Especialista orienta trabalhadores a enfrentarem a crise econmica

A insegurana e a instabilidade econmica assolam o Brasil h meses. As consequncias do atual cenrio refletem diretamente no consumo e na produo no mundo dos negcios. Segundo o economista da empresa Economtrica, Ismael Cittadin, as crises econmicas geralmente so causadas, entre outros motivos, por uma perda de competitividade na economia e um desajuste de preos entre produtores e consumidores. Numa crise, o consumidor tende a substituir o produto A, mais caro, pelo produto B, mais barato, maximizando sua utilidade, que como chamamos essa dinmica em microeconomia, explica.
Conforme Cittadin, neste cenrio, as estratgias mais utilizadas pelos comerciantes so liquidaes, promoes e condies especiais de pagamento. O consumidor est sempre disposto a gastar, desde que o preo, no seu entender, seja o correto e, em tempos de crise e crdito baixo, mais barato. Para o comrcio essa iniciativa especialmente importante com a proximidade do Natal. Haver menor disposio de gastar por parte dos consumidores, portanto os comerciantes precisam ficar atentos s preferncias de seus clientes e investir pesado em promoes, ressalta.
O economista acredita que existem oportunidades em meio crise. Em nosso mercado regional, muito mais modesto, o segredo para esses comerciantes detectar as preferncias dos consumidores e praticarem preos que eles estejam dispostos a pagar, pois mais que o desemprego alto, o medo de perder o emprego que tem travado o consumo, afirma.

CENRIO DA INDSTRIA DIFERENTE
O caso da indstria analisado de forma diferente pelo economista Ismael Cittadin. Para ele, Santa Catarina est terminando um ciclo de investimentos que deixa o Estado melhor posicionado na crise com um crescimento do PIB catarinense estimado em 1,6% para este ano.
Por isso vemos na regio novos imveis industriais e outros investimentos. Este o momento de utilizar o caixa economizado durante os anos de bonana at atravessarmos os prximos dois anos que sero, na minha opinio, bem difceis, conta.
Cittadin acredita que as barreiras a serem vencidas pelos empresrios so apresentar preos que os clientes tenham condies de pagar e verificar as preferncias. Sei que com nossa estrutura de custos e carga tributria imensa existe pouca margem para diminuir preos para a maioria dos negcios, ento preciso tornar seu produto atrativo para o cliente, salienta.
Investir no mercado de capitais tambm uma opo para empresrios e trabalhadores. Com pouco capital e a assessoria correta possvel ganhar muito dinheiro no mercado de capitais, uma vez que h ttulos com alto potencial de remunerao, alm dos prprios ttulos da dvida pblica brasileira, historicamente o ativo mais seguro do mercado financeiro nacional, acrescenta.
Devido ao alto custo da demisso no Brasil, este recurso o ltimo a ser utilizado pelas empresas, de acordo com o economista. Ele acredita que o Plano de Proteo ao Emprego (PPE) pode ser uma sada. Infelizmente uma crise s crise quando acarreta sofrimento na sociedade. A afirmao pode ser tautolgica, mas o espelho da realidade. O PPE permite, mediante acordo com os trabalhadores, o corte de at 30% da jornada de trabalho e reduo correspondente do salrio, pontua.
Para o trabalhador desempregado, Cittadin garante que a soluo enxergar o ocorrido como uma oportunidade para se reinventar e, talvez, comear o prprio negcio. Empreender sempre uma boa sada, finaliza.

COMRCIO: REESTRUTURAO, PROMOES E AMPLIAO DE SERVIOS ATRAEM CONSUMIDORES

A unidade do Althoff Supermercados em Urussanga recebeu melhorias e apresentou uma nova reestruturao aos consumidores. A empresa investiu na reforma da fachada e em placas indicativas no interior da edificao, atraindo a ateno dos clientes. A obra se tornou fundamental para nossa empresa, apresentando um diferencial aos nossos clientes com o intuito de melhor servi-los. Apostamos muito neste momento de crise, pois se cada um fizer um pouquinho, o fardo no ser to pesado. Os benefcios j esto aparecendo. Apesar do mau momento da economia, as vendas cresceram e os clientes que visitaram a nossa loja esto se sentindo valorizados. Eles elogiam a loja por ter ficado mais ampla para a comodidade deles, comenta o gerente Dilnei Scremin Sebastio.
A loja de calados Talism tambm apostou na inovao. A unidade de Urussanga mudou de endereo e apresentou um espao mais amplo e com conforto para os clientes. A proprietria afirma que a organizao financeira para este momento de transio iniciou h dois anos. A medida resultou na conquista de novos clientes, no aumento das vendas e trouxe mais visibilidade loja. Alm disso, a empresa optou por oferecer diferenciais aos consumidores: promoes e facilidade no credirio. Com planejamento foi possvel executar e finalizar este sonho da empresa para os clientes. Esta ousada medida ajudou no movimento e atraiu os consumidores. A resposta foi muito positiva. Estamos facilitando o credirio e mantendo promoes. So aes que visam driblar a crise. Este o momento de trabalhar o dobro para manter nossos clientes, frisa a proprietria da Talism de Urussanga, Taize Dagostin.
Segundo o economista Ismael Cittadin, a inovao significa um salto e tanto em meio a uma crise. O prprio crescimento sustentvel de uma economia capitalista advm da inovao em processos produtivos, organizao industrial, transporte e bens de consumo, j diria Schumpeter, um economista austraco do sculo XX, pontua.
A chocolateria Flor de Cacau transferiu a loja para um novo espao e decidiu ampliar os servios e horrios para atrair os consumidores. O empreendimento deixou de oferecer apenas chocolates em barras e trufas e incrementou o negcio com a venda de pratos e bebidas. Com a mudana, a chocolateria precisou estender o horrio e atender depois das 18 horas e nos finais de semana. Nosso mercado sazonal. Portanto era necessrio encontrar alternativas para ter um faturamento contnuo, j que as contas fixas no so sazonais. Ento estamos servindo no estilo chocolateria para ter um movimento mais contnuo no estabelecimento. Os clientes gostaram e as vendas aumentaram, especialmente as de trufas e bombons avulsos e presentes de chocolate. A mudana trouxe muitas melhorias na estrutura e no processo de fabricar e servir. Desta forma vamos nos mantendo no mercado. Em pocas de crise… Crie, finaliza a scio-proprietria da Flor de Cacau, Thaise De Jesus Nichele.

