Descaso: perigo, prejuzos e acidentes continuam na Rodovia Gensio Mazon por falta de melhorias

Diariamente, a fonoaudiloga Cristiane DAcampora Guazzi enfrenta os desafios e perigos na rodovia Gensio Mazon (SC-445), trecho que liga Urussanga a Morro da Fumaa. Na noite de tera-feira, dia 22, Cristiane contabilizou mais um prejuzo. Em menos de um ano, esta foi a terceira vez que a profissional foi surpreendida por um buraco na camada asfltica da rodovia e seu pneu foi danificado.
Fao este trajeto todos os dias e lido com este descaso. Sbado presenciei um acidente, vi uma famlia trocando pneu no acostamento e um senhor colocando uma sinalizao provisria em outro buraco para ajudar, j que dois carros haviam sido guinchados anteriormente. Ser que ningum pode fazer algo para mudar essa realidade?, indaga.
O descaso com este trecho da rodovia SC-445 continua gerando acidentes e riscos a vida de pedestres e motoristas e resultado de promessas no cumpridas. Desde 2013, quando o presidente do Deinfra na poca, Paulo Meller, participou de uma audincia pblica em Urussanga e prometeu melhorias. A populao segue aguardando as reivindicaes, que at o momento no foram executadas.
Lombadas eletrnicas, pista alternativa, trevo alemo prximo a sada de empresas e entrada em bairros, taches e placas de sinalizao so reivindicaes antigas que garantiriam mais segurana na estrada e aos moradores das comunidades. Segundo o vereador Marcos Roberto Silveira (PT), o secretrio Regional de Cricima, Joo Fabris, comentou nesta semana que o projeto de revitalizao da rodovia dificilmente ser executado este ano por falta de recursos.
Os casos mais solicitados nos ltimos anos pela populao de Urussanga se referem a uma lombada na entrada para Rio Carvalho e outra prxima a uma empresa de alumnios. Um trevo alemo perto da entrada do bairro Bom Jesus outra reivindicao das pessoas que moram no entorno.
Como medida paliativa, na manh desta quinta-feira, dia 24, a SDR em parceria com a empresa Setep realizou uma operao tapa buracos no trecho, que j apresenta diversos pontos danificados e refeitos.

MELHORIAS TAMBM SO SOLICITADAS PELA POLCIA RODOVIRIA

Os relatrios emitidos pela Polcia Rodoviria Estadual em Cocal do Sul mostram a realidade da rodovia Gensio Mazon.
No trecho entre Urussanga e Morro da Fumaa, na SC 445, foram registradas 24 acidentes em 2013. Em 2014 foram 19 acidentes e uma morte. At o dia 22 de setemmbro deste ano a Polcia Rodoviria de Cocal do Sul registrou 11 acidentes e uma morte ocorrida no quilmetro 20. Em fevereiro deste ano, um jovem de 22 anos, que conduzia uma motocicleta, perdeu a vida ao colidir em um caminho no quilmetro 17 do trecho.
Segundo o comandante da Polcia Rodoviria Estadual de Cocal do Sul, Sargento Nelson Oliveira da Silva, as melhorias neste trecho da rodovia podem resultar em uma diminuio do nmero de acidentes. Qualquer melhoria nas rodovias vem a ajudar o nosso trabalho de fiscalizao e tende a diminuir acidentes. Sabemos que a implantao de trevo alemo e acostamento neste trecho podem prevenir contra acidentes e dar mais mobilidade. Sobre os buracos, a Polcia Rodoviria, como rgo fiscalizador, sempre comunica o rgo competente e fala da urgncia em virtude de acidentes. A questo burocracia emperra a celeridade. Fazemos a nossa parte, mas as coisas no avanam. Nos preocupamos e ficamos desanimados com a situao, pontua.

26 de setembro: Dia Nacional do Surdo e do Deficiente Auditivo

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica (IBGE) realizado em 2010 mostram que cerca de 9,7 milhes de brasileiros possuem deficincia auditiva, o que representa 5,1% da populao brasileira. Neste sbado, dia 26, comemorado o Dia Nacional do Surdo e do Deficiente Auditivo, data que serve de alerta para a populao.
Os dados ainda mostram que cerca de 2 milhes de pessoas possuem deficincia auditiva severa e 7,5 milhes apresentam dificuldade auditiva. No que se refere idade, cerca de 1 milho de deficientes auditivos so crianas e jovens de at 19 anos.
De acordo com a fonoaudiloga da APAE de Urussanga, Cristiane DAcampora Guazzi, os problemas auditivos podem ter causas congnitas, ser adquiridos pela superexposio a rudos ou mesmo surgir em decorrncia do avano da idade. Dentre as principais causas de perda auditiva, est hereditariedade, rubola congnita na gravidez, perfurao no tmpano e rudos, como barulhos de fbricas, ouvir msica alta em fone de ouvido e etc, refora.

