Seis shows nacionais confirmados para a 16 Festa do Vinho

Os gneros musicais sertanejo, arrocha, ax, pop e religioso iro marcar a 16 edio da Festa do Vinho, que ocorre de 10 a 14 de agosto deste ano. O anncio oficial das atraes nacionais do evento foi feito pela Comisso Central Organizadora, Governo Municipal, Bem Produes juntamente com o Nonno Giggio na tarde de quinta-feira, dia 25, no restaurante San Gennaro.
Com o intuito de elevar a festa novamente em nvel estadual e nacional, o presidente da CCO, Ricardo Nowau

ski e o vice-presidente, Rangel Quaglioto, confirmaram a aposta em grandes shows nacionais e na valorizao do vinho. O evento ter incio no dia 10 de agosto com o show da dupla sertaneja Marcos e Belutti.
O segundo dia da festa ir surpreender os visitantes com duas apresentaes musicais: o cantor Lucas Lucco e a dupla Thaeme e Thiago. A sexta-feira, dia 12, promete atrair grande pblico. A cantora Ivete Sangalo ser a estrela da noite. No sbado, a banda pop Skank retorna aos palcos da festa para cantar seus sucessos. A programao encerra na noite de domingo com o show do padre Alessandro Campos.
Nossa grande misso ser bater o recorde de pblico da edio da festa de 2004, com 30 mil pessoas, e estamos apostando nisso, frisou o presidente da CCO.
Segundo o prefeito de Urussanga, Johnny Felippe, a tradio de manter os portes abertos no domingo ser mantida at as 15 horas. A expectativa da CCO receber quase 100 mil pessoas nos cinco dias da 16 Festa do Vinho.
Para o vice-presidente da CCO, Rangel Quaglioto, o desafio de organizar esta edio do evento marcar um ciclo. Ricardo e eu estivemos a frente da Ritorno Alle Origini em 2015 valorizando a cultura e gastronomia local e agora encaramos outro modelo de festa focado em shows nacionais e tambm em evidenciar um grande produto cultural que so nossos vinhos. Aceitamos este desafio por termos liberdade para trabalhar no evento desde a questo de atraes, parte financeira, bem como a implantao de novas ideias, salienta.

VENDA DE PASSAPORTES SER LIMITADA

A Prefeitura de Urussanga j firmou contrato com a empresa Bem Produes para a contratao e realizao dos shows nacionais. Segundo o vice-presidente da CCO, Rangel Quaglioto, a sonorizao do parque, iluminao do palco e as apresentaes musicais regionais tambm sero custeadas pela empresa. As estruturas de shows hoje tornaram-se espetculos. Quem for ao nosso parque ver este ano um palco modificado com passarela e opes de conforto para o pblico como rea vip e camarote, frisa.
A Bem Produes ser responsvel pela venda de ingressos. De acordo com Quaglioto, um percentual do lucro ser repassado a CCO. Neste ano, a comercializao dos passaportes, que do acesso aos cincos dias de festa, ser antecipada e limitada. O primeiro lote promocional comea a ser vendido no dia 1 de maro no valor de 100 reais. O segundo e terceiro lote tambm sero promocionais e sero comercializados no valor de 130 e 160 reais, respectivamente.
Estudantes apenas tero direito a meia-entrada no quarto e ltimo lote, que ser vendido a R$ 180. O estudante dever apresentar na entrada do parque, no dia do evento, carteira da UNE ou da instituio de ensino. Outras formas no sero aceitas, ressalta.
Os interessados podero adquirir os passaportes em pontos de venda nos municpios da regio e atravs do site Ingresso Nacional. Uma novidade este ano ser a opo de parcelamento no carto de crdito em at 6 vezes. A CCO informa que o nmero de passaportes ser limitado para garantir segurana e conforto dentro do Parque Municipal.
Segundo o proprietrio da Bem Produes, Patrick Bez Birolo, os ingressos individuais sero comercializados nas opes pista e vip e os valores variam de 20 a 110 reais.

NOVIDADES PARA OS
VISITANTES
O vice-presidente da CCO antecipou algumas novidades da 16 edio da Festa do Vinho. As ruas internas do Parque Municipal recebero placas de indicao com nomes de variedades de uvas. Um exemplo ser a Travesa Goethe. A iniciativa visa valorizar as uvas cultivadas na regio que do tonalidade e sabor aos vinhos. Uma nova via ser implantada na entrada do evento, prxima a Casa do Colono que ser finalizada antes da festa. Essa nova via vai enaltecer mais produtos coloniais e tambm o artesanato. Queremos contar com a participao de feirantes e produtores locais. Uma opo para os visitantes, conta.
Conforme Quaglioto, a inteno da CCO dar nfase aos vinhos e um dos objetivos ser apresentar e enaltecer os vinhos coloniais. Se Urussanga possui o ttulo de Capital Catarinense do Bom Vinho ela deve muito disso aos vinhos coloniais, frisa. Espaos diferenciados iro valorizar o tradicional Concurso de Vinho Artesanal e cursos breves de degustao.
A CCO pretende ainda trazer a Sagra di Bacco, baile tpico italiano realizado em 2015, para a festa. A Praa DItalia, espao onde esto localizadas as vincolas da cidade, receber shows culturais. Vamos reservar este local para um pblico que deseja apreciar os vinhos e harmoniz-los com a gastronomia e cultura italiana, pontua.
A Feira Comercial e Industrial com exposies de empresas e uma casa noturna podero integrar os atrativos.

ESCOLHA DA RAINHA SER EM MAIO

A eleio da corte da 16 Festa do Vinho acontecer no dia 14 de maio, no Ginsio Centenrio. A CCO optou por reduzir os custos dos trajes utilizados pelas candidatas e limitar o nmero de participantes para 16 jovens. O vestido sair menos da metade do preo dos ltimos concursos. O objetivo atrair jovens que consigam concorrer coroa caso no consigam patrocnio, explica Quaglioto.
As inscries iniciam no dia 7 de maro e sero encerradas no dia 31 do mesmo ms. Interessadas devem procurar mais informaes com a Diretoria de Cultura, no Parque Municipal.

LEO Clube de Urussanga participa de XVII Acampa LEO

O ltimo final de semana, dias 20 e 21, foi agitado para os companheiros LEO de Urussanga que participaram do XVII Acampa LEO e Encontro de LEO Clubes de Santa Catarina. O evento que aconteceu em So Ludgero reuniu cerca de 200 jovens que acamparam no CTG Beira Rio.
No encontro os jovens realizaram atividades de integrao e reunies que discutiram a atual situao dos LEO Clubes de SC. Tambm houve uma festa de integrao na noite de sbado com tema country.
O Acampa LEO divertido e proporciona uma tima integrao entre os clubes, comenta o companheiro LEO de Urussanga, Paulo Ricardo Gonalves.
O LEO Clube de Urussanga participou da Expo-Querncia e recebeu o prmio como melhor exposio, com a temtica da tradio italiana de Urussanga. Em nome do LEO Clube de Urussanga agradeo pela colaborao da Diretoria de Cultura, Gringo Estofaria e Restaurante e Museu Baesso, afirma Gonalves.