EMPRESAS APOSTAM EM NOVOS PROJETOS PARA CONSOLIDAO E EXPANSO NO MERCADO

O momento de instabilidade faz com que as empresas mudem seus caminhos e suas metas traadas para este ano e iniciem o planejamento para 2016. Para permitir a continuidade do processo e motivar seus clientes, a empresa AMD Mquinas e Equipamentos, localizada no bairro So Pedro, decidiu optar por uma sada concreta, porm arriscada. Os empresrios e irmos Dcio e Arnildo da Silva apostaram no financiamento para clientes com recursos prprios da empresa.
Devido incerteza do mercado optamos por outro caminho. Nos ltimos seis anos nossas vendas foram feitas via FINAME, do BNDES, mas tivemos um imprevisto com a reduo desta modalidade de crdito. O Governo Federal diz que tem, mas impe muitas barreiras para dificultar ao nosso cliente. A sada adotada foi financiarmos nosso cliente. Esta medida impediu demisses e fez com que toda produo feita para 2015 fosse vendida. Foi uma alternativa para incentivar nosso cliente a ficar mais otimista. Para 2016 no pretendemos financiar mais, pelo menos at o momento. muito arriscado agir desta forma na hora em que voc deveria estar guardando, explica Arnildo.
Os empresrios afirmam ter pssimas previses para 2016 e acreditam que a crise vai eliminar em torno de 25% de empresas que j estavam com problemas. Segundo Dcio, a gesto colhe o que plantou. Sabemos que temos que trabalhar muito mais. Felizmente a medida impediu – at o momento – demisses na empresa, que possui mais de 40 funcionrios de carreira entre tcnicos e engenheiros devido atuao da AMD no mercado de tecnologia. O atual cenrio econmico estimulou a empresa a trabalhar com ainda mais intensidade em novos projetos de mquinas e solues para o mercado de descartveis. Toda economia traz dificuldade, mas tambm modelo de possibilidades. Este momento faz apostar e apresentar aos clientes projetos que melhorem o seu custo de produo, pontua Dcio.
Segundo o economista Ismael Cittadin, da empresa Economtrica, a criao de demanda por um novo produto um mtodo infalvel para gerar receita. Os gigantes internacionais tem isso como prtica de negcios, especialmente os do setor de alta tecnologia. Por exemplo, enquanto todas as outras montadoras do pas passam dificuldade, Toyota e Honda, lderes em inovao no mercado e obcecadas com a satisfao do consumidor, parecem surfar na crise. A Honda est investindo 1 bilho em uma segunda planta produtiva no pas e a Toyota em uma nova fbrica de motores. Tomadas as devidas propores, seu modelo de negcios pode ser aplicado pelos empresrios locais. Ele foca em poucos produtos e em baixos volumes, com incrementos graduais, para poder garantir os elevados nveis de qualidade e eficincia e tambm enfrentar as oscilaes do mercado. Alm disso, prezam por uma estrutura eficiente de custos e boas relaes de longo prazo com revendedores e principais fornecedores, relata.
A empresa Firminio Especialidades Qumicas tambm enfrenta a crise econmica no pas com o desenvolvimento de novos projetos. Nos ltimos meses, a empresa expandiu os negcios nacionalmente e gerou emprego e renda para dezenas de vendedores. Alm disso, a Firminio lanou o produto concentrado multiuso Limpa & Brilha. Os novos projetos trazem sustentao financeira e so voltados para a gesto de pessoas, pois no basta focar s em ganhos e lucros. O produto Limpa & Brilha vem de encontro com uma necessidade do mercado. Ele oferece mais eficincia com menos custo. O consumidor consegue fazer toda a sua limpeza com um nico produto. Por isso faremos com que esta crise seja o alicerce da vitria de muitos, frisa o Diretor Comercial da Firminio Especialidades Qumicas, Edson Silva.

CRISE PODE SE MANTER POR DOIS ANOS

O economista Ismael Cittadin acredita que a crise econmica no Brasil pode se arrastar de um a dois anos. A ltima pesquisa Focus, do Banco Central, estima uma queda do PIB de 3% neste ano e 1,22% em 2016. J o banco BTG Pactual estima a queda deste ano em 3,1%. Na minha opinio ser em torno de 3,25% neste ano e 1,5 ou 1,6% ano que vem. Pelo lado da dvida a situao pior. No conseguimos manter nossas despesas correntes e pagar juros e amortizao da dvida pblica ao mesmo tempo, o que obriga o governo federal a contrair mais dvida em condies cada vez mais deterioradas (pagando prmio de risco e juros mais altos ao investidor), sem contar a dvida das estatais, especialmente a Petrobrs. Reestruturar a dvida levar de 5 a 10 anos, o que no impede que o resto da economia se recupere. Significa apenas que o governo ter de gastar menos, frisa.
Para o especialista da empresa Economtrica, parte da crise tem origem poltica. O crescimento desenfreado da dvida pblica tem origem em escolhas poltico-ideolgicas por parte dos formuladores de polticas pblicas. A paralisia do governo e a insegurana jurdica so em boa parte responsveis pelo estado de coisas. Caso a conjuntura poltica mude, com a substituio do atual governo por um que faa um pacto nacional e suprapartidrio para reestruturar nossa economia os prognsticos mudaro radicalmente e para melhor, comenta.
Cittadin afirma que o meio de amenizar os efeitos da crise enxugar o oramento. A conteno de gastos nesse momento deve ser feita da famlia at o governo federal. Substituir os produtos que compramos habitualmente por itens mais baratos um caminho. Outro modo desenvolver maneiras de economizar nas contas de gua, telefone e, principalmente de luz. Evitar tirar o carro da garagem se possvel fazer um trajeto a p ou de bicicleta tambm tem impacto, com o preo do combustvel aumentando constantemente. Outro fator importante se livrar de dvidas e absolutamente nunca dever no carto (400% de juro) e no cheque especial, que no fica muito atrs em termos de custo. A famlia ou indivduo bem posicionados em uma crise o que no tem dvidas relevantes. Esse arrocho ainda mais significativo no ambiente inflacionrio que nos encontramos, com o IPCA atingindo dois dgitos at o fim do ano. A inflao corri nossa renda e torna o clculo econmico mais difcil, finaliza.

O que plantar na horta domstica, na primavera?

Pode ser: gengibre e a batata-doce, consorciados
Gengibre: O gengibre uma planta herbcea, com raiz ramificada e carnosa, de cor amarela, com sabor picante e a parte area com folhas verdes-escuras (1 m de altura). uma raiz aromtica, muito usada em condimentos e, com bons teoresde niacina e ferro. O consumo pode ser in natura (pratos doces e salgados), em forma de balas, leo, p, em conserva ou cristais (pequenos pedaos desidratados). Feito com cachaa, acar e especiarias, o quento se distingue pelo sabor picante do gengibre, seu principal ingrediente. O ch de gengibre ajuda no tratamento contra gripe, tosse, resfriado e at ressaca. H locutores e cantores que mastigam pequenos pedaos de gengibre para cuidar bem da voz. Cultivo: O clima quente e mido (25 a 30C) favorece o cultivo. A estao das chuvas a indicada para iniciar o plantio (setembro a dezembro).So encontradas diversas variedades de gengibre que recebem nomes regionais com boa resistncia s doenas e pragas. O plantio feito com pedaos de razes (5 a 10 cm de comprimento), brotados. O solo ideal o argilo-arenoso, frtil e com boa drenagem. O plantio deve ser feito em sulcos (10 a 15 cm de profundidade) e com 20 cm entre as plantas e 2 m entre as linhas. As razes-sementes sadias devem ser distribudas ao longo dos sulcos posicionados, transversalmente, para que as novas brotaes, cresam perpendicularmente ao sulco.Recomenda-se 1,5kg/m2 de composto orgnico ou esterco de animais curtido, sendo aplicado antes da primeira amontoa ou chegamento de terra (90 dias) e antes da terceira amontoa (150 dias).Nos perodos de seca, o gengibre deve ser irrigado, evitando-se o excesso de umidade.O mato que cresce junto aos ps de gengibre, devem serem retiradas com cuidado para no danificar as razes. O ponto de colheita indicado pelo amarelecimento e secamento das folhas e brotos (7 a 10 meses aps o plantio. As razes so extradas da terra, com enxada ou enxado e lavadas cuidadosamente.
Batata-doce: Alm de ser de baixo custo de produo, rstica e de fcil cultivo, uma tima espcie para ser includa em esquemas de rotao e consorciao de culturas, pois protege rapidamente o solo no vero e possui grande capacidade de reciclar nutrientes (sistema radicular profundo). uma tima fonte de energia, minerais e vitaminas. Cultivo: Preferencialmente, deve-se utilizar solos leves, soltos e drenados. O plantio nas pocas de temperaturas mais elevadas (agosto a janeiro no litoral), no tolerando o frio, especialmente geadas. Para a produo de ramas (mudas), recomenda-se fazer um viveiro com o plantio de batatas, j brotadas, oriundas de plantas produtivas e sadias. As ramas selecionadas(8 a 10 entrens),devem ser retiradas de viveiros a partir de 60 at 90 dias aps o plantio. Por ser pouco exigente em nutrientes,quando em rotao ou consorciao, no precisa ser adubada.O excesso de matria orgnica no solo provoca crescimento exagerado da folhagem, reduzindo a produtividade e qualidade das razes. O plantio das ramas deve ser feito no alto do camalho (30 a 40 cm de altura) com o solo mido, preparado nas entrelinhas do gengibre; as ramas selecionadasso colocadas atravessadas, enterrando-se a ponta da rama (3 a 4 entrens), com 25 a 40cm entre plantas. As capinas devem ser feitas no incio do desenvolvimento da cultura (at 45 dias aps o plantio). Aps a capina refazer os camalhes, para evitar rachaduras do solo e assim, reduzir a entrada de insetos do solo e a formao de manchas nas razes devido insolao. A colheita feita com enxada, aps o corte das ramas, 4 a 5 meses aps o plantio. Deve-se evitar lavar as razes, porque prejudica a conservao e aumenta as perdas por doenas.O ideal escov-las para retirar a terra aderida.