Preveno na gravidez

Segundo Cristiane, durante a gestao a deficincia auditiva pode ser prevenida tomando alguns cuidados.
necessrio que a me cuide da sua sade para no adquirir rubola, toxoplasmose, sfilis e outras doenas que podem causar a surdez do beb. A presso alta durante o parto tambm pode causar este problema. Importante lembrar tambm, que a me no deve tomar medicamentos sem prescrio mdica, salienta.

Observando os sinais

A Fonoaudiloga explica que alguns sinais mostram quando uma criana ou adulto esto com dificuldades em ouvir. Dificuldade em ouvir quando chamado, um toque de telefone ou em uma conversa em grupo, onde a pessoa no consegue compreender rapidamente. Quando os familiares comeam a reclamar da televiso ou rdio muito alto, afirma. No caso das crianas, os pais devem ficar atentos para quando ela no responder e precisam repetir vrias vezes para que a mesma compreenda. Normalmente a criana responde Ham?, para que o adulto repita o que havia falado. Grande parte dos casos podem ser corrigidos com a ajuda de aparelhos auditivos, mas importante ser gil para que o crebro no se esquea dos sons, comenta Cristiane.
Na maioria das vezes, a adaptao ao aparelho auditivo requer pacincia, pois com o uso das prteses o paciente comear a captar sons que antes no ouvia. Cristiane explica que pode levar algum tempo para que o crebro comece a reconhecer estes sons de forma amplificada. Durante o processo de adaptao, fundamental a realizao de ajustes no dispositivo. Alm disso, esta etapa tambm requer o apoio e a persistncia familiar, observa a Fonoaudiloga.

Papa defende o meio ambiente e o desenvolvimento sustentvel

Em um momento indito na histria do Vaticano, o Papa Francisco lanou a encclica Louvado Seja conhecida como encclica verde (uma carta com orientaes para a Igreja). Para salvar o planeta, Francisco defende uma mudana radical no modelo econmico e no estilo de vida das pessoas. O documento, de 192 pginas, defende principalmente o meio ambiente, pede um novo modelo de desenvolvimento, uma nova definio de progresso que no se baseie apenas no modelo econmico e tecnolgico, mas numa economia sustentvel. a primeira vez que um pontfice demonstrou uma preocupao to direta com a ecologia, afirmando a necessidade de ver, com os olhos da f, a beleza do plano de salvao de Deus, a ligao entre o ambiente natural e a dignidade da pessoa humana. Pode parecer exagerada a afirmao do Papa, onde ele diz: A Terra parece transformar-se cada vez mais num imenso depsito de lixo. Mas ao analisarmos os problemas ambientais existentes, que afetam a qualidade de vida, a oferta de gua e alimentos, alm de causar enchentes, poluio e contaminao, vimos que isso uma constatao diante do impacto social e econmico. O papa defendeu principalmente a argumentao cientfica de que hoje vivemos o momento de aquecimento global. verdade que h outros fatores (a atividade vulcnica, as variaes da rbita e do eixo da Terra ou o ciclo solar), mas numerosos estudos cientficos indicam que a maior parte do aquecimento global das ltimas dcadas se deve grande concentrao de gases de efeito estufa (anidrido carbnico, metano, xidos de nitrognio e outros) emitidos sobretudo em decorrncia da atividade humana, afirma Francisco.
Conhea, a seguir, os principais pontos da encclica lanada pelo papa:
O papa pede mudanas profundas nos estilos de vida, nos modelos de produo e consumo e nas estruturas de poder; Critica a rejeio dos poderosos e a falta de interesse dos demais pelo meio ambiente; Afirma que a Terra parece se transformar cada vez mais em um imenso depsito de lixo; O papa pede para limitar ao mximo o uso de recursos no renovveis, moderar o consumo, maximizar a eficincia do aproveitamento, reutilizar e reciclar; Assegura que os mais graves efeitos de todas as agresses ambientais so sofridos pelo povo mais pobre e fala de uma verdadeira dvida ecolgica entre o Norte e o Sul; Refere-se ao fracasso das cpulas mundiais sobre meio ambiente, nas quais o interesse econmico prevalece sobre o bem comum; Assegura que as empresas se desesperam com o lucro econmico e os polticos por conservar ou acrescentar o poder e no para preservar o meio ambiente e cuidar dos mais frgeis; Acredita que a soluo requer educao na responsabilidade ambiental, na escola, na famlia, os meios de comunicao, na catequese; O papa encoraja os cristos a ser protetores da obra de Deus porque parte essencial de uma existncia virtuosa.

Agricultoras participam de curso de produo de massas caseiras

Agricultoras das comunidades de Coxia Rica, So Donato, Belvedere e Santaninha participaram nos dias 17 e 18 de setembro do curso de produo de massas caseiras para congelamento no Salo de Festas da comunidade de Coxia Rica. As mulheres aprenderam a produzir massas como lasanhas, canelone, rondele, pizza, pastel, macarro, entre outros.
Segundo a Extensionista Rural da Epagri de Urussanga, Maria Cristina Cancellier foram ensinadas tcnicas de congelamento para estes pratos.
O curso foi uma realizao do Senar em parceria com o escritrio da Epagri de Urussanga e as comunidades participantes. As agricultoras aproveitaram muito bem o curso e isto as motiva a ter uma possvel renda extra, observa Cristina.