PSD de Urussanga se rene com lideranas estaduais e regionais

O Cricima Clube foi palco, na ltima quarta feira (24/02), de uma reunio conduzida pelo Presidente Estadual do PSD, Deputado Gelson Merisio com os pr-candidatos a Prefeito da regio da AMERC. Na oportunidade, Urussanga foi representada pelo presidente da sigla Luiz Antonio Fabro e pelo empresrio e pr-candidato Rodrigo Fontanela. Taliano e Folchini, que tambm so pr-candidatos pelo PSD no puderam participar. .
A vinda de Merisio, acompanhado pelo Deputado Jos Nei Ascari foi para motivar os integrantes do partido que se dispe a colocar o seu nome para a disputa do pleito deste ano. Merisio abordou a importncia do PSD ter o mximo de candidatos a Prefeito nos municpios do estado por duas razes: para o crescimento do partido e para o fortalecimento prevendo as eleies de 2018. O empresrio Rodrigo Fontanela avaliou como positivo o encontro. A cada reunio destas que participo colho mais informaes que me ajudaro a tomar a deciso de ser ou no candidato em 2016.

Construo da Casa do Colono acelera para ficar pronta antes da Festa do Vinho

A empresa responsvel pela construo do Centro de Comercializao de Produtos Artesanais, tambm conhecido como a Casa do Colono, prometeu celeridade na obra para deix-la pronta um ms antes da Festa do Vinho. O espao fica dentro do Parque Municipal Ado Cassetari Vieira, mesmo local onde ser realizado o evento, de 10 a 14 de agosto.
J fizemos uma reunio com a empresa e eles nos asseguraram que a equipe de trabalho ser reforada e que a Casa do Colono vai ficar pronta em julho, afirma o diretor do Departamento de Planejamento (Deplan), Rangel De Lorenzi. O Deplan tambm vai acompanhar de perto o andamento e cobrar agilidade, completa.
Segundo a diretora de Cultura e Turismo, Raquel Termehr, a inteno permitir que produtores de vinhos e produtos coloniais possam trabalhar no local durante o evento. A Casa do Colono vai valorizar os produtores de vinhos e embutidos. A concluso dela ser positiva tanto para quem comercializar quanto para os visitantes que viro festa, avalia Raquel. O investimento de R$ 305 mil, com recursos do Ministrio do Turismo.

O Uso Seguro de Agrotxicos na Agricultura um Mito!

comum entre os tcnicos ligados agropecuria, adeptos da modernizao da agricultura, a ideia de que os agrotxicos, quando aplicados corretamente e, com cuidados, no prejudicam a sade dos agricultores e consumidores e, no trazem riscos ao meio ambiente.As intoxicaes por agrotxicos, quase dobraram em Santa Catarina, no quinqunio 2009-2013, quando comparado ao quinqunio 1991-1995; os casos registrados pelo Cit – Centro de Intoxicao Toxicolgica, do hospital universitrio da UFSC, passaram de 350 para 600 casos de intoxicao, anualmente. Estima-se que para cada caso registrado, exista pelo menos mais 10 que no so registrados devido dificuldade de diagnstico (caso das intoxicaes crnicas). Para maiores informaes, sugere-se acessar o site: www.cit.sc.gov.br
A minha experincia, ao longo de 33 anos de pesquisa em hortalias, na Epagri e, em contato com agricultores, mostrou que praticamente impossvel, usar agrotxicos de forma segura, sem riscos s pessoas e ao meio ambiente. Pode-se, no mximo, apenas minimizar os riscos, mas nunca elimin-los.O instrumento de controle do uso de agrotxicos, o Receiturio Agronmico, est completamente falido, pois qualquer um pode chegar em uma loja e comprar o veneno que o balconista estiver interessado em vender. O pulverizador costal utilizado em 70% dos estabelecimentos que usam algum tipo de agrotxico;pelo menos 20% dos estabelecimentos no utilizam equipamento de proteo individual (EPI) e, muitas vezes, usam somente luvas e botas. O uso de agrotxicos ocorre sem assistncia tcnica, em grande parte, dos estabelecimentos agrcolas. Estudos indicam que mesmo com a utilizao dos EPIs, a aplicao no segura, pois h uma srie de outras exigncias que qualificam aquilo que se chama de uso seguro dos agrotxicos. Um dos pr-requisitos o respeito ao que se chama de perodo de carncia, aps a aplicao do veneno, quando ningum poderia ingressar na rea pulverizada. Tambm a segurana dos EPIs muito relativa, pois so muito desconfortveis e, quando muito baratos, mal acabados, incomodam. Outro problema a absoro dos agrotxicos pela pele: o uniforme fica encharcado de agrotxicos e, ao invs de ser lavado pela empresa, levado para a casa do trabalhador e lavado junto com a roupa da famlia. H pouqussimos laboratrios no Brasil, que so capazes de fazer anlise da gua e da contaminao humana por agrotxicos; a potabilidade da gua para consumo um dos grandes dramas, pois como analisar os 450 ingredientes ativos de veneno registrados que temos em quase 6 mil municpios do nosso pas? H mais de 5 milhes de estabelecimentos com mais de 16 milhes de trabalhadores rurais dos quais um nmero significativo de crianas, com escolaridade considerada baixa. Como podemos pensar em uso seguro num pas continental, onde a assistncia tcnica em alguns estados, precria? O Censo mostra que as propriedades que mais receberam assistncia so aquelas acima de 200 hectares, ou seja, h milhes de propriedades de pequenos produtores que esto revelia de assistncia tcnica. Como podemos imaginar que o uso seguro de agrotxicos acontecer? comum entre os tcnicos ligados agropecuria, adeptos da modernizao da agricultura, a ideia de que os agrotxicos, quando aplicados corretamente e, com cuidados, no prejudicam a sade dos agricultores e consumidores e, no trazem riscos ao meio ambiente.As intoxicaes por agrotxicos, quase dobraram em Santa Catarina, no quinqunio 2009-2013, quando comparado ao quinqunio 1991-1995; os casos registrados pelo Cit – Centro de Intoxicao Toxicolgica, do hospital universitrio da UFSC, passaram de 350 para 600 casos de intoxicao, anualmente. Estima-se que para cada caso registrado, exista pelo menos mais 10 que no so registrados devido dificuldade de diagnstico (caso das intoxicaes crnicas). Para maiores informaes, sugere-se acessar o site: www.cit.sc.gov.br
A minha experincia, ao longo de 33 anos de pesquisa em hortalias, na Epagri e, em contato com agricultores, mostrou que praticamente impossvel, usar agrotxicos de forma segura, sem riscos s pessoas e ao meio ambiente. Pode-se, no mximo, apenas minimizar os riscos, mas nunca elimin-los.O instrumento de controle do uso de agrotxicos, o Receiturio Agronmico, est completamente falido, pois qualquer um pode chegar em uma loja e comprar o veneno que o balconista estiver interessado em vender. O pulverizador costal utilizado em 70% dos estabelecimentos que usam algum tipo de agrotxico;pelo menos 20% dos estabelecimentos no utilizam equipamento de proteo individual (EPI) e, muitas vezes, usam somente luvas e botas. O uso de agrotxicos ocorre sem assistncia tcnica, em grande parte, dos estabelecimentos agrcolas. Estudos indicam que mesmo com a utilizao dos EPIs, a aplicao no segura, pois h uma srie de outras exigncias que qualificam aquilo que se chama de uso seguro dos agrotxicos. Um dos pr-requisitos o respeito ao que se chama de perodo de carncia, aps a aplicao do veneno, quando ningum poderia ingressar na rea pulverizada. Tambm a segurana dos EPIs muito relativa, pois so muito desconfortveis e, quando muito baratos, mal acabados, incomodam. Outro problema a absoro dos agrotxicos pela pele: o uniforme fica encharcado de agrotxicos e, ao invs de ser lavado pela empresa, levado para a casa do trabalhador e lavado junto com a roupa da famlia. H pouqussimos laboratrios no Brasil, que so capazes de fazer anlise da gua e da contaminao humana por agrotxicos; a potabilidade da gua para consumo um dos grandes dramas, pois como analisar os 450 ingredientes ativos de veneno registrados que temos em quase 6 mil municpios do nosso pas? H mais de 5 milhes de estabelecimentos com mais de 16 milhes de trabalhadores rurais dos quais um nmero significativo de crianas, com escolaridade considerada baixa. Como podemos pensar em uso seguro num pas continental, onde a assistncia tcnica em alguns estados, precria? O Censo mostra que as propriedades que mais receberam assistncia so aquelas acima de 200 hectares, ou seja, h milhes de propriedades de pequenos produtores que esto revelia de assistncia tcnica. Como podemos imaginar que o uso seguro de agrotxicos acontecer?