ONG Raa arrecada mais de 6 mil reais com jantar beneficente

Mais de 300 pessoas prestigiaram o jantar beneficente da ONG Raa realizado no dia 10 de outubro, no Centro Comunitrio da Igreja Matriz de Urussanga. A paella de carnes brancas foi preparada pelo Chefe Motta e mais uma vez foi um sucesso.
O evento rendeu ONG o valor de R$ 6 mil que sero utilizados para pagar atendimentos j realizados aos animais de rua. Os procedimentos so contnuos. Sempre temos ocorrncias. Mas felizmente, cada vez mais vemos pessoas lutando pela causa dos animais, afirma o Presidente da ONG Raa, Braz Ciseski.
Ciseski explica que este resultado graas ao comprometimento de vrias pessoas. Em nome da ONG Raa, agradeo a colaborao de todos os voluntrios, as pessoas que compraram os ingressos e tambm as empresas Etagro, Coopercocal e Piato Doro. Alm de muitas pessoas que ajudam os animais mesmo no fazendo parte da da nossa ONG, frisa o Presidente. Para o incio de 2016, a diretoria da ONG j planeja realizar um pedgio para continuar pagando as despesas. Peo a compreenso da populao para que entendam que no podemos atender todos os casos do municpio, porque no recebemos verba do Governo, finaliza o presidente.

Chuva acima da mdia histrica esperada em novembro

O perodo chuvoso que vem sendo registrado desde o ms de setembro permanecer ainda no prximo ms. Somente em outubro, em Urussanga, j choveu 180 milmetros, que corresponde a 38% acima da mdia histrica (130 mm).
Segundo o Meteorologista da Epagri de Urussanga, Mrcio Snego, as chuvas acima da mdia que ocorrem deste setembro so causadas pelo maior fluxo de umidade que vem do oceano Pacfico sobre a regio Sul do Brasil, norte da Argentina e Uruguai. Esta maior umidade provocada pelas guas mais quentes do oceano Pacfico na linha do Equador, ao que se denomina fenmeno El Nio. Em anos de El Nio, o Sul do Brasil tem invernos mais quentes e primaveras mais chuvosas, explica.
Historicamente, novembro o ms com mais falta de chuvas durante o ano, porm, neste ano, ser o inverso. A regio no ter problema de estiagem em novembro, mas excesso de chuva. Espera-se um novembro com chuvas acima da mdia histrica dos 130 mm de precipitao. Cinco em cada dez anos tem falta de chuva em novembro, comprometendo lavouras como a do milho, fumo, hortalias e pastagens. Em anos como este, de El Nio, costuma chover bem em novembro, e at acima da mdia histrica, observa o Meteorologista.
J com relao s temperaturas, somente em dezembro se estabelecer temperaturas mais altas. Em novembro, haver ainda noites mais frias para a poca do ano.
As previses indicam maior sequncia de dias com tempo bom em novembro, comparado com outubro. Ento, apesar da boa quantidade de chuvas em novembro, o ms ter mais sol do que est tendo o ms de outubro, revela Snego.

Agricultura um dos setores mais afetados com as chuvas

As donas de casa, praticantes de esportes, proprietrios de construes civis, agricultores e entre outros setores, j esto sendo afetados pelas fortes chuvas deste ms. Mas em novembro, o clima chuvoso continuar preocupando ainda mais a agricultura, setor que depende do desenvolvimento das plantas para garantir a renda. A Engenheira Agrnoma, Helosa Angelo afirma que todos os cultivos esto sendo afetados pelas chuvas. O fumo reduziu a qualidade. J o milho est com o plantio atrasado porque a terra est muito molhada. Os agricultores no tm condies de plantar com tanta chuva, comenta. So muitos os prejuzos com a falta de dias ensolarados. As plantaes que esto em desenvolvimento, sofrem com as pragas, que so mais difceis de serem controladas. Quando um agricultor passa um agrotxico em uma plantao e no dia seguinte chove, toda preveno contra pragas lavada. Tambm adubar os cultivos se torna mais complicado, afirma Helosa.

Sade: Parceria resulta em servios para a populao

O sbado foi de servios para a populao de Urussanga no Centro Comunitrio da Igreja Matriz. Resultado de uma parceria entre a Secretaria de Sade e a Igreja Adventista do Stimo Dia, a Expo Sade ofereceu teste de glicemia, medio arterial, teste de forma fsica massagem e aferio da idade biolgica.
O evento seria na Praa Anita Garibaldi, mas, em funo do mau tempo, foi transferido para o Centro Comunitrio. Mesmo assim foi muito bom e as pessoas compareceram. a primeira vez que o evento foi realizado em Urussanga e deu tudo certo. Recebemos pedidos para fazer mais vezes, relatou o pastor Jefferson Santos.
Pela manh, a ONG Amigas do Peito ainda promoveu uma caminhada pela cidade, com o objetivo de chamar a ateno para a causa. A programao do Outubro Rosa segue at a semana que vem, com os postos de sade atendendo em horrio especial. A cada ano percebemos que cresce a conscincia das mulheres para a preveno e o diagnstico precoce do cncer de mama. Vamos continuar com o nosso trabalho de conscientizao sempre, afirma a secretria municipal de Sade, Maringela Dal B Lapolli.

Debosmo vs. Natal sem Dilma

Surgiu na internet uma nova corrente filosfica chamada debosmo. Seu smbolo o bicho preguia. Ser debosta significa estar de boa e, segundo os adeptos desta filosofia, a crise apenas o estado psicolgico das pessoas pobres de esprito, odientas e intolerantes. Para os debostas, ao invs de fazer passeatas ou reclamar de corrupo no Facebook, deveramos dedicar-nos a coisas mais teis, como realizar trabalhos voluntrios ou regar flores. Nada mais fora de ocasio do que o debosmo. O momento exige o contrrio. Exige indignao.
Tambm na internet surgiu a campanha Natal sem Dilma. Trata-se do extremo oposto do debosmo. Segundo seus organizadores, se quisermos passar o Natal sem ver na Presidncia uma saudadora de mandioca, no podemos ficar de boa. Temos de espernear, gritar, reclamar mesmo, fazer tudo o que for possvel para que, o quanto antes, ela caia, abrindo alguma perspectiva para a superao da crise, que de fato existe. O debosmo apenas o discurso acomodatcio daqueles que ainda conseguem defender o governo. Nada mais que isso.
No sejamos debostas. Incomodemos! Para isso, podemos publicar desabafos nas redes sociais, cobrar dos polticos prximos a ns que assumam posio pelo impeachment, participar das manifestaes de rua que vm ocorrendo regularmente, mandar e-mails aos parlamentares. Os debostas, pessoas do bem que so, diro que isto ser golpista, analfabeto poltico, fazer parte de uma turba raivosa e obtusa. Que digam! No importa nem um pouco. Por um Natal sem Dilma, faamos barulho. Muito barulho. Perturbemos at no mais poder!
Sim, eu tenho momentos debostas. Assisto Galinha Pintadinha com minha filha, jogo futebol com meus amigos, fao churrasco e bebo cerveja. Mas tudo no seu tempo. Ficar s de boa, justo agora, preguia; acusar quem reclama de estar praticando um discurso de dio cinismo. Vai ser muito difcil passarmos uma Natal sem Dilma, temos de reconhecer. Mesmo assim preciso trabalhar contra o debosmo governista, esta filosofia dos bonzinhos. preciso gritar e no temer os rtulos. Quem sabe assim tenhamos um Natal sem Dilma antes de 2019.