Proibio de venda a granel desestimula agricultores

Uma lei que probe a venda a granel, ou seja, a quilo, foi regulamentada no Estado. Com as novas normas, o agricultor no poder mais comprar produtos na quantidade desejada. Ele ser obrigado a adquirir o pacote fechado conforme fornecido pelas empresas. A lei tem como rgo fiscalizador a CIDASC e vem desestimulando os pequenos produtores, classe mais afetada com a mudana.
Conforme o Engenheiro Agrnomo da CIDASC, Daniel Remor Moritz houve a necessidade de implantar esta lei para que o consumidor tenha mais garantia na compra dos produtos. Ao violar a embalagem original, o consumidor estar perdendo a garantia de identidade deste produto, alm de estar expondo a semente ao do clima e de pragas, podendo alterar assim a sua viabilidade e qualidade, explica.
O Presidente e tambm Agricultor, Adefonso Baesso explica que as empresas fornecedoras devem trazer ao comrcio embalagens de diversos tamanhos para atender as necessidades do consumidor. Precisei comprar uma saca de 20 quilos de azvem e para o espao que eu tinha usei metade da saca. O restante tive que doar para no jogar fora. Acabei tendo prejuzo e isto desanima, explica.
No incio da implantao desta lei, a CIDASC realizou orientaes nas agropecurias, porm, agora est fiscalizando de forma intensa e proibindo a comercializao de sacas abertas. Algumas empresas de sementes j esto se adequando s necessidades dos agricultores, como o caso do milho que atualmente j pode ser encontrado em volumes e quantidades menores. A obrigao de atender a legislao e se adequar s necessidades dos agricultores so das empresas produtoras de sementes. Entendemos a dificuldade, porm se no for cobrado o cumprimento da legislao, infelizmente nenhuma empresa ir se adequar, esclarece o Engenheiro Agrnomo.
Exemplos de produtos que no podem mais ser vendidos a granel so as sementes de milheto, forrageiras, feijo, grama, entre outras. Tem agricultor que comenta conosco que deixa de plantar algumas sementes por no ter uma quantidade menor para comprar. Algumas empresas esto se adaptando, porm, o produto fica mais caro, comenta o Proprietrio da Agropecuria Urussanga, Fernando Volpato.
Segundo Moritz as sementes de pastagem apresentam 80% das amostras com algum tipo de problema. Estamos autuando as empresas produtoras destas sementes e esperamos que nas prximas safras j possamos ter melhorias, pois uma semente de m qualidade representa custos adicionais ao nossos produtores rurais e riscos de introduo de pragas e inos agressivos, finaliza Moritz.

CDL coleta mais de uma tonelada de lixo eletrnicoMuitas pessoas no sabem, mas o lixo eletrnico se descartado incorretamente pode contaminar o solo e a gua, pois existem mais de 60 tipos de substncias qumicas que compe este tipo de lixo. Pensando na poluio que estes materiais produzem, a Cmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Urussanga promoveu durante o Sbado Mais (12), uma coleta de lixo eletrnico. Um caminho estacionado na Praa Anita Garibaldi arrecadou 1,2 mil quilos do material que foi encaminhado para uma empresa especializada. Esta campanha superou as nossas expectativas e com certeza faremos novamente. No tivemos lucro e nem custo. Foi uma ao para colaborar com o meio ambiente e dar destino a estes materiais poluentes, afirma a Gestora Executiva da CDL de Urussanga, Marinete Martins. Segundo o Gerente do Cirsures, Thiago Maragno Biava as substncias que compem os lixos eletrnicos so txicas e prejudiciais sade do ser humano. Sabemos que os computadores, so feitos de elementos bsicos, conhecidos de todos, como plsticos e metais, mas eles possuem tambm componentes extremamente danosos sade, como chumbo, cdmio, belrio, mercrio e entre outros, explica. O mercrio, muito utilizado em computadores, monitores e TVs de tela plana, pode causar danos cerebrais e ao fgado. J o chumbo pode causar nuseas, perda de coordenao e memria. Quando estes elementos txicos so enviados para aterros sanitrios e lixes, eles contaminam tanto o solo e a gua. Todos aqueles que utilizam dessas fontes acabam sendo contaminados pelos detritos, afirma Maragno. O Gerente orienta ainda para que o lixo eletrnico seja enviado para recicladoras especializadas ou que se encaminhe o material para a loja onde o produto foi comprado, pois ser recolhido e encaminhado aos fabricantes que sero responsveis pela reciclagem. Em Urussanga, existem 17 empresas que fazem a manuteno de equipamentos eletrnicos, porm no sabemos se o descarte realizado de maneira correta, pois o Cirsures no um rgo que fiscaliza, finaliza Maragno.

