terão os cidadãos.

Política: primeira opção para Urussanga já está definida

A primeira alternativa mais concreta aos eleitores de Urussanga tomou corpo e ganhou força nos últimos dias. Os partidos PDT, PP, PPS e PSDB firmaram acordo e já se apresentam como o primeiro bloco político formado para as eleições municipais deste ano. Os três pré-candidatos a prefeito que representam este grupo visitaram a sede do Jornal Vanguarda nesta semana para expor o direcionamento do trabalho neste momento.
Segundo o pré-candidato pelo PDT, Décio Silva, a formação deste grupo de forma antecipada visa proporcionar à população a escolha democrática de seus candidatos.
“O que me fez abraçar essa causa e botar meu nome à disposição foi justamente essa antecipação dos nomes e expor eles para a população escolher. São os cidadãos que irão, por meio de pesquisas e critérios, dar o direcionamento dos dois candidatos deste grupo que eles confiam para serem os melhores gestores. Mesmo não sendo escolhido, por exemplo, continuarei contribuindo com este grupo, pois buscamos os mesmos ideais”, ressalta.
O pré-candidato pelo PP, Gustavo Cancelier, afirma que a intenção deste bloco político é apresentar-se como uma opção que busca uma nova gestão para o município voltada para o desenvolvimento econômico e com melhorias em diversas áreas.
“Entendemos que Urussanga no sentido de desenvolvimento econômico, o grande alicerce de tudo, parou. Sobre a área industrial não vemos movimentação nenhuma e o desemprego só aumenta. Na agricultura falta incentivo. A educação não está focada na formação do nosso jovem e a saúde precisa de muitas melhorias. Sentimos que a cidade precisa trabalhar nesta área de desenvolvimento econômico para aumentar sua receita e consequentemente ter recursos para investir em saúde, educação, infraestrutura, esporte, cultura, turismo, entre outras áreas. Percebemos que é necessária a execução de obras que tragam retorno para a economia na velocidade que estamos precisando”, frisa.
Conforme o pré-candidato pelo PSDB, Altair Sandrini, a ideia é fazer Urussanga se desenvolver. “Queremos fazer uma administração diferente, mais enxuta, mais profissional. Somos empresários e temos experiência de gestão. Por isso vamos traçar um Plano de Governo mais adiante que fará Urussanga se desenvolver e crescer. Revisar o Plano Diretor é uma das metas. Atrair novas empresas também, pois sem emprego não há renda”, salienta.
Décio Silva (PDT) e Gustavo Cancelier (PP) concorrem pela primeira vez a um cargo político. Nas décadas de 80 e 90, Altair Sandrini (PSDB) foi vice-prefeito, assumiu como prefeito em exercício e também exerceu os cargos de vereador e secretário de Obras.