Urussanga recebe mais 200 kits de sementes para horta familiar

O prefeito de Urussanga, Johnny Felippe, trouxe a Urussanga 200 kits de sementes para a agricultura familiar no retorno dele de Florianpolis, onde cumpriu agenda nessas segunda e tera-feira. O material resultado de uma solicitao feita pelo ex-secretrio municipal de Agricultura, Jucemar Sangaletti, no fim do ano passado, ao secretrio estadual de Agricultura, Moacir Sopelsa.
Cada kit contm sementes de nove tipos de gros e hortalia: alface, beterraba, rcula, feijo-de-vagem, repolho, salsa, cenoura, pepino e rabanete. A embalagem traz orientaes quanto ao cultivo. O agricultor que quiser retirar um desses kits basta nos procurar na Secretaria de Agricultura ou aqui no gabinete, explica o prefeito.
No fim de 2015, Sangaletti j havia trazido outros 200 kits. Alm disso, as solicitaes recentes ao Governo do Estado renderam a Urussanga um trator, uma ensiladeira, uma balana para o Rio Carvo, kits de pastagem e 150 toneladas de calcrio. O municpio ainda espera ser contemplado com uma balana para Linha Pacheco, uma para So Pedro e mais kits de pastagens, alm de R$ 20 mil para a Festa do Vinho.

Valorizao do fumo anima agricultores

Ao contrrio da safra de 2015, os fumicultores de Urussanga esto animados com as vendas do tabaco este ano. No ano passado, o valor pago pelas classificaes do fumo era desanimador. O produto que era de tipo 1, era pago com o valor de tipo 2. Porm, em 2016, o produto de melhor tipo est valorizado, onde as empresas compram pelo quilo cerca de 10 reais. Como a produo de tabaco diminuiu em todo pas e em Urussanga j houve a reduo de 15% na produo, as empresas pagam mais pelo produto, explica o Presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Urussanga e Cocal do Sul, Adefonso Baesso.
Conforme o fumicultor, Valdemir Magagnin, de So Pedro, as fortes chuvas de 2015, durante os meses de outubro e novembro, atrapalharam a produo, em questo de quantidade, porm, com a valorizao da classificao, ser uma boa safra.
Eu produzi cerca de sete mil quilos de fumo em 2015, mas a renda foi baixa. J este ano, a produo ser de cinco mil e a renda ser melhor, pois, tive menos despesas para cuidar do fumo, explica.
Magagnin plantou trs hectares de tabaco e comenta que o produto est de qualidade. As empresas pagam bem pelo fumo amarelo, que a maior quantia da minha produo, afirma. O fumicultor contratou apenas dois funcionrios para auxiliar na colheita. Eu trabalho sozinho, apenas na colheita que preciso de mais pessoas. Como este ano irei acabar mais cedo a safra do tabaco, terei mais tempo para produzir vassouras que me trazem uma renda extra, comenta Magagnin.
Em Urussanga, so 320 famlias produtoras do tabaco que possuem 420 estufas. Em 2015 foram produzidos mais de 800 hectares de fumo, j este ano, a produo em Urussanga ficou em cerca de 780 hectares.
Os agricultores esto diminuindo a produo e buscando alternativas. Isto se d devido populao mundial estar consumindo menos fumo, finaliza Baesso.

Curso de tortas oferecido s mulheres agricultoras

Em busca de trazer mais conhecimento aos agricultores do municpio, o Programa Nacional de Diversificao em reas Cultivas com Tabaco (MDA), coordenado pelo Uneagro atravs da agrnoma, Dbora Rodrigues Schuch, em Urussanga foi realizado com 37 mulheres em trs comunidades um curso de tortas.
O curso foi realizado nas comunidades de Rio Caet Baixo, Armazn e Linha Pacheco, onde foi ministrado por Simone Burin de Oliveira, de Jacinto Machado. No Rio Caet o curso foi realizado no dia 11. J em Armazn no dia 15 e em Linha Pacheco no dia 22. Agradeo a todas as participantes do curso e principalmente, da Helen Rodrigues Nunes, a Teresinha Mazzucco e a Zelma Baesso por cederem suas residncias para que ocorressem os cursos. Alm da Simone que ensinou as agricultoras, comenta Dbora.