Nota

Muitas pessoas no sabem, mas o lixo eletrnico se descartado incorretamente pode contaminar o solo e a gua, pois existem mais de 60 tipos de substncias qumicas que compe este tipo de lixo. Pensando na poluio que estes materiais produzem, a Cmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Urussanga promoveu durante o Sbado Mais (12), uma coleta de lixo eletrnico. Um caminho estacionado na Praa Anita Garibaldi arrecadou 1,2 mil quilos do material que foi encaminhado para uma empresa especializada. Esta campanha superou as nossas expectativas e com certeza faremos novamente. No tivemos lucro e nem custo. Foi uma ao para colaborar com o meio ambiente e dar destino a estes materiais poluentes, afirma a Gestora Executiva da CDL de Urussanga, Marinete Martins.
Segundo o Gerente do Cirsures, Thiago Maragno Biava as substncias que compem os lixos eletrnicos so txicas e prejudiciais sade do ser humano. Sabemos que os computadores, so feitos de elementos bsicos, conhecidos de todos, como plsticos e metais, mas eles possuem tambm componentes extremamente danosos sade, como chumbo, cdmio, belrio, mercrio e entre outros, explica.
O mercrio, muito utilizado em computadores, monitores e TVs de tela plana, pode causar danos cerebrais e ao fgado. J o chumbo pode causar nuseas, perda de coordenao e memria. Quando estes elementos txicos so enviados para aterros sanitrios e lixes, eles contaminam tanto o solo e a gua. Todos aqueles que utilizam dessas fontes acabam sendo contaminados pelos detritos, afirma Maragno.
O Gerente orienta ainda para que o lixo eletrnico seja enviado para recicladoras especializadas ou que se encaminhe o material para a loja onde o produto foi comprado, pois ser recolhido e encaminhado aos fabricantes que sero responsveis pela reciclagem. Em Urussanga, existem 17 empresas que fazem a manuteno de equipamentos eletrnicos, porm no sabemos se o descarte realizado de maneira correta, pois o Cirsures no um rgo que fiscaliza, finaliza Maragno.

Contra a Federalizao

Dias atrs esteve em Urussanga o senador Cristvo Buarque. Veio apresentar-nos sua tese a favor da federalizao do ensino bsico. Buarque foi reverenciado na cidade e ovacionado no seminrio do qual participou. Entre as pessoas e os meios de comunicao, houve unanimidade a respeito de sua sabedoria e de sua capacidade. No vi ningum confrontando ou questionando as ideias que ele defende, no ouvi ningum dizer que desconfia desta tal de federalizao. Todos disseram oba! Mas, como vocs sabem, meu negcio dizer epa!
Federalizar o ensino bsico uma m ideia, principalmente para um municpio como o nosso, onde a educao boa. Significa entregar aos burocratas de Braslia, aqueles mesmos que protagonizam diariamente crimes contra a Nao, o futuro de nossos filhos. D pra confiar nos burocratas de Braslia? No! Bem mais fcil confiar e fiscalizar os burocratas que esto perto de ns. A comunidade urussanguense deveria ter dito ao senador o seguinte: muito obrigado, mas ns sabemos como educar nossas crianas e no iremos nunca abrir mo de faz-lo.
Na sociedade em que vivemos, o poder tem migrado, cada vez mais, da base para o topo. A federalizao do ensino bsico seria mais um passo rumo ao esvaziamento da sociedade civil e ao fortalecimento do Estado. Eu no fui ao seminrio no qual palestrou Buarque, mas li na internet o teor de seu projeto. a velha e gasta ideologia segundo a qual o Estado o motor da Histria. Buarque saiu do PT aps ser exonerado do Ministrio da Educao. O PT, porm, no saiu dele, e sua vontade de controle ideolgico sobre o povo continua evidente.
Segundo as boas intenes de Buarque, s colocando as escolas nas mos do Governo Federal ser possvel garantir a igualdade em todo o territrio brasileiro. Talvez, no fundo, refira-se igualdade de pensamento que os currculos impostos l de cima visam a formar. De acordo com as justificativas do senador, uma criana , antes de tudo, brasileira. Balela! Antes de tudo, nossas crianas pertencem s famlias, so urussanguenses, e somos ns que devemos educ-las, no os abutres controladores que povoam o Planalto Central.