PMDB de Urussanga realiza conveno neste sbado

O Partido do Movimento Democrtico Brasileiro (PMDB) de Urussanga promove neste sbado, dia 24, a conveno municipal no Salo de Festas da Igreja Nossa Senhora do Campo, na Linha Rio Maior, das 9 s 12 horas. Na oportunidade, os filiados iro eleger o diretrio municipal com o novo presidente, membros e suplentes, alm de escolher dois delegados e suplentes para a conveno estadual, membros da Comisso de tica e Disciplina e suplentes e membros da Comisso Executiva e Conselho Fiscal e seus suplentes. Novos filiados tambm iro assinar suas fichas.
Aps dois anos a frente do partido na cidade, Stevan Arcari deixa a presidncia e avalia como positiva a atuao do PMDB nos ltimos meses. Foi um perodo de bom aprendizado para ver na prtica algo que eu s conhecia na teoria. Conseguimos mostrar para as pessoas o quanto importante valorizar os princpios partidrios. Nosso objetivo era trabalhar mais a relao entre militncia e o diretrio com o intuito de intensificar as conversas entre as partes. Timidamente conseguimos atuar neste sentido promovendo uma evoluo, que dever continuar com a prxima executiva. Em alguns pontos fomos eficientes e percebemos tambm entraves que sero trabalhados agora a nvel regional, visto que fui nomeado coordenador regional da juventude PMDB na AMREC h dois meses e talvez deva atuar tambm na fundao Ulisses Guimares, rgo de pensamento poltico pmdbistas, frisa.
Segundo Arcari, atualmente o PMDB possui 800 filiados e apresenta neste final de semana mais de 100 novos integrantes frutos da atuao de diversas lideranas do partido no municpio. Desta forma o partido tambm inicia a preparao e o planejamento para as eleies municipais no prximo ano.
Nos ltimos anos o PMDB de Urussanga priorizou como foco a gesto do prefeito Johnny e no trabalhar o assunto eleio municipal. At para no misturar administrao com eleio. Nos ltimos trs meses foi trabalhada a estrutura do partido, mas as decises em relao ao pleito sero feitas pela prxima executiva. A vinda de Eduardo Moreira a Urussanga nos ltimos mesmo foi protocolar e muito importante no sentido de relembrar que o projeto do partido maior que projetos pessoais. Os membros continuam buscando seu espao e isso importante, pois o PMDB um partido marcado por ter sempre mais que um nome vivel a candidatura, comenta.
DESFILIAES E NOVOS NOMES
A sada do vereador Joo Batista Bom, o Tita, do PMDB, foi uma das desfiliaes registradas pelo partido nos ltimos meses.
O caso da sada do Tita muda a nominata de vereadores. Ela abre uma oportunidade no territrio onde ele tinha certo domnio e eram os tradicionais votos do partido no centro da cidade. Isso deixou vrios filiados interessados e por isso sua vaga nesta localidade pode ser ocupada por mais de um. Foi uma situao desagradvel e difcil de ser trabalhada dentro do partido, mas precisou ser enfrentada. Tivemos alguns casos de desfiliaes de algumas pessoas que saram, mas que continuam como simpatizantes. A maioria foi por motivos pontuais e por no concordar com certas decises. Nenhum grupo partidrio gosta de perder filiados, salienta. Conforme o presidente, a apresentao de novas filiaes na conveno municipal ir mostrar que o PMDB continua forte.

NOVO PRESIDENTE

Conforme Stevan Arcaria, a candidatura do ex-prefeito e ex-deputado Vanderlei Rosso a presidncia do PMDB de Urussanga traz segurana ao partido e no interrompe o projeto de renovao e da juventude. Vivemos um momento complicado da poltica em nosso pas e esta questo tambm reflete no municpio. um momento em que a liderana trabalha ensinando. Por isso o nome de Vanderlei traz mais segurana ao filiado e a expectativa de que a experincia faz a diferena. De nenhum modo ele interrompe o projeto de inovao ou da juventude, visto que o PMDB tem um diretrio prprio da juventude que voltar s atividades. A juventude atua com seu prprio espao, finaliza.

Mais de 1,5 mil pessoas prestigiam XXI Urussanga Skate Park

O ltimo final de semana foi agitado no Parque Municipal de Urussanga. O bowl que fica localizado no Parque, foi palco de skatistas famosas de todo o Brasil, que participaram do XXI Urussanga Skate Park, X Taa Kau Damiani.
Mais de 50 participantes de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paran, Rio de Janeiro e So Paulo participaram de quatro categorias durante os dias 10 e 11 de outubro. Ficamos preocupados porque o evento foi fora das festas tradicionais de Urussanga, mas mesmo com um tempo nublado, mais de 1,5 mil pessoas prestigiaram. Ficamos muito satisfeitos com a participao do pblico e dos skatistas, afirma um dos organizadores do evento, Marco Fontanella.
At o 6 lugar, os skatistas foram premiados com um trofu patrocinados pelos apoiadores do evento. No domingo, houve apresentao de skatistas profissionais, dentre eles Pedro Barros, Skatista Campeo Mundial por cinco vezes.
O pblico vibrou com a participao do Pedro, observa Fontanella.
Para proteger a pista da chuva, o espao foi totalmente coberto. As bandas Pause, N13, Revolver, Bullet Bane animaram a competio. Pretendemos realizar mais vezes este evento que j tradicional no Brasil, finaliza Fontanella.

Confira os resultados em cada categoria:

Feminina
1 Yndiara Asp – Florianpolis
2 Isadora Pacheco – Florianpolis
3 Taiara Daros – Morro Da Fumaa
4 Anthonia Arangues – Porto Alegre (RS)

Mirim
1 Gustavo Picaski – Imbituba
2 Bernardo Pacheco – Tubaro
3 Bernardo Fraga – Porto Alegre
4 Arthur Arruda – Florianpolis
5 Vinicius Kothe – Florianpolis
6 Arthur Agostini – Porto Alegre

Iniciante
1 Vicenzo Damsio – Garopaba
2 Pedro Carvalho – Florianpolis
3 Ian Poleto – Florianpolis
4 Gabriel Penteado – Florianpolis
5 Ariel Pilar – Florianpolis
6 Joo Jes – Curitiba (PR)

Amador
1 Iago Magalhes – Curitiba
2 Hericles Fagundes – Florianpolis
3 Mikael Dos Passos – Florianpolis
4 Augusto Akio – Curitiba
5 Miguel Oliveira – Curitiba
6 Joo Vitor Silva – Florianpolis

Mveis Prola: ex-colaboradores aguardam para receber indenizaes

A esperana de receber seus direitos como trabalhador ainda mantida na vida de Srgio De Medeiros. Ele dedicou 23 anos prestando servios empresa Mveis Prola, entre 1984 e janeiro de 2007. O funcionrio trabalhou at o ltimo dia no setor de exportao e acompanhou o fechamento do empreendimento.
H oito anos, Srgio uma das centenas de ex-colaboradores da empresa que aguardam para receber as indenizaes atravs de um processo judicial. Na poca recebi metade do meu valor referente resciso e fundo de garantia, mas ainda tenho mais de R$ 20 mil, sem correo, para ganhar. Continuamos aguardando pelo final desta histria. Disseram que at o final deste ano iremos receber, comenta.
O processo envolvendo a empresa Mveis Prola iniciou como Concordata Preventiva em maio de 2000, quando a empresa pedia o parcelamento dos crditos devidos para se manter em funcionamento. O no cumprimento das obrigaes assumidas resultou na resciso da concordata. Por isso, a empresa foi decretada a falncia em agosto de 2010, quando a mesma j no tinha nenhuma atividade industrial.
Agora, segundo a Promotoria de Justia da Comarca de Urussanga, o processo uma execuo coletiva que visa arrecadar os bens da empresa falida para uma venda judicial forada com a distribuio proporcional entre os credores. No ms de maio deste ano, a maior parte dos bens foi transferida atravs de leilo pblico. Os bens foram arrematados pelo valor de R$ 1.450.000,00 pela empresa OBF Construes.
Com a venda completa dos bens ser concluda a organizao do passivo, publicando-se editais para conhecimento de todos. Esta etapa ser feita assim que pudermos pegar o processo e fazer os levantamentos de todas as informaes, explica o advogado Agenor Daufenbach Jnior, da Gladius Consultoria, empresa nomeada pela juza como administradora judicial, cargo previsto na Lei para auxiliar o juiz na conduo do processo, organizando o ativo e o passivo da empresa. Conforme a juza da 1 Vara da Comarca de Urussanga, Karen Guollo, no houve ainda a consolidao do quadro geral de credores, que apenas ocorre aps a verificao de todo o passivo.

