22 de Maro: Dia Mundial da gua Parte II (final)

No podemos viver sem gua, por isso, quando se comemorou o Dia Mundial da gua, deveramos refletir sobre o papel que cada um de ns devemos ter no processo de economia de gua, evitando desperdcio com pequenas mudanas todos os dias em nossas casas.
Os desperdcios de gua provocados pelo homem: a) Desmatamento: ao destruir a proteo vegetal do solo, as chuvas em excesso carregam a terra exposta, assoreando rios e canais e provocando enchentes; b) Esgoto Domstico: No Brasil, apenas 20% do esgoto passa por tratamento. O restante despejado em rios e crregos, contribuindo para aumentar a sujeira, as enchentes e as doenas; c) Lixo: A falta de tratamento e reciclagem do lixo afeta a gua. Alm da prpria sujeira fsica dos lixes, materiais txicos jogados ao ar livre se infiltram no solo e contaminam lenis subterrneos; d) Resduos Industriais: Os rejeitos das indstrias provocam poluio ainda mais sria do que o lixo domstico, pois osmetais txicos, plsticos e rejeitos qumicos envenenam a gua; e) Agrotxicos: Substncias qumicas usadas em excesso pela lavoura contaminam as plantas, o solo e as reservas subterrneas de gua e os rios e lagos.
Mas como devemos comemorar esta importante data?No s neste dia, mas tambm nos outros 364 dias do ano, precisamos tomar atitudes que colaborem para a preservao e economia de gua. Sugestes no faltam!(adaptado do DirioCatarinense em 22/03/2013):a) Economizar gua nas atividades cotidianas. Se metade da populao de uma cidade de 100.000 habitantes reduzir o tempo do banho de 15 para cinco minutos, em um ano, a gua economizada poderia abastecer a cidade por sete meses. Se 1,5 milhes de pessoas escovassem os dentes com a torneira fechada, a gua economizada em dois dias abasteceria Florianpolis por um dia. Evitar lavar a calada e o carro com a mangueira, pois 15 minutos gasta cerca de 280 litros de gua. Ao lavar a loua com a torneira da pia meio aberta por 15 minutos, o consumo chega 243 litros; a dica limpar os restos de alimentos com esponja e ensaboar toda a loua para depois somente enxagu-la; b)Cuidar dos vazamentos e defeitos no vaso sanitrio;um buraco de 2 mm em um cano de casa desperdia 3,2 mil litros de gua por dia. Nas residncias, 30 % da gua consumida utilizada nas descargas dos vasos sanitrios; O vaso sanitrio com a vlvula acionada por seis segundos gasta cerca de 15 litros e a vlvula defeituosa pode gastar at 30 litros; c) No jogar lixo nos rios e lagos. Aproveitar o lixo orgnico para fazer o adubo natural e de tima qualidade, atravs de compostagem; d)Reutilizar a gua em diversas situaes. Esta gua pode ser reutilizada para irrigao, combate ao fogo, descarga de vasos sanitrios, lavagem de veculos e ruas, uso industrial na refrigerao e alimentao de caldeiras; e)Aproveitar a gua das chuvas, canalizando para reservatrios;f)Lavar lixo reciclvel desnecessrio, por isso recomenda-se guard-lo em recipientes fechados, evitando o surgimento de moscas e a emisso de odores eg)Respeitar as regies de mananciais e divulgar ideias ecolgicas para amigos, parentes e outras pessoas.
gua vida! Vamos usar com inteligncia para que ela nunca falte!

Do leite produo de alimentos coloniais

Num belo stio, repleto de rvores e animais, a rotina do jovem casal Joelma Soratto, de 36 anos, e Richard Bez Batti, de 38 anos, no inicia diariamente s 5 horas da manh com o canto do galo, como a maioria das tradicionais famlias que residem no interior. Na propriedade, localizada na comunidade de Linha Rio Maior, so as vacas leiteiras que regem o cotidiano e garantem a base da alimentao da famlia.
Diversos tipos de queijo, puna, manteiga, nata, doce de leite e iogurte so produtos frescos que completam a mesa do caf da manh logo cedo, s 6 horas. A primeira refeio mostra o resultado da dedicao e preocupao do casal de manter viva a tradio de produzir alimentos coloniais feitos a partir do leite. A extrao deste lquido por meio das vacas leiteiras a primeira atividade realizada nas manhs no stio. O trabalho feito pelo casal conta com o auxlio dos filhos Joo, de 6 anos, e Jos, de 4 anos, que expressam imensa felicidade ao estar em contato com os animais e a natureza.
Tudo que a mame faz muito gostoso. Tomo leite quente no caf, conta Jos.
Esta vida no campo foi a escolha feita por Joelma e Richard desde 2011, quando retornaram ao Brasil aps mais de dez anos trabalhando na Europa. Consumir alimentos saudveis sempre foi um dos objetivos do casal. Sempre quando conversvamos sobre a nossa volta falvamos de como gostaramos de viver. Da forma mais saudvel possvel, comenta Joelma.
Atualmente, oito vacas Jersey, holandesas e mestia produzem, em mdia, 60 litros por dia e garantem a matria-prima para elaborao dos alimentos coloniais da famlia. O gado de leite tratado de forma homeoptica, alimentando-se de grana sem veneno e de rao, resultando na produo de leite semi-orgnico de qualidade. Parte do lquido comercializada para uma empresa de laticnios de Nova Veneza.

HERANA PARA GERAES

A produo de alimentos derivados do leite uma tradio que passa por geraes tanto pela parte da famlia de Joelma quanto pela de Richard. Uma das recordaes da infncia da jovem possui sabor e textura. A famosa puna era um dos produtos elaborados pela sua av. Minha nonna fervia a puna cremosa. Lembro destes momentos em Ribeiro DAreia. Sempre gostei de cozinhar e comecei nesta parte, na poca de solteira, com a elaborao de iogurte, conta Joelma.
O saudoso pai de Richard, Joo Polidoro Bez Batti, mais conhecido como Joo Bafo, era um tradicional produtor de gado de leite. As lembranas de Richard tambm remetem aos alimentos coloniais. Lembro das experincias e da vivncia com meu pai na dcada de 80. Na poca era uma necessidade fazer a produo prpria. Por isso todos estes produtos fazem parte da cultura, das origens, de onde ns viemos. A agricultura familiar aumentaria muito se tudo no fosse to rgido e com alto custo no Brasil. Com bons incentivos esta tradio poderia voltar com os jovens, salienta.