Epagri comemora 60 anos de extenso rural e pesqueira

O Escritrio Municipal da Epagri de Urussanga ir comemorar os 60 anos da extenso rural e pesqueira em Santa Catarina na segunda-feira, dia 29. Nesta data, em 1956, foi instalado no Estado o primeiro Escritrio Tcnico Agrcola (ETA) e o dia tornou-se um marco para o incio das atividades de extenso rural e pesqueira no territrio catarinense.
O evento acontecer s 9 horas, no Parque Municipal Ado Cassetari Vieira, ao lado da sede da FAMU. Na ocasio ser servido um coquetel que ir reunir autoridades locais, representantes de entidades agrcolas, agricultores, funcionrios e ex-funcionrios da Epagri. O evento contar com depoimentos que resgatam a histria local da extenso rural e apresentao de um vdeo, produzido pela TV da Epagri, que faz um relato histrico da atividade no Estado.
A Epagri conta atualmente com 639 extensionistas rurais e sociais. Alm destes, boa parte dos 1654 funcionrios da Empresa tambm contribuem para a atividade, exercendo funes administrativas ou operacionais. A Empresa uma referncia nacional e at internacional em extenso e pesquisa rural.

SAIBA MAIS SOBRE A EXTENSO

Segundo a assessoria de imprensa da Epagri, Extenso uma metodologia, uma estratgia de ao, entendida como ensino ou educao informal. Na Epagri esse conceito evoluiu nos ltimos 60 anos, passando do simples repasse de informaes tcnicas, para uma troca de conhecimentos entre o extensionista, o pesquisador e o agricultor, pescador, indgena ou quilombola, levando sempre em considerao os saberes tradicionais dos povos.
O trabalho de extenso da Epagri desenvolvido com base no trip economia, ambiente e sociedade. A Empresa presta mais de 350 mil assistncias anuais. Em seus 60 anos de histria a extenso desenvolveu para o Estado diversas tecnologias sociais de baixo custo que hoje so sucesso, como a proteo de fonte modelo caxambu, o carneiro hidrulico, sistemas de tratamento de esgoto domstico, entre outros.
Historicamente, a extenso da Epagri colaborou no s para o desenvolvimento econmico, mas tambm social Santa Catarina. Essa atividade foi a grande responsvel por levar qualidade de vida para os camponeses catarinenses. Prova disso que os profissionais da extenso da Epagri foram os primeiros a aplicar a vacina contra a poliomielite para as crianas do meio rural, j que naquela poca a estrutura de sade ainda era precria no interior do pas.

Aulas de ginstica com dana contribuem para o bem estar e a sade

O ritmo e a alegria so contagiantes. A cada movimento, sorrisos so despertados e calorias so eliminadas. Aliar sade e bem estar um dos objetivos das aulas de ginstica com dana promovidas pela Secretaria de Sade de Urussanga. Os encontros realizados semanalmente no espao de lazer do Centro de Assistncia Social, no bairro Estao, esto reunindo mais de 150 pessoas adeptas a esta atividade fsica. O servio gratuito oferecido a toda populao de Urussanga.
A aposentada Maria Salete De Jesus Carara, de 59 anos, participa das aulas h dois anos e com muita animao e dana que ela optou iniciar e encerrar seus dias. Eu gosto de danar, fazer amizade e ser feliz. Por isso venho nas aulas na parte da manh e s vezes noite, alm de realizar caminhadas, comenta. Maria Salete relata que a atividade resultou na melhora de sua sade e disposio. Percebi que amenizaram meus problemas de circulao e contribuiu para o meu bom humor, acrescenta.
As aulas de ginstica com dana so ministradas pela educadora fsica Rita De Cssia Feij e direcionadas para adolescentes, adultos e idosos. Elas consistem na realizao de atividades feitas com msica e tambm de exerccios locais como alongamento e abdominais, explica a professora.
O aposentado Apolonio Frasseto, de 72 anos, um dos participantes da terceira idade. Acompanhado da esposa Alda, Apolonio acompanha os movimentos da professora e possui um bom desempenho nos abdominais propostos durante a aula.
Comecei a frequentar h um ano junto com minha esposa. Viemos duas vezes por semana. Pulamos e nos mexemos, alm de fazermos exerccios abdominais. Me dou bem porque j fiz pilates. muito bom a dana. Desenferruja, conta entre risos.
Apesar de apenas estar praticando dana h um ano, a jovem Thais Beninc, de 21 anos, j percebe benefcios como melhora na autoestima e no sono. As pessoas e a aula me trazem alegria e bem estar, finaliza.
As aulas de ginstica com dana no bairro Estao ocorrem de segunda a quinta-feira, das 7h15min s 8h15min, e tera e quinta-feira, das 18h30 s 19h30min e das 19h30min s 20h30min.
Conforme o cronograma da Secretaria de Sade, o servio tambm oferecido, em diferentes dias e horrios, nos bairros Nova Itlia, Santana, Rio Molha, De Villa, Coxia Rica, Beldevere e Rio Amrica Baixo.

LAURINHO E AS TRADIES

Uma coluna poltica em Urussanga no poderia deixar de fazer o obiturio de Lauro De Bona, o Seu Laurinho. Ainda mais que o colunista tem vnculo familiar com o personagem: para mim, ele era o Tio Laurinho. A importncia dele na histria da cidade no permite que deixemos passar em branco sua partida, ocorrida no ltimo dia 22. Laurinho foi um grande poltico urussanguense porque sua atuao aconteceu principalmente fora da vida partidria, como homem empreendedor, conciliador, incentivador, participante ativo das coisas municipais.
Lauro De Bona um nome que evoca tradio. Tradio infelizmente muitas vezes combatida pelas mentes revolucionrias, que enxergam no patriarca sempre a figura de um opressor. Laurinho nos mostrou que o verdadeiro patriarcado um ato de amor. uma tradio pela qual bons homens mantm unidas suas famlias (de preferncia em torno de uma mesa farta), transmitindo aos filhos e parentes noes de lealdade, honestidade e respeito vida. O verdadeiro patriarcado exige responsabilidade e fora de carter. Laurinho sabia disso.
Ele foi pioneiro em empreender. Com a famosa Loja Santo Antnio, nos anos 60 j proporcionava aos moradores de vrias cidades da regio inmeros artigos finos ou de primeira necessidade, muitos deles trazidos de So Paulo. Foi um homem de viso e de negcios, que contribuiu para o desenvolvimento de Urussanga quando as opes de consumo eram ainda bem escassas. Mais uma vez Laurinho, com talento de comerciante, nos ensinou como esto errados aqueles discursadores da esquerda que enxergam o mercado apenas como um jogo de explorao.
Na missa de corpo presente li uma singela homenagem, que escrevi sem dificuldades diante da biografia generosa do homenageado. Falei da Igreja, dos desafios dos cristos, pedi misericrdia a Deus e previ um encontro luminoso do Laurinho com a Eternidade. Fiz tudo isso com uma sinceridade espantosa para quem est h tanto tempo em recesso com a religio e sua metafsica. Somente o Laurinho, na hora da partida, para me lembrar da importncia de mais esta tradio que nos ajudou a permanecer unidos at aqui.