VALOR EST NO TRIBUNAL DE JUSTIA

Segundo o profissional da Gladius Consultoria, o valor oriundo do leilo est depositado junto ao Tribunal de Justia de Santa Catarina, vinculado ao processo de falncia, sob ordem da Juza. De acordo com a juza Karen Guollo, na subconta vinculada ao processo da falncia o valor rende juros e correo de uma aplicao.
O advogado Agenor Daufenbach Jnior afirma que o repasse aos credores depende agora de outras etapas processuais. Estas etapas sero iniciadas por nossa empresa com a Relao de Credores. Aps publicada, caso no existam oposio de terceiros (outros credores que desejam ser includos ou de credores que desejam ver seus crditos alterados), que iniciam os pagamentos, por ordem exclusiva da Juza que conduz o processo. Continuamos trabalhando de acordo com o andamento processual, pois necessitamos sempre exaurir uma etapa para iniciar a outra. At o momento cumprimos nossas responsabilidades processuais nos prazos legais, ressalta.

SEM PREVISO PARA
PAGAMENTOS
Apesar do valor j estar assegurado, a Juza de Direito da 1 Vara da Comarca de Urussanga, Karen Guollo, salienta que no possvel fazer uma previso de data exata para os pagamentos dos ex-funcionrios.
Esta etapa depende do andamento processual. Ainda necessria a consolidao do quadro geral de credores e sua publicao. Aps, e, inexistindo oposio de terceiro, que tem incio a fase de pagamento aos credores. Ainda, as importncias recebidas sero destinadas ao pagamento dos credores, atendendo classificao prevista no art. 83 da Lei 11.101/2005 (credores trabalhistas, credores com garantia real, fisco, quirografrios, etc). Somente depois ser realizado o pagamento dos crditos extraconcursais, finaliza.

Jornada Cientfica e tecnolgica do CMG abre na prxima quarta-feira os de pesquisa acadmica e mesas redondas para empresrios

O Colgio Maximiliano Gaidzinski (CMG) ir realizar de 21 a 23 de outubro a sua Jornada de Iniciao Cientfica e Tecnolgica que ir contar com 36 trabalhos de pesquisa acadmica dos cursos tcnicos em cermica e eletromecnica e ensino mdio.
As pesquisas trazem resultados inovadores e prticos. Uma prova de que o aluno pode e deve ser estimulado para o desenvolvimento da prtica cientfica.
Paralelo ao evento tambm acontecer o II Workshop de NR12 que ter como tema Segurana no trabalho em mquinas e equipamentos na indstria e ser ministrado pelo engenheiro do Sebrae, Jos Daniel Rabello. Alm disso, outros temas sero discutidos por meio de palestras e mesas redondas, entre eles a Eficincia Energtica na Indstria (cermica vermelha) e a Eficincia Energtica em Motores Eltricos que tero como palestrantes os consultores tcnicos da ANICER e WEG, Wagner Oliveira e Fernando Luiz Spengler, respectivamente.
Alm de tecnologia e cincia, a Jornada ir ainda falar de como atrair o sucesso com eficincia com a palestra de abertura com o jornalista Luiz Carlos Prates. Ela acontecer na prxima quarta-feira (21), s 19h30, no salo paroquial da igreja matriz, com entrada gratuita. No local estaro concentradas todas as atividades do evento.
Para a Diretora da Instituio, Jordana De Fveri a Jornada Tecnolgica Cientfica a culminncia dos projetos desenvolvidos pelos alunos, bem como, a apresentao e integrao de temas afins no meio educacional, social ou empresarial. A nossa proposta apresentar e integrar os vrios conhecimentos, sejam eles cientficos ou tecnolgicos, atendendo a uma demanda e discusso das questes energticas, das normas reguladoras e, principalmente, da postura consciente frente s adversidades. Promover esta integrao entre os vrios saberes a grande chave para a evoluo da educao e de uma sociedade mais participativa, destaca.
A Jornada do CMG integra a 17 Semana de Iniciao Tecnolgica e Cientfica (SITC) e a 3 Mostra Maximiliano Gaidzinski de Iniciao Cientfica. O evento visa apresentar as novidades, principalmente na rea tcnica em cermica e eletromecnica e pesquisas em diversas reas do conhecimento do ensino mdio, buscando sempre o aprimoramento dos temas, processos e propriedades do produto final.
O evento aberto para toda a comunidade e reunir milhares de profissionais, estudantes e comunidade em geral que acompanharo os resultados dos trabalhos desenvolvidos na teoria e na prtica desde o incio deste ano.

Estudo demonstra importncia de dieta balanceada

Uma dieta alimentar adequada pode fazer a grande diferena para a sade dos seus ossos e influenciar na sua capacidade de viver uma vida plena, saudvel e livre de fraturas. Essa a principal concluso do estudo cientfico publicado pelos principais especialistas em sade ssea e nutrio no jornal Osteoporosis International.
As doenas relacionadas ao envelhecimento encarecem os sistemas de sade em todo o mundo. Este estudo demonstra como podemos alcanar o mximo do potencial de uma alimentao saudvel para prevenir o surgimento da osteoporose ao longo da vida , afirma o reumatologista e professor Cristiano Zerbini, membro do Conselho da Fundao Internacional deOsteoporose e diretor do Centro Paulista de Investigaes Clnicas e Coordenador do Ncleo de Reumatologia do Hospital Srio-Libans.
O Dia Mundial de Combate Osteoporose observado anualmente em 20 de outubro e marca o incio de um ano de campanha dedicada conscientizao global de preveno, diagnstico e tratamento da osteoporose e doenas musculoesquelticas relacionadas. Para Cyrus Cooper, professor e presidente do Comit de Assessores Cientficos da Fundao Internacional de Osteoporose(IOF), dietas saudveis e nveis adequados de vitamina D esto associados ao aumento da massa ssea no beb. O estudo demonstra o papel fundamental da nutrio no desenvolvimento de um esqueleto saudvel mesmo antes do nascimento,acrescenta
O estudo destaca a importncia da ingesto adequada de clcio, vitamina D , protenas e nutrientes traz as ltimas evidncias relativas s necessidades nutricionais de mes para o desenvolvimento e manuteno de uma estrutura ssea saudvel para mes, crianas, adultos e idosos, entre eles: A alimentao pobre em nutrientes preocupante principalmente entre as crianas. O leite e produtos lcteos so as principais fontes de clcio. Porm, nas ltimas dcadas, a diminuio do consumo de leite foi constatada em todo o mundo. J a insuficincia de vitamina D generalizada entre os jovens o que levou a recomendaes para suplementos de vitamina D para lactentes, crianas e jovens em vrios pases. Em adultos e idosos, a ingesto de clcio inferior aos nveis recomendados. Os baixos nveis de vitamina D atingem a populao mundial, incluindo a Amrica Latina. O estilo de vida, os nveis de massa corporal , o tabagismo e consumo excessivo de lcool podem aumentar as chances de fratura ssea para um nmero substancial de pessoas.

Expo Sade leva servios gratuitos praa

Este sbado promete ser de muita movimentao na Praa Anita Garibaldi, em Urussanga. A Igreja Adventista do Stimo Dia, em parceria com a Secretaria de Sade promovem a Expo Sade, das 8h30 s 12h30.
A populao vai contar com diversos servios gratuitamente, como teste de glicemia, medio arterial, massagem e aferio da idade biolgica. Estamos empolgados com este evento na cidade, e com a expectativa de que mais de 200 pessoas sejam beneficiadas ao visitarem, projeta o pastor Jefferson Santos.
Alm disso, a partir das 9h, a ONG Amigas do Peito vai promover uma caminhada saindo de frente do SUS, prximo ao Frum. O evento faz parte da programao do outubro rosa, da Secretaria de Sade de Urussanga.
Queremos que as mulheres realmente se conscientizem e previnam o cncer de mama, justifica a secretria, Maringela Dal B Lapolli.