OPES DE ALIMENTOS E SABORES

Joelma hoje consegue elaborar diversos produtos derivados do leite sem corantes e nem conservantes. A puna preparada por ela inspirada na receita da av, oriunda do soro do queijo, e possui textura diferenciada. Para o doce de leite, Joelma adaptou o preparo feito pela sogra. Ela dedica cerca de 5 horas para que o doce de leite se apresente na cor caramelo escuro.
A manteiga elaborada na propriedade impressiona pela cor, um amarelo mais forte que os comercializados em mercados. O iogurte natural feito sem acar e ganha a verso de morango especialmente para os filhos. Os queijos produzidos por Joelma recebem tratamento especial. Ela elabora desde o tipo tradicional, que lembra os saborosos queijos serranos, a opes com azeitona e pimenta malagueta, experimentos inspirados na vivncia no exterior.
Hoje, os produtos de Joelma so apreciados por familiares e amigos. Comeamos fazendo produtos para ns e fomos gostando disso. Sabemos o que estamos comendo e de que forma estamos alimentando nossos filhos. Tudo o que fazemos no stio com felicidade e prazer para manter a tradio e a sade, finaliza Joelma.

Intercambistas do Rotary Club visitam Urussanga

Urussanga recebeu, no dia 17, intercambistas de oito nacionalidades diferentes que fazem parte do programa de Youth Exchange Program, promovido internacionalmente pelo Rotary Club.
Os 22 jovens que esto em Santa Catarina, espalhados em diversas cidades do Estado, realizaram uma viagem durante os dias 15 e 19 de maro, para conhecer mais a cultura Catarinense e do Brasil.
Em Urussanga, os jovens conheceram a rea central da cidade e noite foram recebidos no Parque Municipal Ado Cassetari, no espao do Rotary Club, para uma reunio festiva. Fornecemos um jantar aos jovens e eles ficaram encantados com a fartura e gostaram muito da nossa recepo. Os intercambistas comentaram para ns que o Brasil muito mais do que eles esperavam, principalmente porque tinham uma viso diferente l fora, afirma o Presidente do Rotary Club de Urussanga, Fernando Preve.
Os jovens tambm visitaram a Escola Estadual Caetano Bez Batti e tiveram contato com os estudantes do 2 ano, que puderam conhecer o programa e serem incentivados pelos prprios intercambistas.
Para a aluna Ester Rosa, do 3 ano do Ensino Mdio, foi um encontro muito positivo. Adorei conhecer pessoas de outras culturas, que possuem ideias diferentes e que tambm so jovens com as mesmas vontades que as nossas, comenta.
J Ana Carolina Ribas da Silva, do 2 ano, achou a vinda dos intercambistas importante porque ela pode conhecer como funcionam as escolas de outros pases. Foi uma oportunidade muito legal, porque conhecemos como a vida deles em seus pases. Tambm contaram o que gostaram aqui no Brasil. Todos adoraram esse contato, declara.
O urussanguense Joo Pedro Lopes est participando do programa. Joo est na Nova Zelndia hospedado por Rotarianos. Conforme o presidente do Rotary de Urussanga, a previso para que em julho chegue um intercambista para residir durante um ano em Urussanga, em troca da ida de Joo a outro pas.

Crise econmica afeta indstria e comrcio em Urussanga

A instabilidade econmica que assola o Brasil j no uma realidade to distante para os moradores de Urussanga. A crise no pas comea a afetar setores da indstria e comrcio e tambm a vida de centenas de urussanguenses. Angelica Paulina Marghotti, de 22 anos, teve que mudar seus planos nas ltimas semanas. H um ms e meio, a jovem recebeu seu desligamento de uma empresa da cidade. Devido este fato e por no encontrar empego, Angelica fez a transferncia do curso de Contabilidade para outra universidade com o intuito de reduzir custos e economizar. Procurei emprego no Sine, mas est muito difcil. Vou continuar procurando e batalhando por um trabalho. Por enquanto me sinto em segurana com o valor que recebo do seguro desemprego, frisa.
Angelica integra o nmero de cidados que foram atingidos pelo reflexo da crise econmica em Urussanga. Em contato com os departamentos de recursos humanos das maiores empresas da cidade, os profissionais dos setores confirmaram a reduo no quadro de funcionrios nos ltimos meses devido a queda na produo.
Segundo dados do Sistema Pblico de Emprego e Renda, do Ministrio do Trabalho e Previdncia Social, o municpio de Urussanga possua mais de 7,1 mil empregos formais em 31 de dezembro de 2014. No ano passado, entre trabalhadores admitidos e desligados de suas funes, a cidade registrou queda de 400 empregos com carteira assinada nos setores da extrao mineral, indstria de transformao, construo, comrcio, administrao pblica e agropecuria, sendo a indstria o segmento que mais encerrou vagas com um total de 384. Apenas o setor de servios teve saldo positivo de gerao de emprego.
O Brasil registrou a perda de 1,5 postos de trabalho formal em 2015. Os setores da indstria de transformao e a construo civil foram os mais afetados. De acordo com o ministrio do Trabalho e Previdncia Social, os dados mostram que todas as grandes regies do pas reduziram o nvel de emprego formal e o resultado o pior desde 1992. Santa Catarina teve o oitavo pior resultado do pas ao perder 58,6 mil postos de trabalho de janeiro a dezembro de 2015.
Os meses de janeiro e fevereiro desde ano mostram que Urussanga segue com saldo negativo de 38 vagas fechadas. A indstria continua como o segmento que mais reduziu empregos com carteira assinada. Apenas no ms de fevereiro, o Brasil perdeu 100 mil vagas, segundo dados divulgados na tera-feira, dia 22 de maro, pelo Ministrio do Trabalho e Previdncia Social. O Comrcio teve uma perda de 55.520 postos, sendo o principal setor responsvel pelo desempenho negativo do ms, seguido pela Indstria de Transformao (-26.187 postos ou -0,34%) e a Construo Civil (-17.152 ou -0,65%). O relatrio mostra que Santa Catarina teve saldo positivo de 4.793 postos ou +0,24%, em razo da Administrao Pblica (+2.628), Indstria Txtil (+2.234) e Ensino (+1.751).