Chuva invade casas e assusta moradores

A intensidade da chuva na noite de sbado, dia 20, despertou ateno e angstia ao motorista Carlos Eduardo Cortez, que reside na localidade de Rio Caet. Desde o incio das fortes chuvas, por volta das 21 horas, Cortez decidiu acompanhar de longe o nvel do rio, que fica a 40 metros de sua residncia.
De repente, por volta das 23 horas, Cortez sentiu um intenso mau cheiro e foi at a rea externa de sua casa para verificar o que estava acontecendo. Naquele momento ele se deparou com a fora do rio invadindo e inundando a frente de sua residncia. A gua adentrou na garagem e cobriu 60 centmetros de altura do espao. O paiol foi atingido com um metro, resultando na morte de 15 galinhas e dois cachorros.
No deu tempo para socorrer os bichinhos. Consegui tirar a moto, o carro e a Kombi de transporte, que faz parte do trabalho, documentos e a minha esposa. Meu maior medo era a ponte de madeira se desprender e vir em cima da casa. Uma grande assim foi s naquela enchente em 1974. Nosso abrigo por 30 minutos foi no terreno de vizinhos at quando a gua baixou. Acredito que o rio subiu um metro e meio e por apenas 3 centmetros no entrou na minha casa. Molhou freezer, geladeira, mquina de lavar roupa. O lodo tomou conta de tudo. Logo descemos e fomos levantando as coisas, lavando a garagem, tirando o barro com a ajuda de familiares. Trabalhamos at as duas da manh e no dia seguinte contamos com o auxlio de amigos e vizinhos. triste ver a fora do rio levar tudo, conta.
De acordo com dados do Centro de Informaes de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de Santa Catarina (Ciram), a chuva em Urussanga ultrapassou 90 milmetros entre as 21 e 23 horas de sbado. A precipitao elevou o nvel do Rio Caet e tambm afetou o bairro Estao.
A agente de sade Elizete Cardoso Barboza relata que a gua do rio e a lama invadiram a rua Silvio Ferraro. Essas chuvas sempre nos assustam, pois no sabemos a intensidade. Desta vez entrou s no ptio da minha casa. Subiu uns 70 centmetros. Foi muito rpido. Tivemos que tirar os carros pelos fundos para sair na rua de trs. Em 2010, a gua entrou na minha cozinha. A ltima limpeza feita no rio foi h 3 anos. Apesar de tudo, gosto de morar aqui, ressalta.
Segundo a tcnica em Meteorologia da Epagri de Urussanga, Thays Camassola, o forte calor e alta umidade de ar aliados a um sistema de baixa presso atmosfrica no oceano favoreceram o desenvolvimento de reas de instabilidades em Santa Catarina. A precipitao ocorreu de forma bastante irregular ao longo do territrio. Registros das estaes meteorolgicas automticas monitoradas pela Epagri/Ciram e INMET entre as 12 horas de sbado, dia 20, at s 6 horas de domingo, dia 21, apontaram 109,8 milmetros em Urussanga. Entre 22 e 23 horas de sbado choveu 68mm, o que corresponde a praticamente um tero do esperado para o ms de fevereiro, pontua. A cidade de Ermo registrou 120 milmetros e Garuva, no Litoral Norte, 104 milmetros.

MAIS DE 20 CASAS FORAM ATINGIDAS

A elevao do nvel do rio Caet afetou famlias nos bairros Estao, Rio Caet, Bela Vista e Braslia. Somente na Estao, a Defesa Civil de Urussanga verificou que 27 residncias foram atingidas pela fora das guas. Uma famlia composta por dois adultos e trs crianas precisou ser retirada de casa pelo Corpo de Bombeiros ainda na noite de sbado, mas retornaram no domingo. As ruas Silvio Ferraro e Vitrio Giaconi, prximas ao rio, foram as mais afetadas pelo transbordamento.
Na comunidade de Rio Caet Baixo, o desmoronamento de terra interrompeu o trnsito na estrada que liga a localidade ao bairro Estao. No bairro Bela Vista, a Defesa Civil registrou a queda de um muro decorrente do entupimento de bocas de lobo dentro de uma propriedade. Em virtude do grande volume de chuva, uma tubulao no conseguiu dar vaso e a gua invadiu uma residncia no bairro Braslia. Todas as ocorrncias registraram apenas danos materiais. Durante a manh de segunda-feira, dia 22, tcnicos do Departamento de Planejamento (Deplan) da Prefeitura de Urussanga vistoriaram os locais para emitir laudo tcnico.
Pessoas mais experientes relataram ter visto um volume expressivo de chuva assim num curto espao de tempo somente na enchente em 1974. Durante a cheia do rio foi observada uma grande quantidade de lixo e entulhos. As pessoas precisam se conscientizar que jogar lixo nas ruas, rios e crregos provoca um grande prejuzo a populao. A partir de agora notificaes voltadas para estes descasos sero constantes, pois j estamos recebendo vrias denncias de pessoas que descartam o lixo nos rios da cidade, afirma o coordenador da Defesa Civil de Urussanga, Giovani Miotello. A Defesa Civil de Urussanga pode ser acionada pelo 3465-1188 ou 9925-1644.

SEMANA INICIOU COM LIMPEZA NAS RUAS

A lama chegou a cobrir as ruas do bairro Estao. A limpeza das vias iniciou no domingo pela manh com o caminho tanque do Corpo de Bombeiros e a mobilizao de moradores. Mquinas da Secretaria de Infraestrutura de Urussanga repararam a drenagem e auxiliaram na remoo de lama de dentro das bocas de lobo.
De acordo com o responsvel pelo Departamento de Planejamento, Rangel De Lorenzi, o municpio j est dando andamento nos trmites burocrticos junto Fundao do Meio Ambiente de Santa Catarina (Fatma) para fazer uma nova limpeza no rio Caet.