Apae inicia campanha para construo de clnica

Uma obra que ir proporcionar melhores condies para a prestao de servios teraputicos aos alunos especiais da Apae comea a ganhar forma em Urussanga. Nesta semana, a Associao de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) da cidade, por meio da Escola Santa Rita de Cssia, iniciou os trabalhos para a construo da Clnica de Especialidades Teraputicas.
A nova edificao ter mais de 137 metros quadrados e visa oferecer um atendimento mais qualificado e adequado aos alunos, em parceria com o Sistema nico de Sade (SUS). Com o sistema do SUS temos que nos adequar as exigncias deles. E no espao fsico que temos hoje estamos inadequados. No local de atendimento eles exigem fraldrio, banheiro adaptado, pias para lavar as mos, sala de fisioterapia mais ampla com mais equipamentos. E infelizmente hoje nossa Apae no possui toda essa estrutura. Estamos funcionando porque eles sabem que existe este projeto e estamos fazendo essa mudana. Queremos nos adequar para no perder este importante convnio, explica a diretora da escola, Silvana De Bona.
Atualmente a Apae est executando a primeira etapa do projeto atravs de uma doao no valor de R$ 35 mil feita pelo Frum da Comarca de Urussanga. Paralelo ao incio da obra, a entidade iniciou uma campanha e encaminhou uma relao dos materiais necessrios para a obra s empresas Mariot Damian, Furlan e Pilar. Os itens consistem em areia, brita, concreto, ao, arame, pregos, entre outros. Interessados em ajudar na construo da clnica da Apae de Urussanga podem comprar algum dos materiais e encaminhar a entidade.
Todo auxlio ser bem vindo. A Construtora Sacchet doou todos os tijolos e um casal ajudou com trs janelas. A empresa FCK fez o projeto sem custo. Logo abriremos uma conta no banco especfica para a obra e iremos divulgar para doaes em dinheiro tambm. Agradecemos o apoio de todos, frisa.

DETALHES DA OBRA
O valor estimado em R$ 209 mil e refere-se a servios preliminares, infraestrutura, supraestrutura, paredes, cobertura, reboco e contrapiso, esquadrias, instalaes eltricas, instalaes hidrossanitrias, revestimentos, pintura, vidros e servios complementares. O projeto consiste na construo de uma edificao com 137,24 metros quadrados e o prazo de entrega de 9 meses. A Clnica de Especialidades Teraputicas ir oferecer os servios de fisioterapia, terapia ocupacional, psicologia, assistncia social, fonoaudiologia e mdico psiquiatra.

Uma teologia sem Deus

Uma questo h tempos me aflige: preciso crer em Deus para desenvolver algum tipo de teologia? Ou, em outras palavras, possvel crer na Igreja sem antes acreditar em Deus? Penso que sim. Apesar de o ceticismo ter me envolvido ainda na adolescncia e de eu ter, durante algum tempo, praticado uma espcie de militncia ateia, hoje percebo que abrir mo do Sagrado significa abrir mo da prpria humanidade. O que nos diferencia dos outros animais a busca pela transcendncia. Abandon-la animalizar-se, vulgarizar-se.
Vamos em frente. possvel seguir o primeiro mandamento, que orienta amar a Deus sobre todas as coisas, sem ao menos crer? Sim, possvel! Basta ter boa vontade ao interpret-lo. Ele um alerta contra a idolatria, um aviso sobre nossa insuficincia diante dos mistrios da vida. uma sugesto de humildade. Acho engraado ver cticos desprezando Deus e ao mesmo tempo idolatrando o Estado, a Poltica ou a Cincia. No reconhecem a sabedoria dos povos antigos, preferem exaltar a sua prpria. a idolatria de si mesmo.
Todas as grandes obras humanas so tentativas de elevao do esprito. A verdadeira arte, por exemplo, flerta com o Sagrado, porque representa um esforo para afastar-nos das atribulaes cotidianas e refugiar-nos na beleza da contemplao. A verdadeira religio oferece o mesmo: um abrigo contra a banalidade da vida, um consolo para nossa natureza precria e cheia de vcios. Ser ateu no problema. O problema orgulhar-se disso e acreditar que o atesmo contm mais conhecimento que a f. No, no contm.
Esta coluna poltica, no teolgica. Eu sei disso. Sei, tambm, que poltica e religio no devem ser misturadas. Porm, a falta de alguma teologia (ainda que descrente) na vida dos indivduos tem afetado a convivncia social. Vivemos numa poca em que a autoindulgncia bem mais praticada que a autocrtica, uma poca que a fruio do prazer e do poder o objetivo central. Estamos dispostos a amar apenas a ns mesmos e aos nossos feitos. Esquecemos que Deus o Eterno, e que nosso barulho transitrio no faz sentido algum.

Prefeitura de Urussanga toma medidas para reduo de gastos

A crise poltica que afeta o Brasil tambm reflete principalmente nos cofres pblicos. A preocupao com as finanas municipais chegou Prefeitura de Urussanga e parece estar longe de acabar. A alta da inflao e a diminuio do repasse mensal aos municpios afetam os servios e as despesas no acompanham a atual arrecadao. O momento de cautela e de reduo de gastos.
Conforme dados disponibilizados no Tribunal de Contas de Santa Catarina, at junho deste ano, a Prefeitura de Urussanga teve uma receita corrente lquida de R$ 27 milhes, enquanto sua despesa foi de mais de R$ 44 milhes, sendo que R$ 15,8 milhes foram destinados a despesas com pessoal.
Em 2014, a receita do municpio foi de R$ 50,5 milhes, enquanto sua despesa atingiu R$ 57,5 milhes e as despesas com pessoal somaram R$ 26,9 milhes. J em 2013, a receita de Urussanga resultou em R$ 44,7 milhes, as despesas chegaram a R$ 46,8 milhes e os gastos com pessoal atingiram R$ 24 milhes. Ou seja, a receita cobre a despesa sem sobras para aplicao em investimentos no municpio.
Em entrevista exclusiva ao Jornal Vanguarda, o prefeito de Urussanga, Johnny Felippe, informou como o Poder Pblico est enfrentando a crise e quais medidas esto sendo tomadas para que a Prefeitura mantenha as contas em dia. Confira a entrevista:

JV: De que forma os impactos da crise no pas esto afetando a Prefeitura de Urussanga?
Prefeito: Estamos arrecadando muito menos do que no ano passado. A conta de energia da iluminao pblica subiu mais de 70% em um ano, com o mesmo consumo. As transferncias constitucionais do Estado e da Unio caram 6,5% em relao ao ano passado, considerando a inflao. S com isso j foram quase R$ 2 milhes a menos entre janeiro e setembro.

JV: Como o Poder Pblico est enfrentando esta situao?
Prefeito: Enxugando ao mximo, fortalecendo parcerias com a iniciativa privada e trabalhando com prioridades. Com exceo de Cricima, Urussanga hoje o municpio da AMREC com menos cargos comissionados proporcionalmente populao.

JV: Desde quando est tomando medidas e quais foram aplicadas?
Prefeito: Em janeiro e fevereiro j percebemos que este ano seria difcil e algumas medidas j foram adotadas imediatamente. Deixamos de contratar um secretrio para a pasta da Infraestrutura, reaproveitamos materiais para a decorao da praa na Pscoa, freamos despesas como publicidade e, com o apoio da Comisso Organizadora, conseguimos fazer uma tima Ritorno Alle Origini sem extrapolar nas despesas. Mas depois, no segundo semestre, a situao piorou de uma forma que nenhum prefeito previa. Ento tivemos que adotar medidas mais drsticas. A situao certamente estaria pior se no tivssemos feito aqueles cortes desde o comeo do ano.