Urussanga poder se tornar mais sustentvel

Uma cidade bem planejada, inovadora e sustentvel que resulte em prosperidade e qualidade de vida. Este o municpio idealizado por meio dos princpios do Pacto Global da Organizao das Naes Unidas (ONU). Na noite de quarta-feira, dia 23, na Cmara de Vereadores de Urussanga, a representante do Programa de Cidades da ONU, Rosane de Souza, apresentou a metodologia do projeto, exemplos de sucesso da aplicao do programa no Brasil e as vantagens de aderir e assinar o Pacto Global.
Segundo Rosane, o Pacto Global surgiu no ano 2000 com o intuito de contribuir para o desenvolvimento do mundo a partir de questes humanitrias. Na oportunidade, a ONU criou objetivos para o milnio com polticas pblicas para as naes participantes e elencou dez princpios nos eixos de direitos humanos, trabalho e meio ambiente, posteriormente acrescentando o tema anticorrupo.
A ideia era nortear as empresas para que elas tivessem uma postura que colaborasse para o desenvolvimento das naes, visto que o lucro das indstrias possui um papel importante no PIB dos pases. Os princpios possuem um olhar sustentvel e inovador, ressaltou.
A ONU sentiu necessidade de traduzir os resultados para a populao e decidiu criar a proposta de formar um grupo multissetorial. Poder Pblico, empresas, sociedade civil e instituio acadmica discutem os desafios e projetam juntos o futuro da cidade. O municpio ser beneficiado com os projetos inovadores do programa aps aderir e assinar o Pacto Global.

Dez Princpios
Quando a cidade assina carta para seguir os dez princpios, o municpio avana rumo a cidade livre. A mobilizao multissetorial d poder para a sociedade civil, por meio de grupos de trabalho, apoiar e ajudar o Poder Pblico no planejamento estratgico de aes. Voc observa e l a cidade e busca verificar quais programas a administrao municipal possuem carter sustentvel. E tambm elencar os principais desafios e problemas complexos. Tudo baseado em dilogos e decises de forma conjunta. Um exemplo de mobilizao e manifestao que ocorreu em Urussanga foi a questo envolvendo a revitalizao da praa central. O programa ir trazer questionamentos como o que queremos para a cidade daqui 30 anos? O que precisamos fazer para chegar at esta realidade?, frisou Rosane durante visita a sede do Jornal Vanguarda.
A representante da ONU relatou o exemplo de sucesso da cidade de Maring (PR), a cidade que mais cresce no pas com sustentabilidade. Se voc fala em crise l, eles dizem: crise? onde? O municpio est crescendo 12% ao ano no seu desenvolvimento econmico. A estimativa que na crise este percentual baixe para 8%. A cidade adotou um modelo de governana multissetorial e criou o Conselho de Desenvolvimento Econmico com um olhar de sustentabilidade. Este o caminho para o futuro, salientou.
O Programa de Cidades do Pacto Global da ONU poder desenvolver projetos inovadores e conta com o apoio de instituies mundiais. Existem vrios caminhos a seguir. A cidade comea um projeto inovador a partir de uma problemtica. Um exemplo em Urussanga poderia ser o patrimnio histrico e sua restaurao. Uma ao como esta, o programa ajuda a elencar parceiros. Temos uma rede mundial de apoiadores que podem vir at a cidade para ajudar a fazer esse trabalho. Com o projeto alavancamos agentes financiadores, pontuou.

GRUPO ATUAR NA ADESSO DO PACTO NOS PRXIMOS MESES
Aps a apresentao do Programa de Cidades a populao, um grupo ir se mobilizar para organizar e conseguir assinaturas de adeso ao Pacto Global.
Durante dois meses vamos buscar no municpio empresas e instituies que queriam assinar e continuar com a promoo deste projeto. O vice-prefeito de Urussanga se comprometeu em levar as intenes do programa da ONU ao prefeito e analisar a possibilidade de adeso, conta uma das integrantes do grupo, Marlene Zanin.

EMPRESAS E UNIVERSIDADE SO CONVIDADAS A ADERIR AO PROGRAMA

Durante a visita a Urussanga, a representante da ONU levou a ideia do projeto a Associao Comercial e Industrial de Urussanga (ACIU) e a Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc).
Conforme Rosane, as empresas possuem responsabilidade no desenvolvimento das cidades. Se a cidade vai bem, a empresa tambm vai. Se quer ter sucesso nos negcios essencial olhar o entorno. Uma cidade sustentvel atrai negcios e prosperidade. O passo que o municpio vai dar depende das lideranas e do engajamento do Poder Pblico. A sustentabilidade um equilbrio de interesses para as futuras geraes com qualidade de vida. Estou animada com Urussanga. O municpio tem autoestima e preserva suas tradies. Existe capacidade de voluntariado. Acredito que a cidade possa ser uma referncia, finalizou. A representante da ONU tambm conversou com representantes da Unesc e a universidade mostrou interesse em assinar o Pacto Global.