OPORTUNIDADES DE EMPREGOS SO REDUZIDAS E DIRECIONADAS

Outro fator que est agravando a situao dos trabalhadores em Urussanga a reduo na oferta de vagas. Dados do Sine de Urussanga mostram que a procura por oportunidades de emprego aumentou e o nmero de vagas diminuiu. Em julho de 2014, o Sine possua 37 vagas cadastradas e realizou 70 encaminhamentos. Neste mesmo ms, no ano de 2015, foram cadastradas 46 vagas para 178 encaminhamentos.
As vagas comearam a reduzir significativamente a partir do ms de setembro de 2015, quando o Sine registrou 15 vagas e realizou 96 encaminhamentos. No ms de janeiro deste ano, o Sine de Urussanga cadastrou 22 vagas e fez 159 encaminhamentos.
Ocorreram mudanas na escolha de aptido para os trabalhadores. Hoje muitas empresas pedem funcionrio com um devido encaminhamento e experincia. Alguns exemplos so na rea de soldador, torneiro mecnico, eletrotcnico. Neste ms de maro, que ainda no terminou, tivemos por enquanto 19 vagas cadastradas. Destas, cerca de 10 foram pedidas para trabalhadores que j tenham experincia na funo solicitada. Para muitos, um dos obstculos a falta de experincia. Muitos procuram o Sine por querer um trabalho de imediato. preciso ter calma, pois se hoje no h um trabalho disponvel na rea que procuram, amanh ser outro dia e alguma oportunidade poder surgir, salienta o coordenador do Sine de Urussanga, Jos Carlos Fabro Junior.

PROCURA PELO SEGURO DESEMPREGO AUMENTA NOS LTIMOS MESES

A reduo na oferta de vagas resultou no aumento da procura pelo seguro desemprego. Dados da Agncia Regional do Ministrio do Trabalho em Urussanga, mostram que em julho de 2014 foram feitos 137 requerimentos de entrada do seguro desemprego. Em julho de 2015, a agncia registrou 261 requerimentos.
As solicitaes tambm aumentaram nos meses de setembro, com 192 requerimentos, novembro, com 230, e fevereiro deste ano com 159. A justificativa em geral a reduo do quadro de funcionrios alegando a crise e demisso para admitir funcionrios com salrio menor. Os trabalhadores afirmam que j tentaram buscar vaga e que possui pouca oferta, explica a chefe da Agncia Regional do Ministrio do Trabalho em Urussanga, Therezinha Carniato Cittadin.
O Sine de Urussanga registrou 181 seguros desempregos entre julho de 2014 e fevereiro de 2016.

MOVIMENTO NO COMRCIO DIMINUI E DESANIMA COMERCIANTES

A situao tambm no favorvel para o comrcio de Urussanga. A crise tem sido a palavra mais usada pelos comerciantes desde 2011. Em 2015 veio com mais intensidade e as previses para os prximos meses no so boas, afirma a secretria executiva da CDL de Urussanga, Marinete Martins.
Segundo Marinete, trs lojas fecharam nos ltimos meses e outras podero encerrar suas atividades caso o movimento continue baixo. Para a secretria executiva, o desemprego visvel. Basta passar no comrcio e verificar a quantidade de vendedores. Lojas que tinham 3 colaboradores hoje esto com apenas um. O que muito ouvimos dizer que eles precisam conter despesas, comenta..
O CDL de Urussanga confirma queda no movimento, mas ressalta que consultas no sistema aumentaram 5% comparado ao ltimo ano. Devido a crise os comerciantes esto sendo bem cautelosos na abertura de cadastros e realizando uma boa anlise do crdito, consultando SPC e solicitando os documentos necessrios como comprovante de renda, por exemplo. Os consumidores com certeza com a mesma preocupao de no se endividar esto comprando extremamente o necessrio. So muitas pessoas que vem at o balco da CDL com a preocupao de regularizar seus dbitos, pontua.
Para driblar a crise, o comrcio de Urussanga est realizando liquidaes, convites para coquetis e estendendo o horrio de atendimento em dias especiais. Em perodos de crise se sobressaem aqueles que souberem buscar as mais inovadoras alternativas, finaliza.

Outono em Urussanga ser de pouca chuva e temperaturas irregulares

O outono comeou na segunda-feira, dia 20, 1h30min, em todo o Hemisfrio Sul e ir at o dia 20 de junho. Em Urussanga, a estao ser marcada por temperaturas mais amenas e com poucos dias de chuva, conforme informaes do meteorologista Mrcio Sonego.
As caractersticas do outono em Urussanga e regio se do pela pouca chuva se comparado s demais estaes do ano, alm da maior ocorrncia de nevoeiros, tardes quentes e noites frias, vento mais fraco e a formao de ciclones extratropicais que causam maior quantidade de chuva por um ou dois dias. H previso para este ano acontecer o veranico de maio, j que o ms ter uma semana mais quente e com pouca chuva, explica Sonego.
Com relao ao clima, Sonego comenta que o outono ser irregular e ainda com dias quentes.
O outono ser com temperaturas altas e baixas no ms de abril e o frio ser mais frequente em maio e junho, diz.
A estao ir passar pelo final do fenmeno El Nio, que segundo o meteorologista, deve se encerrar no ms de maio. No haver uma influncia marcante do El Nio no outono na regio, como existe na primavera e comeo de vero, ressalta.

PREVISO INDICA MENOR FREQUNCIA DE DIAS CHUVOSOS

A estimativa para que o total de chuvas nos meses de abril a junho ser de 273 milmetros, o que corresponde metade dos 570 milmetros que choveram durante o vero. No outono tero mais dias sem chuva, isto favorece a agricultura do arroz, principalmente, observa Sonego.
Porm, no incio dos meses de abril e maio, a previso para que haja chuvas abundantes em poucos dias. A transio do vero para o inverno muito forte no outono, com menor ocorrncia de descargas atmosfricas, ou seja, raios, do que no vero e na primavera, finaliza o meteorologista.