JV: Ocorreram cortes de gastos? Em quais setores? O que foi cortado?
Prefeito: Ocorreram, sim. Em todos os setores, sem exceo. Meu salrio e o dos secretrios foram cortados em 20%. As gratificaes foram cortadas e as horas extras, proibidas, assim como as dirias. As secretarias de Agricultura e Obras vo ficar sem secretrio por tempo indeterminado depois que o Jucemar Sangaletti retornar Cmara. Os responsveis por esses setores sero diretores, cujos salrios so menores do que o de um secretrio. Os salrios dos professores das oficinas de cultura esto sendo pagos por empresas parceiras. Na Sade e na Educao, reas em que investimos quase 60% da arrecadao, estamos sendo muito cautelosos. Esto ocorrendo cortes, mas so muito bem analisados porque so setores essenciais.

JV: Quais as medidas previstas para os prximos meses? E se a crise permanecer no prximo ano, qual o planejamento da Prefeitura?
Prefeito: Na semana que vem ocorre a audincia pblica para definirmos o oramento de 2016. Vamos trabalhar com os ps no cho, concluir as obras que j temos em andamento e continuar aumentando a eficincia da mquina. Temos que corrigir algumas falhas histricas. Nos oito anos antes de assumirmos, a arrecadao subiu 117%, enquanto a folha de pagamento aumentou mais de 182%. Mas veja bem: at a crise tem um lado bom. Ela nos obriga a reduzir custos, estimula a nossa criatividade. Depois dela a mquina pblica estar muito mais eficiente.

JV: Sabemos que h muitos fornecedores apreensivos quanto a pagamento. A Prefeitura fechar o ano com a casa em dia?
Prefeito: Todos os nossos esforos so para isso. O Refis est possibilitando que os cidados quitem seus dbitos com o Municpio. Isso est colocando algum dinheiro em caixa e estamos pagando fornecedores.

JV: Qual a atual despesa e arrecadao da Prefeitura de Urussanga?
Prefeito: De janeiro a agosto, a receita corrente lquida por ms de aproximadamente R$ 4 milhes. Atualmente nossas despesas fixas como folha de pagamento, energia, combustvel e encargos j consomem todo esse montante. Precisamos reduzir as despesas. Nosso caixa precisa estar preparado para arcar com imprevistos, condenaes judiciais de aes antigas e, claro, para investimentos no municpio.

Buscando verdadeiramente a Deus: FIDELIDADE

Saudaes fraternas aos meus irmos e irms em Cristo e a todas as pessoas de boa vontade!
Se h uma coisa que muito agrada a Deus a experincia da fidelidade! Fidelidade uma palavra que est desgastada na cultura atual. Todavia no cessam os testemunhos de pessoas que so fieis as suas convices, as suas crenas, aos seus ideais, aos seus princpios, as suas promessas, aos valores que receberam na infncia, a personalidade amadurecida pela dor e pelas diversas dificuldade, enfim, aquilo que um dia prometeram no altar. Falar de fidelidade como um dos degraus para se buscar verdadeiramente a Deus falar de duas aes: fidelidade de Deus e fidelidade da parte humana. Da parte de Deus, fidelidade um atributo de sua revelao e do seu projeto, ou seja, ao se revelar para o ser humano Deus mostra-se fiel (isso encontramos em toda a Sagrada Escritura), principalmente, na Encarnao do seu Filho o Senhor Jesus. Jesus Cristo, o homem de Nazar, a total expresso da revelao, da fidelidade, do amor, da justia, da sabedoria e da misericrdia de Deus Pai. Da parte humana, a fidelidade a Deus se expressa, principalmente, pela capacidade de vencer as tentaes sobre tudo o que anti-Reino, vencer as tentaes sobre tudo aquilo que contrrio ao projeto de Deus, vencer as tentaes sobre o pecado!
Thomas Kempis, o escritor do livro A imitao de Cristo, do sc. XV, diz que no existe religio santa e lugar to secreto que no haja tentaes. Para ns que somos cristos, sempre importante termos presente:
1) No existe vida humana e vocao crist sem tentaes;
2) Ns criamos ocasies para o pecado e, por isso, preciso lutar. Santo Agostinho diz que Cristo venceu a tentao. Lembre-se que Ele venceu. Reconhea que voc um vencedor em Jesus Cristo.
3) H tentaes que eu mesmo posso provocar (sentidos, desejos…). H outras que eu no quero me afastar: evitar os lugares, situaes e pessoas que me levam a pecar. H uma grande diferente entre ser tentado (inerente) e consentir a tentao! Quanto mais voc tenta se aproximar da luz de Deus, mais o diabo quer trabalhar para vocse afastar, porm, Paulo aos Corntios afirma que nunca somos tentados alm das nossas foras (cf. 1Cor 10).
4)Alguns tipos de Tentao:
a) Desamor: cf. o Catecismo: falta de amor, no confiar no amor de Deus. Achar que a religio, a f limita a liberdade! interessante observar que o amor de Deus incondicional e infinito: no depende das nossas qualidades! b) Inveja e Cimes: turva a viso de Deus, no enxerga as maravilhas que Deus realiza na sua vida e por isso no admite que Deus faa coisas extraordinrias atravs da vida do outro ou de voc na vida de outras pessoas. O invejo algum doente que precisa de ajuda porque seno ele destri a comunidade. O maligno invejo, briguento, se alegra com a dor do outro, contrrio a verdade, a harmonia, a comunho! Na semana que vem, continuando esse caminho de busca a Deus, meditaremos sobre como o mal age em ns?
Quero lhes desejar um final de semana muito abenoado!
Parabns a todos os professores e professoras. Aos civilmente reconhecidos e aos formados na escola da vida. Um abrao fraterno!

15 de outubro: Dia do Professor e do Educador Ambiental

Neste dia comemorou-se no Brasil, o Dia do Professor. o dia em que celebra-se a importncia que esse profissional tem na vida de todos ns, na formao das pessoas enquanto profissionais e enquanto cidados. Alm disso, tambm comemorou-se o Dia do Educador Ambiental. Esse profissional prega atitudes coerentes para a harmoniosa relao entre ns e a natureza. O educador ambiental, tambm um professor e um farol para orientar a necessria mudana de comportamento do homem em relao natureza.
Educao ambiental aquela destinada a desenvolver nas pessoas conhecimentos, habilidades e atitudes voltadas para a preservao do meio ambiente. Os indivduos esto cada vez mais afastados da natureza, cada vez mais presos e envolvidos nos centros urbanos, que no param de crescer, se multiplicar e ocupar reas rurais. Neste novo cenrio, ambientes naturais so completamente estranhos s pessoas, que no se sentem como parte daquele meio; os valores de relao com a natureza perderam o sentido para a sociedade moderna e a distncia se tornou to grande que as pessoas no mais percebem como suas aes interferem no meio ambiente e como ele afeta suas vidas. Como resultado, surgem problemas como a poluio e a contaminao do ar, solo e gua; o desmatamento desenfreado; a caa esportiva, ilegal e irracional; e problemas maiores, como a ocorrncia de deslizamentos de solo, enchentes e furaces com a intensidade e em lugares nunca antes vistos.
A educao ambiental de responsabilidade da escola, dos meios de comunicao e tambm de toda a sociedade e, surgiu como resposta s necessidades que no estavam sendo plenamente atendidas pela educao formal tradicional. A educao ambiental deve estar presente dentro de todos os nveis educacionais, com o objetivo de atingir todos os alunos em fase escolar. Os professores podem desenvolver projetos ambientais e trabalhar com conceitos e conhecimentos voltados para a preservao ambiental e uso sustentvel dos recursos naturais. O Educador Ambiental atua diretamente com crianas, empresas e comunidades, no sentido de conscientiz-las da necessidade de uma mudana nas atitudes. A educao ambiental comea em casa,atinge a rua e a praa e engloba o bairro e toda a cidade. Trata-se de mudar o enfoque, ajudando a preservao da biodiversidade; reintroduzindo a vegetao onde for possvel; reduzindo a poluio causada pelas indstrias; produzindo alimentos sem agrotxicos e adubos qumicos; reduzindo o consumo, reaproveitando e reciclando os resduos slidos e no contaminando o solo, os rios, oceanos e lagos com lixo, alm de outras atitudes. Em nome das futuras geraes e do bem-estar do planeta preciso que a sociedade adote um modo de vida sustentvel que vise, simultaneamente, o crescimento econmico, o desenvolvimento social e a preservao da natureza.
Para finalizar gostaria de destacar a importncia da atuao do educador ambiental e convocar todos os cidados para aprenderem e ensinar a preservar o meio ambiente e assim serem exemplos para as futuras geraes.Para auxiliarmos na mudana de atitude devemos comear em casa, com a economia e reaproveitamento de gua, a reciclagem do lixo, o plantio de rvores e plantas. Se cada um fizer a sua parte, sem dvida, conquistaremos melhor qualidade de vida.
Gostaria de aproveitar e elogiar a educao ambiental desenvolvida pelas escolas de ensino fundamental de Urussanga, particularmente, as escolas Ncleo Rio Caet e Ernesto Czar Mariot, onde temos a oportunidade de complementar o timo trabalho dos professores e diretoras na conscientizao das crianas, atravs da conduo de hortas orgnicas e em diversas palestras sobre a necessidade de preservao do meio ambiente.