Cmara recebe coordenador do Comit Pr-Campus UDESC Urussanga

A Sesso da Cmara de Vereadores de Urussanga desta tera-feira (22) contou com a participao do Doutor Hlvio Antnio Ribeiro, Coordenador do Comit do Movimento Pr-Campus UDESC Urussanga. Sua participao foi agendada em razo de indicao do senhor Leandro Damsio e atravs de requerimento de autoria da Vereadora Vanir Zuleima Mazzucco Cacciatori (PMDB). Doutor Hlvio foi o coordenador do movimento de instalao do Campus da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) em Balnerio Cambori. Durante sua explanao, explicou os procedimentos que devem ser seguidos para a implantao do Campus da Universidade em Urussanga.
A UDESC atua em nove cidades de Santa Catarina com 50 cursos gratuitos e aproximadamente 11 mil alunos. De acordo com Doutor Hlvio foram reunidas mais de 15 mil assinaturas no abaixo-assinado para implantao do primeiro curso da UDESC em Balnerio Cambori. Para o coordenador do movimento, a mobilizao da populao fundamental e o movimento deve ser regional para que haja legitimidade na reivindicao, com envolvimento de autoridades polticas e empresariais. Para a regio sul seriam necessrias aproximadamente 10 mil assinaturas e a disponibilizao de um terreno fortaleceria o movimento, disse Hlvio. Primeiro precisamos da mobilizao popular e em seguida o apoio poltico, com envolvimento da populao fica mais fcil, afirmou Hlvio. A Vereadora Vanir reiterou que o apoio da populao e dos vereadores ser fundamental para a concretizao da instalao do Campus em Urussanga. Odivaldo Bonetti (PP) sugeriu que o Poder Executivo Municipal lidere as atividades do movimento e lamentou a falta de representantes da Secretaria da Educao na Sesso.

Buscando verdadeiramente a Deus: Fazer da vida uma Orao!

Saudaes fraternas aos meus irmos e irms em Cristo e a todas as pessoas de boa vontade! Nossa vida feita de mistrios, mistrios de Deus! Esses mistrios so revelados na Orao.
H muita gente que no sabe rezar. A Orao uma prtica que integra o conjunto da vida crist. A orao sempre um dilogo entre Deus e o homem, mas para que este dilogo no seja enfadonho preciso entender a orao como encontro. Encontramo-nos com nossos pensamentos, sentimentos, nossas angstias, paixes, com nossas esperanas, com os lados obscuros de nossa alma e com os nossos projetos, por isso, o encontro auto-conhecimento. Encontrar-se o mesmo que conhecer-se. Para os monges e os Santos Padres da Igreja, conhecer a Deus auto-conhecimento. Deus e o homem no so duas realidades fixas, mas realidades que se desvelam em cada encontro. Devemos colocar-nos diante da orao como algum que no sabe o que rezar. Este no-saber significa uma atitude de abertura e de disposio, assim a orao sempre provocar uma transformao interior que na nossa tradio crist chamamos de converso (metania: mudana de vida).
A Orao como amizade entre Deus e o homem, conforme ensinava Santa Tereza Dvila, ajuda a manter o corao puro, inocente, sem malcias, simples e, principalmente, agir com reta inteno. H hoje uma grande tendncia entre os homens pela procura de elogios, promoes, cargos importantes, funes importantes; gosta-se quando o nome aparece nos jornais, que determinado trabalho seja lembrado. Porm, para buscar verdadeiramente a Deus preciso aprender a se despir de todas estas vanglrias, de todos os ttulos, no pretender honras e pedestais.Para buscar verdadeiramente a Deus preciso buscar viver com reta inteno (na busca da verdade).
Nos ensinamentos de Santo Afonso Maria Ligrio, viver com reta inteno significa entender:
1. Quem age s para Deus no se perturba em caso de fracasso, porque Deus no querendo, ele tambm no quer;
2. Alegra-se com o bem que os outros fazem, como se ele mesmo o tivesse feito;
3. Sem preferncia para trabalhos, aceita de boa vontade o que a obedincia lhe pede;
4. Tendo cumprido seu dever, no fica espera de louvores sem aprovaes dos outros. Por isso no fica triste se o criticam ou desaprovam, alegrando-se somente em ter contentado a Deus. Se por acaso recebe qualquer elogio do mundo, no se envaidece, mas afasta a vanglria.
Uma vida de orao se constri a partir de um trip: a) Palavra de Deus; b) Frequncia nos Sacramentos; c) Vivendo em comunidade. Que aprendamos a fazer de nossas vidas uma orao, uma orao como encontro: encontro da Verdade de Deus com a Verdade de nossas vidas! Um abrao fraterno e um final de semana abenoado!

Onda de assaltos assusta Urussanga

Uma fbrica de mquinas e equipamentos de Urussanga, localizada no bairro So Pedro foi alvo de assaltantes na madrugada de quarta-feira, dia 16. Cinco homens, trs com porte de armas de fogo e dois com barras de ferro, renderam e agrediram o guarda da empresa. Posteriormente, os criminosos abordaram outros dois funcionrios. Todos foram presos dentro do ba de um caminho.
Um colaborador que chegou por volta das 5h10min ouviu os gritos dos colegas de trabalho que estavam presos desde a 1h30min. Foi quando a Polcia Militar foi acionada, mas nenhum suspeito foi encontrado.
Os assaltantes quebraram uma parede onde ficava o cofre da empresa e levaram-o em um veculo que pertencia a um dos funcionrios. Nenhum dos colaboradores ficou ferido. A quantia em dinheiro levada no foi divulgada.
O veculo furtado foi recuperado na cidade de Tubaro, no mesmo dia do assalto, na rodovia.