65 anos celebrados com a comunidade

O dia 10 de fevereiro de 2016 marcou mais uma data festiva na histria da Rdio Marconi (AM 780). A emissora celebrou 65 anos de atuao junto com ouvintes, funcionrios e colaboradores num dia de agradecimento, homenagens e reencontros. s 7 horas, a santa missa na igreja matriz Nossa Senhora da Conceio foi presidida pelo bispo da Diocese de Cricima, Dom Jacinto Inacio Flach, e contou com grande participao de fiis que renderam graas pela existncia da Rdio Marconi, fundada em 1951 pelo saudoso Monsenhor Agenor Neves Marques. Os padres Jiovani Manique Barreto, Carlos Weck e o seminarista Daniel Da Rolt tambm participaram da celebrao religiosa.
Muitas bnos e graas foram derramadas por este meio de comunicao, enfatizou Dom Jacinto, no incio de sua homlia, ao referir-se a todos os doentes e idosos que tiveram, ao longo desses anos, a oportunidade de acompanhar as celebraes atravs das ondas do rdio, quando a sade fsica no mais lhes permitiu celebrar junto comunidade.
Ao final da missa, o engenheiro agrnomo Srgio Maestrelli conduziu as homenagens da Rdio Marconi a funcionrios e colaboradores. Receberam o carinho da emissora, atravs de um trofu entregue por membros da diretoria, os comunicadores Rosa Miotello, Padre Carlos Weck, Rozinei e Rozemar Sebastio (programa Festa Sertaneja), Manoel e Adalgisa Teixeira (programa Domingo Alegre), o ex-gerente Roberto Campos, a ex-funcionria Irma Miotello e o funcionrio Luiz Marques. Alm deles, muitas outras pessoas que fizeram parte da histria da Rdio Marconi foram lembradas.
Aps a celebrao, ouvintes, funcionrios, homenageados e colaboradores se digiram ao Centro Comunitrio para o corte do bolo comemorativo. Os programas dos perodos matutino e vespertino foram transmitidos ao vivo do local com a participao de ouvintes, autoridades e ex-funcionrios. Um coquetel foi servido durante todo o dia.

Cmara de Vereadores entrega moo

Uma Moo de Congratulao direcionada Rdio Marconi foi aprovada na primeira sesso da Cmara de Vereadores deste ano e subscrita por todos os vereadores. A entrega da homenagem aconteceu na sesso de tera-feira, dia 10, e foi recebida pelo gerente da emissora, Andr Nichele. O Legislativo prestou homenagem ao meio de comunicao devido sua atuao ao longo de 65 anos nas reas de entretenimento e jornalismo com abrangncia em 20 municpios da regio. A vereadora Daniela Piacentini Visintim (PMDB) falou em nome do poder Legislativo e destacou a importncia do rdio na difuso de contedos de interesse social. Para a vereadora, a emissora conta e faz parte da histria de Urussanga. A Moo de Congratulao foi entregue pelo vereador Omero de Bona (PP) ao gerente da Rdio Marconi, Andr Nichele.

Agrotxicos e Sade Ambiental

O Brasil o maior consumidor mundial de agrotxicos desde 2008 e, em consequncia, a biodiversidade destruida, comprometendo os recursos naturais para as presentes e futuras geraes. So inmeros os casos de contaminao ambiental resultantes da irresponsabilidade de empresas fabricantes de agrotxicos, bem como do agronegcio que grande usurio de venenos. Muitas vezes as pessoas que adoecem por conta da exposio aos venenos no conseguem comprovar a causa das doenas desenvolvidas e os responsveis escapam de arcar com os custos de tratamentos de sade ou de medidas para minimizar os efeitos da contaminao ambiental.
O Ministrio da Sade estima que, no Brasil, anualmente, existam mais de 400 mil pessoas contaminadas por agrotxicos, com cerca de 5 mil mortes por ano.Os acidentes de trabalho representaram 53,5% das circunstncias de intoxicao, seguidos pelas tentativas de suicdio (28,2%) e intoxicaes acidentais (12,9%). Dentre os 128 princpios ativos envolvidos nas intoxicaes, os herbicidas base de glifosato (roundup) e o paraquat, alm do metamidofs, foram os mais incriminados, com 26,2% do total; estes trs agrotxicos esto sendo reavaliados pela Agncia Nacional de Vigilncia Sanitria (ANVISA), sendo o metamidofs j proibido no Brasil, desde 2011.
importante destacar que a lei n 14.734, sancionada pelo governador Luiz Henrique da Silveira, em 17/06/2009,probe a capina qumica em reas de faixa de domnio de ferrovias, rodovias, vias pblicas, ruas, praas, passeios, caladas, avenidas, terrenos baldios, margem de arroios e valas em todo o territrio de Santa Catarina. Devido a ausncia de segurana, a ANVISA, desde 2010,proibiu o uso de herbicidas em ambientes urbanos, pois no tem como impedir o trnsito de pessoas, por pelo menos, 24 horas aps a aplicao. A capina qumica expe as pessoas ao risco de intoxicao, alm de contaminar os animais, vegetais, solos e as fontes de gua.H dificuldade em se realizar um diagnstico preciso das intoxicaes por agrotxicos pelas equipes de sade, o que dificulta no s o tratamento, mas tambm a notificao da ocorrncia. Infelizmente, no Brasil os profissionais de sade, tanto da rede bsica de sade, como da rede de mdia complexidade, no foram devidamente treinados a fazer o diagnstico de intoxicao humana. Os equipamentos de proteo individual (EPI), contribuem para o alto nmero de acidentes com agrotxicos, pela no utilizao ou uso inadequado dos mesmos. Os motivos para o no uso dos equipamentos de proteo so a no disponibilidade por parte dos patres e o desconforto e incerteza quanto eficcia dos mesmos. Os trabalhadores rurais no Brasil, por terem um baixo nvel de escolaridade, muitas vezes utilizam a aplicao intensiva de agrotxicos como a principal medida de controle de pragas, alm de terem pouco ou nenhum treinamento para a utilizao de agrotxicos e desconhecerem situaes de risco e, por isso, no usam equipamentos de proteo (coletiva e individual) para a manipulao e aplicao dos produtos.

Para mais informaes sobre o assunto leia o documento: www.abrasco.org.br/UserFiles/Image/DOSSIE2f.pdf

Urussanga une setores na preveno ao Aedes Aegypti

Todos os setores da Prefeitura de Urussanga foram convocados a ajudar a Vigilncia em Sade, o Departamento de Planejamento (Deplan), a Fundao Ambiental Municipal de Urussanga (Famu) e a Defesa Civil na fiscalizao de problemas relacionados a terrenos baldios no municpio. O principal objetivo dessa integrao fortalecer a preveno aos focos de Aedes Aegypti.
A secretria municipal de Sade, Maringela Dal B Lapolli, orientou os servidores de todos os setores a denunciar sempre que for constatada alguma situao que seja propcia para a reproduo do mosquito, com acmulo de gua parada. Iniciamos nossa mobilizao antecipadamente, em outubro, por causa do excesso de chuva, que poderia resultar em mais gua parada, explica Maringela.
Nesse sbado, toda a regio ter o Dia D de combate ao mosquito transmissor, mas Urussanga j promoveu com antecipao todas as aes preventivas. A Secretaria de Sade previu que o mosquito poderia encontrar um ambiente propcio proliferao em razo do alto volume de chuva ao longo do ano. O Exrcito foi chamado a ajudar na vistoria de casas em todo o municpio em novembro.