PORQUE SOU ANTIPETISTA

Alguns tm me acusado de atacar apenas o PT e praticar discurso de dio. o mesmo papo de sempre. Dizem que meu alvo no so os corruptos, mas somente um partido. Reclamam que nunca falo dos polticos das outras siglas (o que no verdades) como se fossem fiscais da indignao alheia. Em meio a alguns dos maiores escndalos de corrupo do mundo contemporneo exigem de mim iseno. Maldosamente, querem colocar todos no mesmo balaio igualando pessoas e partidos bem diferentes entre si. O PT, caros leitores, inigualvel.
H caractersticas no PT que o tornam pior que todos os demais. Se os partidos assemelham-se no fisiologismo e no clientelismo, somente os petistas (com o apoio das linhas auxiliares PSOL e PCdoB) tm planos declarados de hegemonia, ou seja, de dominao total do cenrio poltico. Eles ainda trabalham com a noo bolorenta de luta de classes, dividindo a sociedade entre ns e eles. Os discursos (de dio!) petistas, repletos de insultos elite, aos coxinhas, aos fascistas e classe mdia deixam isto evidente.
Existe outro fator que faz do PT o mais irritante: a insistncia com que seus membros negam a realidade e a distorcem conforme suas convenincias. No comum ver polticos de outras agremiaes tendo cara de pau suficiente para defender correligionrios flagrados cometendo crimes. Pois os petistas adoram proteger criminosos, relativizar sua culpa e transform-los em heris do povo brasileiro. O leitor h de concordar que preciso boa dose de pacincia para ouvir um petista, todo cheio de razo, fazer-se de vtima e bradar chaves.
O PT considera a violncia uma ferramenta legtima na luta poltica. O MST est a para provar isto. O PT est associado a diversos partidos e grupos de esquerda da Amrica Latina, colocando as demandas destas alianas acima dos interesses do Pas. Foro de So Paulo, UNASUL, ditadura cubana e muito mais! O PT mais parece uma seita vermelha do que um partido poltico. Tem um projeto de poder similar ao do chavismo na Venezuela e ao de Evo Morales na Bolvia. Por tudo isso, e por um dia j ter cado na conversa do PT, hoje sou um antipetista.

Pintura da Igreja de Rio Caet comea a ser restaurada

A pintura da Igreja da comunidade de Rio Caet, em Urussanga, comeou a ser restaurada pelas mos da artista Eliete da Silva, mais conhecida como Katurra. O trabalho dedicado iniciou a uma semana e levar cerca de dois meses para ser concludo nesta primeira etapa que consiste no restauro do altar, salas laterais e mveis.
Alm da artista, mais trs pessoas esto envolvidas no trabalho: Elizete Aparecida Alves da Silva, Otlia Dolizete Vitorino Oliveira e Everson Alves da Silva, mais conhecido como Branco.
Conforme Katurra, a restaurao da pintura muito delicada, pois nenhum trao, cor, forma e medida devem ser alterados. Eu estou utilizando as mesmas tintas que o pintor original, Pedro Cequeti, utilizou em 1940. Nos quadros da Igreja de Rio Caet, h apenas dois pontos com marcas profundas, que se localizam no arco da parede em frente ao altar. Porm, quando cheguei perto, pude perceber que as imagens ainda esto l, explica.
A artista frisa ainda que nenhuma marca original deve ser retirada, por isto um trabalho cuidadoso. No altar, j consegui descobrir a cor original de alguns detalhes. Utilizarei a tcnica do baixo relevo suave, que fica pouco aparente e traz de volta a beleza da obra sem perder o valor histrico, afirma a artista.
Em sntese, as tcnicas utilizadas para o restauro sero as mesmas que Pedro Cequeti utilizou. A maior parte da obra foi realizada com tcnica de estncio. Tudo muito delicado e igual nos mnimos detalhes. Utilizo balana para pesar os pigmentos na proporo exata e o p de cal para pintura, observa Katurra.
A parte superior da Igreja foi pintada com tinta base de cal, j na parte inferior, tintas minerais. Terei que comprar em Florianpolis a tinta mineral, pois no encontrei na regio. Como esta linha de tintas possui uma variao de cores muito pequena, tambm terei que realizar misturas para chegar s totalidades corretas, declara a artista.
Para a restaurao necessrio primeiramente estudar a obra, em relao s tcnicas e materiais utilizados. Posteriormente, feito uma limpeza para se conhecer o verdadeiro estado da mesma e aps, a restaurao do local com a pintura. Como eu j restaurei uma igreja pintada por Pedro Cequeti, eu j conhecia as tcnicas e estilo deste artista. A Igreja do Rio Caet est muito bem conservada, com traos e cores aparentes, o que facilita o trabalho, comenta Katurra.
A Presidente do CAEP, Romilda Luiza Zanin Da Rolt, explica que para a restaurao da Igreja, ainda preciso cerca de 100 mil reais. Muitas pessoas colaboraram conosco e s temos a agradecer. Mas ainda precisamos arrecadar mais fundos para terminar a obra. Enquanto isso, a reforma vai ser feita at que tenhamos dinheiro, ressalta.

Nutricionista d dicas de como escolher uma gua mineral mais saudvel

Muitos mdicos e nutricionistas recomendam o consumo liberado de gua. Mas quando se trata de gua mineral, importante ter ateno e ler os rtulos antes de realizar a compra. A nutricionista Mayara Massucchetti explica que o primeiro passo observar a quantidade de sdio.
Quanto menos tiver sdio, sempre ser melhor. Outro fator importante, o ph (potencial hidrogeninico) que deve ser superior a 7,0, o que representa uma gua alcalina, afirma a Nutricionista.
Outro alerta que a nutricionista faz referente embalagem, de preferncia deve-se escolher as garrafas de vidro. As embalagens de plstico quando transportadas por longas distncias, acabam pegando sol e aquecendo o plstico. Com este aquecimento, so liberadas substncias nocivas a sade. Quando compramos gua de locais mais prximos, este risco diminudo, explica.
A gua mineral gaseificada benfica para a sade, porm, conforme a nutricionista, ela deve ser naturalmente gaseificada e no artificialmente. Vale lembrar que as guas minerais possuem quantidade de sdio abaixo do indicado pela Anvisa, mas, pessoas hipertensas, por exemplo, devem ser atentas a quantidade de sdio na gua, alm da alimentao balanceada, observa Mayara.
Outros nutrientes que compe a gua mineral e que devem ser observados em quantidades menores so: cloreto, vandio, sulfato, brio, nitrato e o ltio. Estas substncias fazem mal a nossa sade, quando encontradas em grandes quantidades na gua mineral, comenta Mayara.
J as substncias que devem estar em maior nmero nas guas minerais, so: magnsio, clcio, potssio, bicarbonato, pois equilibram o cido bsico do organismo.