Parabns a todos os professores e educadores ambientais!

14 Dia das Crianas Feliz

Brincadeiras, pinturas, cama elstica e muita comida comemoraram o Dia das Crianas, em Urussanga. A 14 edio desta festa foi promovida pela Cmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Urussanga, no ltimo sbado, dia 10, com a parceria do LEO Clube Urussanga, Bombeiros Voluntrios, Wizard, Cirsures e o Departamento Municipal de Esportes (DME).
Cerca de 300 crianas prestigiaram as atividades oferecidas no Ginsio de Esportes Municipal. Espervamos mais crianas, porm, havia muita chuva e isto atrapalhou, mas, foi um bom evento onde muitas crianas aproveitaram as brincadeiras e se divertiram, afirma a Gestora Executiva da Cmara de Dirigentes Lojistas (CDL) Marinete Martins.
Durante a festa do Dia das Crianas, aconteceu tambm a Campanha de coleta de garrafas pets, que foi idealizada pela Federao das Cmaras de Dirigentes Lojistas de Santa Catarina (FCDL), para que os descartes das garrafas plsticas aconteam de forma correta. Estamos plantando a semente principalmente nas escolas, para a conscientizao das crianas do destino adequado do lixo reciclvel e quem sabe num futuro bem prximo no haver tanta poluio. No tivemos custos para realizar esta coleta e uma forma de ajudar o Meio Ambiente. Foi um sucesso e com certeza faremos mais vezes, observa Marinete.

Epagri promove 1 Seminrio Sul-Brasileiro sobre maracuj

Com o intuito de contribuir para a consolidao da cultura do maracuj, a Epagri de Urussanga est promovendo o 1 Seminrio Sul-Brasileiro sobre Maracujazeiro, na sede da Associao Empresarial de Cricima. O evento conta com diversos especialistas em fruticultura tropical de todo sul do Brasil.
A programao iniciou na quinta-feira, dia 15, abordando a situao e perspectivas da cultura, bem como, o planejamento e manejo do pomar. O seminrio segue nesta sexta-feira, dia 16, com temas como o melhoramento gentico, a comercializao do maracuj, a polinizao e o manejo integrado de pragas e doenas.
A realizao do 1 Seminrio Sul-Brasileiro sobre Maracujazeiro uma promoo da Epagri de Urussanga com o apoio financeiro da Fundao de Apoio Pesquisa Cientfica e Tecnolgica do Estado de Santa Catarina (FAPESC), empresa Plantar, Cooperativa Agropecuria de Jacinto Machado (Cooperja), Programa SC Rural e Associao Sul Catarinense de Engenheiros e Arquitetos (Ascea). Segundo o gerente da Epagri de Urussanga, Stevan Arcari, o maracuj catarinense muito valorizado no mercado nacional. Os produtores de Santa Catarina tm a fama de produzirem frutos de qualidade. Boa parte dessa fama se deve a qualidade do material gentico existente nas lavouras catarinenses, ressalta.
Conforme Arcari, o material do maracuj foi selecionado nos ltimos 20 anos em um trabalho coordenado e realizado na Epagri de Urussanga pelo pesquisador Ademar Brancher. Atualmente o pesquisador Henrique Petry conduz os experimentos com foco na qualidade do fruto.
A Epagri de Urussanga muito reconhecida neste setor, principalmente pelo trabalho dedicado na seleo do material que cultivado. Como todas as outras cadeias produtivas, esta ainda tem desafios a superar e a Epagri continua trabalhando para super-los. Buscamos a rentabilidade estvel atravs da produo de frutos de qualidade para que sejam bem aceitos pelo mercado consumidor, explica o gerente.
A produo principal do maracuj na regio o maracuj azedo amarelo, mas tambm existem trabalhos da Estao Experimental com materiais promissores como os doces e os maracujs de casca roxa. Vemos um bom futuro nesta cultura. O fruto muito bonito e provavelmente ter maior facilidade de cultivo devido planta ser mais resistente a doena. O fruto bastante atrativo para o mercado consumidor, frisa o coordenador do evento e pesquisador em Fruticultura da Epagri de Urussanga, Henrique Belmonte Petry.

Cerimnia faz homenagem s vtimas do Vajont

A tragdia do Vajont foi lembrada com emoo, na ltima semana, pelos urussanguenses. Exibies de documentrios, entrevistas na rdio e uma cerimnia religiosa na Igreja Matriz de Urussanga resgataram com sentimento a tragdia que devastou a cidade de Longarone, na Itlia, na noite do dia 09 de outubro de 1963.
A tragdia ocorreu devido a um deslizamento de terra que invadiu a barragem de Vajont e destruiu vrias aldeias e matou mais de 1,9 mil pessoas. Este foi um dos maiores desastres do mundo causado por falha humana.
Na sexta-feira, dia 09, uma missa pela alma das vitmas marcou e comoveu os participantes. Segundo o Prefeito Johnny Felippe, importante lembrar esta tragdia, pois fortalece os laos entre Urussanga e Longarone. Estamos juntos na alegria e na tristeza ao celebrar nossa origem italiana, comenta o Prefeito.
Aps a missa, o pblico se deslocou at a Praa Anita Garibaldi, onde foi colocada uma coroa de flores no chafariz, como forma de homenagem aos falecidos na tragdia.

Cinema exibe documentrios

A tragdia do Vajont foi lembrada tambm no CineMult 3D de Urussanga, na ltima sexta-feira, dia 09, atravs dos documentrios HMax 261,6, de Carlo Semenza, e Tre minuti – il disastro del Vajont, de Osnei de Lima. Os documentrios foram passados na lngua italiana com legenda em portugus. O primeiro conta como comeou a construo da represa, j o segundo recorda a tragdia do Vajont. So documentrios que possuem um contraste. No HMax, o Engenheiro da poca conta com orgulho sobre a obra. Ento, isto causou uma reflexo para quem pode assistir a estes documentrios, explica uma das colaboradoras do Cinema, Daniela Mondardo.
O arquiteto Fernando Fontanella, comenta que os documentrios propuseram uma reflexo sobre o assunto. Foi um momento de respeito s vtimas e tambm de reflexo. um chamado reflexo sobre nossas atividades sobre a natureza. Foi interessante perceber o sentimento presente de fortaleza no primeiro documentrio e de fragilidade no segundo. uma data que temos que lembrar, pois, temos uma amizade com Longarone, comenta.
Os mais de 40 participantes contaram com a presena do Diretor Osnei de Lima, que veio a Urussanga a convite do Cinema. Ele aceitou nosso convite e veio at a cidade para lanar o documentrio. Osnei tambm foi desafiado a fazer um documentrio sobre o Gemelaggio e esperamos muito que esta ideia d certo, observa Daniela. Aps a exibio dos documentrios houve um debate entre os presentes, que conversaram sobre a tragdia.
Foi comentado sobre a ganncia do ser humano e tambm uma comparao com a minerao de Santana que foi um desastre para a cidade. Alm da relao entre Longarone e Urussanga, finaliza Daniela.