Esforos antecipados

Urussanga, atualmente, est livre de focos do mosquito Aedes aegypti, mas o municpio vai se manter em ateno. A Vigilncia em Sade pede para que a populao contribua e evite o acmulo de gua parada. Agora, quando vemos nos noticirios a preocupao do pas todo com dengue, chikungunya e zika vrus, fica claro que a nossa deciso de antecipar os esforos foi acertada, conclui a secretria.
A mobilizao conjunta tambm visa evitar a propagao outros insetos causadores de doenas e animais peonhentos. Os problemas denunciados sero resolvidos pelo setor competente. A Vigilncia Sanitria atuar em caso de gua parada, a Famu ir ao local se houver depsito de lixo. Outros problemas, como mato alto, sero resolvidos pelo Deplan, explica o fiscal de obras e posturas, Henrique Gastaldon.
As denncias podem ser feitas no telefone: 3465-2010. A Fiscal da Vigilncia, Elisangela S. Mondo lembra que importante realizar a denncia da forma correta. As denncias devem ser bem especficas, com nome, local, enfim, todos os detalhes possveis, afirma.

Novo seminarista, Daniel Da Rolt, comea a atuar em Urussanga

A Parquia de Urussanga recebeu no dia 02 de fevereiro, o Seminarista Daniel Zilli Da Rolt que passa a atuar na parquia. Ele foi apresentado pelo Proco Jiovani Manique Barreto na Missa com beno das velas na tarde do mesmo dia. O povo de Deus que est participando das celebraes na comunidade ter contato comigo e assim vamos aos poucos nos conhecendo, comenta o Seminarista.
Daniel natural de Iara, da comunidade de Morro Bonito e filho de Hildo Da Rolt e de Elizabete Zilli Da Rolt e possui dois irmos, Maicon e Guilherme. Venho de uma famlia simples, tradicional e de descendncia italiana. Meus pais trabalham na roa, afirma Daniel.
Daniel conta que o interesse para ingressar no seminrio veio atravs de seus pais. Foram eles que me ensinaram a dar os primeiros passos na f. Eles me levaram pela primeira vez Igreja, ensinaram-me a rezar e a levar a srio os valores cristos. Sou grato a Deus pela famlia que tenho e pela educao que recebi, observa.
O primeiro contato de Daniel com o Seminrio foi em 2005, quando tinha 15 anos. Tive a oportunidade de conhecer o seminrio diocesano da Nossa Senhora de Caravaggio, no distrito de Nova Veneza e que foram trs dias de encontro. No ltimo dia, disse ao Padre e Reitor do Seminrio, Ludgero Feuder, que no estava preparado para ingressar e que eu precisava amadurecer minha vocao, relata Daniel.
Com 17 anos, em 2007, Daniel passou a sentir a necessidade de que deveria servir a vocao sacerdotal. Eu pedi demisso do meu trabalho na poca e fiz um estgio para ingressar no Seminrio Propedutico. Aps ser aprovado, ingressei em fevereiro de 2008 no Seminrio em Caravaggio, em Nova Veneza, comenta.
O Seminarista graduado em Filosofia, onde cursou durante 2009 a 2011 na Faculdade Catlica So Luiz, em Brusque. Estudou tambm Teologia, que teve durao entre 2012 a 2015 na Faculdade Catlica de Santa Catarina, em Florianpolis. Durante o perodo de estudos, desenvolvi trabalhos pastorais na comunidade Santa Rita de Cssia, em Gaspar, pertencente diocese de Blumenau e tambm estagiava nos finais de semana na Parquia Santo Antnio, em Cricima, durante minha segunda faculdade, afirma.
No final de 2015, o Bispo Diocesano Dom Jacinto Incio Flach, anunciou que o Seminarista viria continuar sua jornada na Parquia de Urussanga.
Durante a caminhada vocacional, Daniel diz que o trabalho pastoral um dos trabalhos que mais gosta de atuar. Me faz bem estar disponvel aos doentes, as famlias que sofrem e necessitam de ajuda, a busca pelos jovens que esto afastados de Deus e da Igreja. Isto me faz perceber que a cada dia Deus confirma seu chamado na minha vida. Peo que rezem por minha vida e vocao, para que eu possa ser fiel ao chamado de Deus, declara.
Em Urussanga, ele conta que foi recebido com muita f pelo povo. Uma das coisas que me chamou a ateno durante estes dias foi a f que este povo possui e a sua simplicidade de ser. Quando me apresento como seminarista, futuro padre que aqui ir atuar, as pessoas do um belo sorriso e um abrao afetuoso em sinal de acolhida e alegria. Isso faz muito bem para quem est chegando Parquia. Quero ser o seminarista, o dicono, o padre amigo das pessoas e caminhar junto com este povo urussanguense, ressalta.
Por enquanto, Daniel ir acompanhar os trabalhos juntamente com o Proco, para conhecer a realidade da Parquia e assim poder desenvolver seus trabalhos. Estarei disponvel para atender o povo de Deus, visitar os doentes e as famlias, serei presena nas comunidades que compe a parquia Nossa Senhora da Conceio, levando a Boa Nova da Palavra de Deus aos coraes sedentos, finaliza.

ORDENAO DIACONAL E PRESBITERAL

As Ordenaes do Seminarista Daniel j tem datas marcadas. No dia 06 de maro, s 15 horas, acontece na Catedral So Jos de Cricima sua Ordenao Diaconal, ou seja, se tornando Dicono. A Ordenao Presbiteral acontece no dia 2 de julho, s 15 horas, no Santurio do Corao de Jesus, localizado na comunidade do Morro Bonito em Iara, cidade Natal do Seminarista. Serei o primeiro Padre a ser ordenado neste santurio. Rezarei a primeira missa no dia 3 de julho, s 10 horas, no Santurio do Corao de Jesus, finaliza Daniel.

Coleta Seletiva recolhe mais de 600 toneladas em 2015

Em 2015, o Consrcio Intermunicipal de Resduos Slidos Urbanos da Regio Sul (Cirsures) cumpriu uma das metas previstas no Plano de Gerenciamento Intermunicipal. Implantar o programa de Coleta Seletiva nos sete municpios que compem o Cirsures foi o objetivo alcanado. Felizmente, a coleta seletiva, realizada em parceria com as fundaes do meio ambiente, ser inserida em todas as cidades, tornou-se uma realidade. Por isso o ano de 2015 foi de comemorao, frisa o gerente de projetos do Cirsures, Lindomar Caciatore Junior.
Dados disponibilizados pelo Cirsures mostram que no ltimo ano foram recolhidas 632,40 toneladas de material reciclado. O valor corresponde a 4,51% da totalidade de resduos slidos urbanos recolhidos nos sete municpios e depositados no aterro do consrcio. Segundo o gerente do consrcio, Thiago Maragno Biava, o baixo valor percentual consequncia da precocidade do programa em alguns municpios.
Orleans, Lauro Mller e Siderpolis iniciaram o programa em maio do ano passado, enquanto Morro da Fumaa iniciou o processo apenas em agosto de 2015. Em todos esses municpios a abrangncia ainda pequena e ser aumentada conforme a demanda e as possibilidades do consrcio, salienta.
Em Urussanga, o Cirsures recolheu 311,01 toneladas de material reciclado e 70% da populao beneficiada com a coleta. J em Cocal do Sul foram coletadas mais de 99 toneladas. Atualmente o programa de Coleta Seletiva atende aproximadamente 40 mil dos 110 mil habitantes das cidades que compem o consrcio. Em Treviso, todo o municpio atendido pela Coleta Seletiva.