22 de Maro: Dia Mundial da gua

PARTE I
Desde os primrdios da humanidade, o homem sempre se estabeleceu em locais prximos aos rios e mares, para garantir seu sustento atravs da pesca e da agricultura, o que j demonstrava o quanto era dependente da gua. Porm, com a evoluo da humanidade, a gua passou a ser tratada com desrespeito, sendo poluda e desperdiada. Mas porque esta preocupao, sedois teros do planeta Terra formado por este precioso lquido? Porque apenas 0,008 %, do total da gua do nosso planeta potvel(prpria para o consumo). Alm disso, grande parte das fontes desta gua (rios, lagos e represas) est sendo contaminada, poluda e degradada pela ao predatria do homem.O Dia Mundial da gua foi criado pela ONU (Organizao das Naes Unidas) no dia 22 de maro de 1992, para refletirmos sobre o consumo deste bem precioso e cada vez mais escasso. A populao tem um papel importante na economia de gua, evitando desperdcio com pequenas mudanas no dia a dia; No Brasil gasta-se cerca de cinco vezes mais gua do que o necessrio. O consumo cerca de 200 litros por dia/pessoa, sendo que a Organizao Mundial de Sade (OMS) recomenda gastos de 40 litros/dia/pessoa.Usos da gua:Ela no est somente no chuveiro e na torneira. Ela faz parte de tudo que comemos e vestimos.No Brasil, a gua a principal fonte de gerao de energia eltrica. Para isso, os rios so represados e a fora da queda dgua movimenta as turbinas, gerando eletricidade. No esporte, lazer e turismo, a gua proporciona, desde a prtica de esportes nuticos (iatismo e remo), at exerccios relaxantes como a natao e banhos de rios e de cachoeira. Nas indstrias, a gua utilizada em nas limpezas e resfriamento de mquinas e, como matria-prima, no caso dos alimentos, papel e gua mineral. Tambm na agricultura ela vital, pois o principal componente dos vegetais, estando ligada germinao, respirao, crescimento, desenvolvimento do caule, folhas e frutos, controle da temperatura das plantas, alm de outras. No Brasil, a ocorrncia de chuvas irregular, na mdia dos meses e anos e, por isso frequente a ocorrncia de deficit ou excesso hdrico por curtos perodos que prejudicam a produtividade e a qualidade dos cultivos. Atualmente, a maior parte da gua doce do planeta (70%) utilizada para irrigar plantaes em locais onde a chuva irregular e insuficiente. A gua vital tambm na sade das pessoas, poiscompe o corpo humano alcanando at 70% num adulto e 50% nos idosos, o indicando uma perda natural (20%) por causa do envelhecimento; por isso, muito importante oferecer lquidos aos mesmos a cada 2 horas, pois mesmos desidratados, no sentem sede.Consequncias do desrespeito com a gua: 50% da taxa de doenas e morte nos pases em desenvolvimento (mais pobres) ocorrem por falta de gua ou pela sua contaminao; 80 pases enfrentam problemas de abastecimento, sendo queum bilho de pessoas no tem acesso gua de qualidade; Hoje, cerca de 80% das cidades, no possui rede de esgoto tratada e a grande maioria dos rios esto poludos.

Consumo de gua de famlias de Armazm vem da nascente e de forma consciente

Aps um dia cansativo na lavoura, a agricultora Natalcia Bonetti, de 49 anos, moradora da comunidade de Armazm, chegava em casa para realizar os fazeres domsticos e encontrava as torneiras sem gua. Era uma triste realidade vivida por todos os moradores at o projeto Microbacias 2, realizado pela Epagri e Samae, entrar em funcionamento. Hoje a comunidade utiliza a gua que vem da nascente para o consumo e de forma consciente.
Antes do projeto Microbacias 2, as famlias beneficiadas eram abastecidas com a mesma gua da nascente, porm sem proteo de influentes e um reservatrio coletivo. Vrias mangueiras saiam do mesmo crrego e no se tinha nenhum controle. Com esta iniciativa, foi eliminado a poluio e contaminao que chegava at estas nascentes e a gua ficando prpria para consumo, explica a extensionista da Epagri de Urussanga, Maria Cristina Cancellier Da Costa.
A gua que vem da nascente protegida com o modelo caxambu e posteriormente canalizada at uma caixa dgua de 10 mil litros. Depois levada at as casas atravs de canos e mangueiras.
Com a realizao do projeto, Natalcia e mais 13 famlias passaram a ter mais qualidade de vida com o fim da falta de gua. Esta gua da nascente limpa e usamos para cozinhar, lavar, tomar banho e tudo que precisamos, afirma Natalcia.
Apesar da gua no ter mais faltado nas residncias, importante que as famlias tenham controle do uso para evitar o desperdcio. Esta gua no pode ser usada para lavar carro, calada e outros servios. Essa a nossa regra para que no falte para ningum, conta Natalcia.
A agricultora Fernanda Bonetti Ramos, de 27 anos, relata que para ter controle do nvel da gua realizado um revezamento para acompanhar a situao do caxambu. Uma ou duas vezes por ms algum vai olhar se est tudo certo com o caxambu, para no faltar gua, frisa.
Em pocas de pouca chuva, as famlias possuem ainda mais controle sobre o uso da gua. As famlias que usam desse sistema sabem que quando est chovendo pouco precisam economizar a gua para que no falte para ningum. Somos todos parceiros. bem difcil faltar gua. No tivemos mais problemas, salienta Fernanda.
O projeto foi executado em 2006.