Furto
Segundo informaes de populares, na madrugada de quarta-feira, uma bicicleta eltrica tambm foi furtada em uma residncia no bairro da Estao.

Jovem assaltada no centro de Urussanga

Uma jovem, de 24 anos, foi surpreendida na noite de quarta-feira, ao ser assaltada em um prdio comercial da cidade. R.R.M., de 21 anos, mais conhecido como Alemo, rendeu a moa com uma faca no pescoo na entrada do local, por volta das 20h20min.
R.R.M. furtou 33 reais em dinheiro e, logo em seguida, fugiu pelos fundos do estacionando da loja Bosa (apenas referncia). A Polcia Militar foi acionada por um popular que avistou a situao. O assaltante foi encontrado no bairro da Estao, prximo ao Ginsio de Esportes. R.R.M. de Cocal do Sul e possui passagem na Polcia por trfico de drogas. Ele foi preso em flagrante e levado para o Presdio Santa Augusta, de Cricima.

A escola tem que ser boa para todos de forma igual, defende Cristovam Buarque

A facilidade de se expressar e o conhecimento do senador Cristovam Buarque na rea educacional surpreenderam os professores que participaram do Seminrio Regional de Educao na segunda-feira, dia 14, realizado no Centro Comunitrio da Igreja Matriz de Urussanga. A partir do tema Educao pblica com qualidade social, o senador Cristovam Buarque defendeu a federalizao e o aumento dos investimentos em educao bsica.
Segundo Buarque, as dcadas trouxeram a modernidade, mas as salas de aula continuam iguais. Isso no vai dar qualidade na educao. Uma aula em um quadro negro para uma criana que assiste televiso com movimento e cores? Ns professores temos que dar o salto. A tcnica est mais rpida que a vida da gente. Dar salto ser capaz de ir alm do conhecimento. usar as novas tecnologias. Vamos ter que aprender. No utilizar isso nas primeiras sries que precisam de socializao, mas a partir de certa idade o aluno ter uma aula sem o professor estar presente. Ele conduzir a aula pelo computador. Temos que usar a tecnologia, se no as crianas iro nos recusar. No importa o equipamento, o meio. o professor quem instiga as dvidas, as perguntas. Ele que o ator do processo pedaggico, frisou.
O senador afirmou apostar na escola em perodo integral e em investimentos para a educao do pas avanar. Tem um Brasil no Norte muito diferente desse do Sul. Se quiser ver futuro do Brasil na educao fcil. Com escola bonita, boa estrutura, professores bem remunerados, felizes e dedicados, crianas contentes, enxergamos um futuro bonito. O perodo integral proporcionaria s crianas mais tempo na escola e menos na rua, menos televiso, menos internet. Professor remunerado com tecnologia e sendo avaliado atuando em perodo integral. Tudo isso far a escolar que queremos, salientou.
Candidato presidente da Repblica em 2006, o parlamentar do Distrito Federal usou de exemplos e comparaes para ilustrar a necessidade de mais investimentos. A escolas so um meio de transporte. Elas transportam do presente para o futuro. O problema que no Brasil nossas escolas ainda so carroas, enquanto em outros pases elas j so espaonaves, exemplificou. H pessoas que dizem que para resolver basta investir mais, e outras afirmam que j se investe o suficiente e que o problema apenas de gesto. As duas opinies esto erradas. Precisamos investir mais e com muito mais eficincia, afirmou Buarque.

REMUNERAO DOS PROFESSORES
Buarque lembrou o pblico da valorizao dos professores em pases de excelncia na rea da educao. O Brasil tem que entender que a escolha profissional passa pelo mercado e pela vocao. Magistrio tem que ter uma das melhores remuneraes como acontece em outros pases. simples: paga-se salrios suficientes, exigi-se dedicao exclusiva, faa-se avaliaes peridicas do trabalho de base e acompanhamento para justificar o salrio. E com carreira para os professores pagando cerca de 10 mil cada. Gostaria que vocs sassem daqui com uma bandeira para lutar neste pas enquanto no derem educao de qualidade para todos, a fim de terem a mesma chance de desenvolver a inteligncia que depende muito da escola, finalizou.
Esta foi a segunda vez que Urussanga promoveu o Seminrio Regional de Educao. A estimativa que mais de mil pessoas tenham participado. O debate foi em alto nvel. Os palestrantes foram muito precisos em suas colocaes, e a participao do pblico com excelentes perguntas enriqueceu a discusso, avaliou a secretria municipal de Educao, Brgida Marioti.
Pedro Uczai enalteceu conquistas
tarde, foi a vez de Pedro Uczai falar aos participantes do seminrio. O deputado federal do oeste catarinense abordou o Plano Nacional de Educao (PNE). O Plano s faz sentido se ns (profissionais da educao) tivermos um papel de protagonismo, discursou. Muitas conquistas j foram alcanadas. Por exemplo, antes se acreditava que era impossvel que a educao fosse de qualidade se fosse para muitos. Hoje o PNE acabou com essa viso elitista, avaliou.