PROJEO DE AMPLIAO PARA OS PRXIMOS ANOS

De acordo com Maragno, o ano de 2016 ser marcado por ampliaes. Iremos aumentar, num primeiro momento, a participao em Cocal do Sul e Morro da Fumaa. J est estabelecido com os tcnicos das respectivas fundaes. Isso ser acompanhado por campanhas de educao ambiental, que tero incio em maro, ressalta.
A meta estabelecida pelo corpo tcnico do Cirsures para o ano de 2018 ser aumentar o recolhimento de reciclados em 10%, ou seja, 150 toneladas por ms do total de resduos slidos urbanos recolhidos.
uma meta ambiciosa que ir necessitar de investimentos na rea de infraestrutura, lixeiras especiais para coleta do reciclados e, principalmente, de educao ambiental, pontua o engenheiro ambiental e gerente geral do consrcio, Thiago Maragno Biava.

CONSRCIO CONTRATA GARIS

A contratao de garis pelo Cirsures foi outra conquista para a Coleta Seletiva. Antes tnhamos um contrato com a Cooperamrica que cedia os garis para a coleta seletiva. Agora os garis so funcionrios do Cirsures. Isso dar mais segurana ao processo, alm dos garis estarem cumprindo com todas as normas de segurana e estarem devidamente uniformizados. Antes tnhamos muitos problemas relacionados a falta dos garis o que inviabilizava a coleta e, com isso, perdamos a confiana da populao, explica Maragno.

Urussanga uma das 100 cidades mais sustentveis do pas

A Associao Nacional de Prefeitos e Vices (ANPV) classificou Urussanga como uma das 100 cidades mais sustentveis do pas. A entrega do prmio ser nos dias 24 e 25 de maio, no Senado Federal, em Braslia (DF).
De acordo com o presidente da ANPV, Arnaldo Acbas de Lima, a escolha se baseia em dados tcnicos e pesquisa feita pela entidade, com uso de dados da Fundao Getlio Vargas (FGV), em parceria com a Frente Parlamentar Mista dos Municpios e de Apoio aos Prefeitos e Vice-Prefeitos do Brasil (Fremaprev), da Cmara dos Deputados.
O prefeito Johnny Felippe, no entanto, no deve viajar para receber o prmio, j que as datas da entrega coincidem com a semana do aniversrio do municpio.

Complexo de Assistncia Social estar pronto at maro

As obras do Complexo de Assistncia Social Governador Luiz Henrique da Silveira, em Urussanga, esto em fase final. A inteno da Prefeitura inaugurar dentro dos prximos 40 dias. Faltam apenas pequenos reparos, algumas pinturas e a organizao da moblia para que tudo esteja pronto. O espao conta com acessibilidade para idosos e cadeirantes e abriga todos os servios oferecidos pela Secretaria.
Segundo o secretrio municipal de Assistncia Social, Vanderlei Marcrio, o diferencial do Complexo que ele est integrado com a Praa de Esportes e Lazer Manoel Francisco de Oliveira, o Ginsio de Esportes Centenrio, uma unidade bsica de sade, o Centro de Ateno Psicossocial (CAPS) e o futuro Centro de Especialidades Odontolgicas (CEO). Isso vai permitir que as pessoas que utilizam nossos servios possam praticar atividades esportivas na academia ao ar livre, cuidar da sade ou aproveitar a viagem para uma consulta mdica, por exemplo, elenca o secretrio.

Serviosoferecidos

Funcionam no Complexo a administrao da Secretaria de Assistncia Social, o Centro de Referncia em Assistncia Social (Cras), o Centro de Referncia Especializado em Assistncia Social (Creas), o Servio de Convivncia e Fortalecimento de Vnculos e o Conselho Tutelar.
O espao conta com auditrio, salo, palco para apresentaes, banheiros, refeitrios, brinquedos, playground, ventilao, cozinha e churrasqueira. Urussanga j o municpio da regio com o menor ndice de vulnerabilidade social. Com essa obra poderemos consolidar a cidade como referncia, projeta Marcrio.

FUNDO DE GARANTIA: UM ROUBO

Tramitam na Justia brasileira milhares de aes questionando os rendimentos das contas do FGTS. Em 2015, por exemplo, enquanto a inflao foi de 11%, as contas do Fundo de Garantia renderam pfios 4,8% aos trabalhadores. As aes esto suspensas enquanto o STF decide se as compensaes minsculas do FGTS so apenas imorais ou se, alm disso, so tambm ilegais. Se a deciso for pela ilegalidade, a Caixa Econmica Federal ter de pagar toda a defasagem. Caso contrrio, o FGTS vai, definitivamente, virar piada.
A legislao trabalhista no nociva apenas aos empresrios. Ela tambm prejudica os trabalhadores. O FGTS um grande exemplo. O governo retm 8% do salrio do trabalhador e aplica muito mal este dinheiro, causando prejuzos ao invs benefcios. Ah, mas quem paga o FGTS o empregador, diro os mais ingnuos. Sim, . Mas, tendo de recolher FGTS, o patro dispe de menos dinheiro para os salrios. Qualquer trabalhador sensato iria preferir 8% a mais no pagamento a ter uma conta do FGTS.
O mais grave que o dinheiro do FGTS sai das mos dos trabalhadores e cai nas garras do Estado. Ns sabemos bem o que o Estado faz com o nosso dinheiro: paga propinas, compra deputados, constri obras de qualidade sofrvel. Se o dinheiro do FGTS estivesse aplicado na poupana de cada empregado, em 2015 teria rendido 8,07% ao invs dos miserveis 4,8%. O FGTS, dizem, financia a habitao, mas se o cidado for a Caixa pedir um emprstimo, pagar bem mais que 4,8%. O FGTS um roubo!
Sempre que se fala em abrandar as rgidas leis trabalhistas do Brasil, uma turba de histricos comea a gritar. O discurso mofado e bolorento da luta de classes ressurge vigoroso. Os defensores dos fracos e oprimidos ainda no se deram conta de que no o capitalista que empobrece o trabalhador, o Estado, com sua sanha reguladora e com impostos escorchantes, que empobrece a ambos. Esperemos para ver o que dir o Judicirio sobre o FGTS, e saberemos quanto respeito ele concede ao povo.