Menos gua para transformar a natureza em produto

Na linha de produo, de forma despercebida, ela aparece como figurante na maioria dos processos, mas torna-se protagonista e pea fundamental para o perfeito acabamento das peas de porcelanato. Seja para lavar um equipamento ou polir novas criaes, a gua um elemento essencial para a elaborao dos produtos de excelncia da empresa Ceusa.
Na dcada de 90, a evoluo da cermica motivou uma maior utilizao de gua em diversos processos produtivos da empresa. A modernizao trouxe a introduo da linha de retfica com o intuito de corrigir o tamanho das peas nos mnimos detalhes. A quantidade significativa aplicada na produo fez com que a Ceusa se preocupasse com o uso do recurso mineral.
Logo a empresa decidiu apostar na implantao de um sistema de tratamento sustentvel. Naquela poca, cerca de 90% da gua passou a ser reaproveitada por meio de reciclo em diferentes estaes de trabalho. Atualmente, no processo de retfica, a Ceusa utiliza 150 mil litros de gua por hora, mas aposta na responsabilidade ambiental.
Com a implantao de um novo parque fabril, denominado Massima e localizada no bairro So Pedro, a Ceusa planejou instalar mais um modelo de reaproveitamento. Desde 2006, a fbrica capta gua da chuva, que se transforma num aude e retorna para as instalaes da empresa com o intuito de ser usufruda nas linhas de produo. Nosso objetivo utilizar o mximo do recurso gua em nossas unidades, explica o coordenador tcnico da Ceusa, Andr Bez Batti.
NECESSIDADE E
SUSTENTABILIDADE
Apesar das aes voltadas para o uso sustentvel realizadas desde a dcada de 90, a Ceusa ainda no conseguia reaproveitar 100% da gua utilizada nas linhas de produo. Ao observar uma ineficincia no processo de secagem do revestimento cermico, a empresa decidiu elaborar mais um projeto na rea ambiental. Aps um trabalho intenso de pesquisas e anlises, a Ceusa chegou a uma soluo final em 2015.
Um impermeabilizante aplicado aps a etapa de queima conseguiu impedir as peas de absorverem a gua no processo seguinte de retfica, eliminando assim mais uma perda. O revestimento cermico absorvia a gua, onde deveria ser evaporada pelo processo de secagem. Desta forma gastvamos com gs no secador e tambm perdamos o recurso mineral. O projeto, que custou apenas 6 mil reais, resolveu este problema e agora a gua volta para o reciclo, conta Bez Batti.
Com esta nova medida, a empresa deixou de evaporar em torno de 154 mil litros de gua por ms, poupando a reposio no sistema e gerando uma economia mensal de R$ 539,00. Agora a Ceusa reaproveita 98% da gua utilizada na linha de produo em etapas como esmalte, polimento, retfica e lavao de equipamentos.
No polimento o desgaste feito com pedra e gua para que a superfcie fique lisa e proporcione o brilho desejado. Se no tiver gua, o produto sair riscado. J na retfica, o desgaste ocorre para manter o padro de tamanho nico e qualidade. Precisamos usar a gua, mas tambm saber lidar com tanta extrao. Por isso esta uma questo de sustentabilidade e necessidade, salienta.
O projeto tambm implicou na reduo de 16 mil m por ms do consumo de gs natural devido ao uso do secador, resultando numa economia mensal de R$ 18,4 mil e a eliminao de gastos com a manuteno em torno de R$ 16,7 mil.
Os gastos mensais com o impermeabilizante somam R$ 5,5 mil. Desta forma, a empresa poupa mensalmente mais de R$ 30 mil e o novo projeto gera uma economia anual de R$ 361 mil.
Na Massima, a gua utilizada dentro do parque fabril canalizada e bombeada para tanques na rea externa da empresa. As estaes de efluentes so divididas e recebem uma dosagem para eliminao dos sedimentos e tratamento. Em seguida, a gua tratada retorna para o processo fabril. O nosso ganho vai alm do industrial. Transformamos a natureza em produto. Por isso de extrema importncia este projeto sustentvel de economia de gua e gs natural. O quanto pudermos economizar e reduzir ser fundamental para o futuro do meio ambiente, comenta Bez Batti.

PROJETO RECONHECIDO COM PRMIO DA FATMA

O projeto implantado na Ceusa em 2015 resultou num reconhecimento na 17 edio Prmio Fritz Mller, promovido pela Fundao do Meio Ambiente de Santa Catarina (Fatma) no final do ano passado. A empresa foi a vencedora na categoria Conservao de Insumos de Produo gua devido ao uso racional dos recursos minerais na indstria cermica.
O histrico de participao da Ceusa nas edies do prmio da Fatma destaque no que se refere a conquista de trofus. A empresa aparece em terceiro lugar na lista dos maiores vencedores, com sete trofus, entre indstrias de grande porte como a Brasil Foods BRF. Segundo o coordenador tcnico da Ceusa, Andr Bez Batti, a iniciativa de se inscrever no prmio visa mostrar e reconhecer as boas prticas da empresa.

Solenidade celebra a formatura e promoo de Bombeiros Comunitrios

A ltima sexta-feira (11) foi especial para os 24 novos bombeiros comunitrios que se formaram pelo 4 Batalho de Bombeiros Militares. O evento que aconteceu no Corpo de Bombeiros de Urussanga e teve a presena do Comandante Interino da 1 Regio e Tenente Coronel Csar de Assuno Nunes, o Comandante do 4 Batalho e Tenente Coronel BM James Marcelo Ventura, o Prefeito Municipal de Urussanga, Johnny Felippe, o Prefeito Municipal de Cocal do Sul, Ademir Magagnin, a Vice-Prefeita de Cocal do Sul, Cirlene Gonalves Scarpato, a Presidente da Cmara de Vereadores de Cocal do Sul, ngela Mendes Anjo e a Vereadora Roseni Cittadin, alm de autoridades civis, militares, familiares e amigos dos formandos e promovidos.
Os formandos de Cocal do Sul, Orleans e Lauro Muller, passaram mais de seis meses realizando um curso avanado de atendimento a emergncias atravs do Soldado Bombeiro Militar, Guilherme Luiz Vieira.
A primeira colocada do curso foi a Urussanguense Tatiane Beatriz Talamini. Ela atingiu a mdia final com 9,66 e recebeu um presente do Prefeito Municipal de Urussanga e dos comandantes da 1 Regio e 4 Batalho.
Os formandos receberam os certificados de seus padrinhos e madrinhas. A solenidade tambm contou com a promoo de nove Bombeiros Comunitrios em reconhecimento aos servios prestados.
O paraninfo da turma, Delton Baggio, o Comandante do 2 Peloto, Sargento BM Arnoldo Batista de Souza e os instrutores do curso avanado, tambm foram homenageados pelo apoio e dedicao prestados a turma. Aps o encerramento, os formandos e promovidos receberam o banho de batismo dos demais bombeiros militares.

Pscoa em Urussanga: programao de sbado voltada a crianas

Esse sbado ser especial para as crianas em Urussanga. A programao de Pscoa na Praa Anita Garibaldi ter atividades saudveis pensadas especialmente para os pequenos.
A programao de sbado comea s 9h com os brinquedos e as brincadeiras do SESC na Praa. Logo depois, s 10h, o LEO Clube de Urussanga promove animao, pintura facial e ainda mais brincadeiras. Ao mesmo tempo, a Biblioteca Pblica Municipal far contao de histrias na Praa. O fim de semana tambm marcar o incio da programao religiosa. s 8h e 18h30min de domingo, haver Missa de Bno de Ramos na Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceio.
Toda a programao festiva da Pscoa foi pensada principalmente nas crianas. Por meio delas, promovemos a unio das famlias nesse perodo de reflexo, explica a diretora de Cultura e Turismo, Raquel Termehr.

Urussanga sem PT – PARTE II

Algo precisa ficar claro: Lula e PT so exatamente a mesma coisa. O PT no existe sem Lula e vice-versa. Lula fundou o PT e o mantm at hoje com a sua cara, com seu esprito e com seus modos. Lula o dono do partido e nenhum correligionrio jamais deixou de trat-lo como um Deus. Ningum da sigla ousa falar mal dele. No h como ser petista sem ser lulista e, por consequncia, impossvel ser petista sem admirar ou defender um homem que comprovadamente no tem qualquer senso moral. Um legtimo psicopata.
Dito isso, vamos aos fatos. O pas est perplexo, beira do caos. A normalidade foi perdida e o atual governo no tem a menor condio de recuper-la. Estamos todos assustados. E por qu? Porque Lula, sinnimo de PT, tem um plano de poder que no respeita qualquer limite legal ou tico. Porque o PT, sinnimo de Lula, no tem a menor considerao pelas instituies republicanas, que em sua viso no passam de meras instituies burguesas. Sim, h corruptos em todos os partidos, mas s o PT de Lula assanha-se tanto com o totalitarismo.
O momento grave, e cada um de ns deveria fazer sua parte para extinguir todo e qualquer poder de Lula, ou seja, para extinguir todo e qualquer poder do PT. Convena o amigo petista no qual voc ainda tem esperanas de que esse papo de refundao do partido um delrio. A nica sada digna a extino do partido. Se voc peemedebista, exija que sua sigla rompa imediatamente a aliana com Lula, digo com o PT no municpio. Desculpem se parecer radicalismo, mas creio ser esta a nossa melhor forma de defesa.
Semana retrasa eu sugeri aos petistas de Urussanga o fechamento do diretrio de uma forma descontrada. Mas as coisas esto muito mais tensas e srias neste momento e, portanto, a sugesto agora deve ser repetida de modo mais alarmante: saiam do PT, saiam de perto de Lula, mostrem publicamente que repudiam a forma cnica e criminosa como o pas est sendo governado ou vai ser bem difcil olhar na cara dos eleitores e pedir-lhes o voto quando a campanha comear. Sem PT, as eleies deste ano seriam bem mais suave aos urussanguenses.

Bno de Ramos marca incio da Semana Santa

A Semana Santa nos leva a celebrar os mistrios da paixo, morte e ressurreio de Jesus Cristo. o mistrio central da nossa f crist, afirma o Proco Jiovani Manique Barreto. Fiis catlicos celebraro no prximo domingo, dia 20, a entrada de Jesus em Jerusalm. No Domingo de Ramos acontecem as missas com leitura do Evangelho e confisses nas comunidades.
J na quinta-feira Santa, dia 24, acontece celebrao da Instituio da Eucaristia e do Sacerdcio, alm de lembrar o gesto do Lava Ps. Aps a Missa, iniciamos a grande adorao e acompanhamos Jesus Cristo nas suas ltimas horas, comenta o Proco.
Na sexta-feira, dia 25, s 15 horas realizada a cerimnia que celebra a morte de Jesus Cristo. A noite haver procisso s 19 horas com sada do Hospital onde durante a caminhada at a Igreja Matriz haver cantos, oraes e reflexes, observa o Proco. Antes do domingo de Pscoa, iniciada a viglia pascal, onde fiis celebram a vitria de Jesus Cristo sobre a morte e a ressurreio para a vida. No domingo de Pscoa, acontece ressurreio de Jesus e a grande notcia de Deus para a humanidade. Celebramos com f e que assumamos com alegria o apelo de Jesus para sermos testemunhas da sua ressurreio. Desejo a todos, uma Feliz Pscoa, finaliza o Proco.

Agenda da Semana Santa

Domingo de Ramos, dia 20 – Coleta da solidariedade da Campanha da Fraternidade
8h e 18h30min – Missa igreja Matriz de Urussanga
8h30min – Santaninha – Confisses e Missa
8h30min – guas Mornas – Confisses e Missa
8h30min – Palmeira Baixa, missa
10h – Rio Amrica – Confisses e Missa
10h – Ribeiro dAreia – Confisses e Missa
10h – Linha Rio Maior, Missa
10h30min – So Donato – Festa de So Jos, Missa
18h – Bela Vista – Missa de So Jos
18h30min – Santo Antnio do Fogo, Missa

Quinta-feira Santa, dia 24
19h30min – Missa da Instituio da Eucaristia e Lava Ps, no Centro Comunitrio
19h30min – Missa da Instituio da Eucaristia e Lava Ps, em Rio Salto

Sexta-feira Santa, dia 25 – Dia da coleta para os lugares Santos de Israel
15h – Igreja Matriz de Urussanga – Celebrao da Paixo de Cristo
19h – Procisso com o N.S. Morto e N. S. das Dores saindo do Hospital Nossa Senhora da Conceio de Urussanga
Sbado Santo, dia 26 – Viglia Pascal
19h30min – Centro Comunitrio da Igreja Matriz, Santana, Rio Amrica e Bairro De Villa

Domingo de Pscoa, dia 27, com missa
8h30min – Belvedere
8h30min – Linha Pacheco
8h30min – Rancho dos Bugres
10h – Rio Carvo Alto
10h – Bairro da Estao
10h – Palmeira do Meio
18h30min – Santa Luzia

Capela de Belvedere Baixo comemora Bodas de Prata

Os 25 anos da Capela Santa Brbara da comunidade de Belvedere Baixo foi comemorado no ltimo sbado, dia 12. A missa em ao de graas foi celebrada pelo Bispo Dom Jacinto Flach e o Proco Jiovani Manique Barreto e reuniu cerca de 200 pessoas, entre elas a participao da comunidade, autoridades e visitantes.
Realizamos uma homenagem a todos aqueles que ajudaram a construir a Igreja. O Ex-Prefeito Vanderlei Rosso, por exemplo, foi uma destas pessoas que teve iniciativa para nos ajudar a construir a Capela, afirma o Ministro da Eucaristia, Vnio Carniato. Aps a celebrao, houve o corte do bolo comemorativo e um jantar festivo no Salo de Festas da Capela de Belvedere Baixo. Agradecemos a presena de todos, que mesmo com chuva, foram celebrar junto com a comunidade e fazer parte desse momento especial, finaliza Carniato.

Servidora Pblica lana livro sobre bullyng

Aps um ano de pesquisa, o livro Direitos Humanos, Fraternidade e Bullying: Momentos de Reflexo e Caminhos Dialgicos ser lanado no prximo dia 15 pela autora, Larissa Xavier Teixeira, servidora pblica da Cmara Municipal de Urussanga. A temtica da obra trata sobre um tema bastante atual e problemtico, o bullyng e foi desenvolvida pela jovem durante o curso de Direito, concludo no ano passado pela Unesc, por meio do seu trabalho cientfico.
Com o auxlio da Professora Msc. Sheila Martignago Saleh, a pesquisa foi realizada atravs do Programa de Iniciao Cientfica (PIBIC), da UNESC. Ela aconteceu de agosto de 2012 a agosto de 2013. Para o estudo foram aplicados 315 questionrios em 19 escolas de Cricima com alunos que estudavam no 9 ano. Apenas uma escola no pode participar da pesquisa, comenta Larissa.
Neste questionrio que foi aplicado de forma annima, os alunos responderam a 27 questes objetivas e duas questes dissertativas com perguntas relacionadas ao bullyng. Os dados colhidos surpreendem a autora.
Os dados chamam a ateno. Eles revelam, por exemplo, que 4% dos pesquisados possuem medo de ir escola, por serem vtimas de bullyng. Embora seja uma minoria, preciso ter um olhar atento sobre este problema. A pesquisa mostrou que os agressores so alunos mais velhos que estudam com os mais novos. Estes acabam se impondo e praticando alguma ao agressora ou ato de violncia fsica ou psicolgica intencional, diz Larissa.
Larissa explica que o bullying escolar influencia negativamente no desenvolvimento psicolgico das vtimas.
A obra objetiva propor a fraternidade como forma de efetivao dos direitos humanos dos estudantes, por meio de combate e preveno ao fenmeno do bullying verificado nas escolas estaduais do Municpio de Cricima. Isto favorece na compreenso do assunto com relao realidade dos demais municpios, afirmou a escritora.
O livro ser disponibilizado, de forma gratuita, em dois formatos: livro fsico e E-book, este a ser publicado no site do Curso de Direito da UNESC (www.unesc.net/portal/capa/index/48).
LANAMENTO
A obra Direitos Humanos, Fraternidade e Bullying: Momentos de Reflexo e Caminhos Dialgicos ser lanada na prxima tera-feira (15) no Auditrio Ruy Hulse, da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC), em Cricima, s 19 horas.

Urussanga comemora Dia da Mulher com Missa e caf da manh

As mulheres urussanguenses foram homenageadas na ltima tera-feira (08). Dia este que comemorado o Dia Internacional da Mulher. Em Urussanga, foi realizada uma missa seguida de um caf da manh na Praa Anita Garibaldi e tambm uma sesso especial na Cmara de Vereadores com homenagens.
A Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceio estava lotada para a missa em homenagem s mulheres. Logo depois, elas se dirigiram Praa, onde foi servido bolo. Foi uma manh muito especial. As mulheres de Urussanga merecem, pois so todas verdadeiras batalhadoras. Muitas mulheres ajudam com voluntariado e colaboram com as comunidades carentes, comentou a primeira-dama e Presidente da Associao Urussanguense de Assistncia Social (Auras), Gergia Felippe.
O Prefeito Johnny Felippe parabenizou a todas as mulheres e comentou que h representantes femininas no poder que do orgulho a cidade. As mulheres tiveram papel ativo na histria de Urussanga e continuam tendo. Muitas delas fazem um trabalho voluntrio, na Auras, no hospital. A Cmara de Vereadores tem uma presidente mulher pelo segundo ano consecutivo. Outras importantes entidades tambm esto sob a liderana delas, citou o Prefeito.

Mulher Cidad Urussanguense

O Dia Internacional da Mulher foi lembrado e comemorado pela Cmara de Vereadores de Urussanga, na noite do dia 08 de maro, com a realizao da sesso especial para prestar homenagem s mulheres com o Diploma Mulher Cidad Urussanguense. Daizi Bernardes Martins, Maria de Lourdes Campos Vendramini, Maria Isabel Bettiol Feltrin, Rosa Miotello, Rosemeri Mafra da Silva e Stela Maris de Agostin Talamini foram os destaques da noite. O Diploma outorgado anualmente e reconhece a atuao feminina pelas suas obras sociais e contribuies na defesa dos direitos da populao.
A vereadora Izolete Duarte Vieira Gastaldon (PP) discursou em nome do legislativo e ressaltou o comprometimento das homenageadas com as causas sociais, entidades e o envolvimento com a melhoria da qualidade de vida da sociedade urussanguense. Disse ainda, que gostaria de externar respeito, carinho e admirao e agradeceu por todo o exemplo que diariamente as homenageadas proporcionam. A mulher cria, vai luta, guerreira e busca. Ela espera, tem pacincia, ternura e brandura. Sabe suportar a dor com maestria, e ao mesmo tempo, consegue ser porto seguro s pessoas ao seu redor. Toda mulher voc, sou eu, somos ns, concluiu a vereadora.
Maria de Lourdes Campos Vendramini falou em nome das homenageadas e destacou a importncia da luta pela igualdade entre homens e mulheres como forma de construo de um mundo melhor e mais justo.
A vida para ns o que devemos preservar. Fomos criados para sermos iguais, lutar pelo bem comum, vencer os desafios e construirmos um mundo de paz. Devemos ainda sempre acreditar em ns mesmas, lutar e preservar os nossos valores, afirmou.
A presidente do Legislativo Vanir Zuleima Mazzucco Cacciatori (PMDB) afirmou que as homenageadas so merecedoras do respeito de todos, pois se dedicam ao prximo, levantando diariamente as bandeiras da igualdade e da solidariedade. O Prefeito municipal Johnny Felippe ressaltou a importncia de cada uma na histria de Urussanga e disse que o Diploma de Mulher Cidad um reconhecimento importante concedido pela Cmara de Vereadores.

Clube dos 13 realiza cerimnia de troca de Diretoria

A cada dois anos, o Clube dos 13 de Urussanga renova sua diretoria composta por seis integrantes. Neste anos a cerimnia foi realizada na quarta-feira, dia 09, na sede Social do Clube, no bairro De Villa. Para liderar o clube, Vilmar Luiz Sangaletti foi o eleito para ser o Presidente pelo prximo mandato.
A Diretoria formada pelos integrantes: Vice-Presidente, Andr Rosso; Secretrio, Everton De Villa Torres; Tesoureiro, Antonio Francisco Zanin; Diretor de Patrimnio, Jos Valrio Durante e Diretor Social, Edevaldo Nascimento.
Aps a cerimnia, aconteceu um jantar de confraternizao com os integrantes do Clube, familiares e convidados. Com certeza faremos um ano de sucesso. Nossa colaborao com a comunidade acontece conforme os pedidos que so feitos e os quais podemos atender. A Festa do Vinho ser um dos nossos focos este ano, para termos fundos e posteriormente reverter em aes beneficentes, comenta Sangaletti.
Composto sempre por 13 casais, o Clube dos 13, foi fundado no dia 13 de maro de 1959 e este ano completa 57 anos de trabalho voluntrio. O Clube sempre est junto a comunidade, realizando aes todos aqueles que necessitam.