FEDERALIZAO DA EDUCAO

Para o senador Cristovam Buarque, apenas o Governo Federal seria capaz de proporcionar uma educao gratuita, de qualidade e para todos. As escolas federais tm Ideb melhor at do que as particulares. O nico problema que atendem a apenas 250 mil alunos, de um universo de mais de 50 milhes de crianas e adolescentes em idade escolar. preciso levar essa qualidade para todos, defendeu.
Buarque apresentou a proposta de federalizao da educao. Ele acredita que o Brasil que deve cuidar da educao das crianas brasileiras. No vamos ter escola nave no lugar de carroa se deixar responsabilidade financeira para a prefeitura. Escola pblica o caminho. Tem que ter acesso igual a educao. Ter escola boa e outra ruim no desigual, imoral. O filho do trabalhador tem que estudar na mesma escolha do filho do patro. Outros pases fizeram isso e deu certo. Educao obrigao da nao brasileira, no da cidade e nem do estado. Minha proposta a federalizao da educao. Que este sistema atual seja substitudo aos poucos. Proponho adoo das cidades, sem obrigao. Um cronograma faria a federalizao e atingiria todo pas em 25 anos. E porque no foi feito ainda?, indagou.
O senador disse que a no adeso deve-se a fatores culturais e polticos. A questo cultural algo da mente do brasileiro que afirma que a educao no fundamental. No prioridade. Ns no nos deslumbramos com trabalho dos professores. A riqueza vem do crebro e cada um desperdiado nas escolas pior que um poo de petrleo tapado. No Brasil educao no sinnimo de riqueza, apenas o caminho para a riqueza. A mente brasileira no ajuda na luta para fazer a educao ser fundamental. E segundo a questo poltica. A educao pblica fica abandonada. Mas hoje no existe mais emprego sem educao. A pessoa precisa entender a linguagem das mquinas, comentou.

21 de Setembro: Dia da rvore

Nota

O Dia da rvore sempre comemorado na chegada da primavera, pois, nesta estao, as cidades esto mais alegres e bonitas e, cheias de flores de todas as cores. A comemorao tem como principais objetivos: a) conscientizar as pessoas sobre a importncia das rvores para o meio ambiente e melhoria da qualidade de vida; b) criar uma cultura de preservao ambiental, combatendo a explorao ilegal das rvores presentes nas florestas e nas cidades e, c) desenvolver projetos de plantio de mudas de rvore, visando aumentar a arborizao, principalmente nos grandes centros urbanos. O homem tem sido o pior inimigo das rvores pois, alm de derrub-las tem feito queimadas de grandes extenses de terra para limpar as reas e construir cidades ou utiliz-las na agricultura, causando em consequncia a extino de animais e de algumas espcies de rvores como o pinheiro, perda de recursos naturais como a gua e solos e at mudana climticas. Hoje sabemos que no preciso derrubar todas as rvores para se produzir alimentos. possvel atravs do sistema de produo agroflorestal produzir alimentos de forma sustentvel, conciliando as rvores, os cultivos e at a criao de animais.
Os benefcios que a rvore nos traz so inmeros e variados; a maior importncia o de estar associada vida e ao ar que respiramos, por isso, a necessidade de mantermos o equilbrio das florestas, preservando as matas nativas e mantendo protegidos os mananciais, onde fauna e flora encontram ambientes diferenciados. Alm disso, as rvores nos fornecem materiais como a madeira para as construes e mobilirio, celulose para o papel, carvo para as caldeiras, substncias medicinais, bem como leos, resinas, gomas, essncias, mel, frutos, flores, entre outros. As rvores tambm contribuem para a proteo dos solos, rios, nascentes, a preservao da vida silvestre, a manuteno de um bom nvel de vida (ar, gua) do ambiente em que vivemos e ainda servem como abrigo das aves e cortinas contra o vento e a poeira.
Mensagem final: mais importante do que saber a importncia de uma rvore saber a importncia de nos comprometermos, cada vez mais, com a preservao da natureza, das rvores e dos animais, porque lutar por eles significa lutar pela vida. Por isso, cada um deve fazer a sua parte, plantando rvores e, principalmente cuidando daquelas que esto perto de sua casa, nas praas das cidades, na escola e em todos os lugares.

Os riscos de trocar as principais refeies por lanches rpidos

Se alimentar bem todos os dias uma tarefa complicada para muitos brasileiros que esto na correria do dia-a-dia. Segundo uma pesquisa realizada pelo Ministrio da Sade, em torno de 16% das pessoas que vivem no Brasil trocam as principais refeies por sanduches, salgados, pizzas e outros tipos de lanche, cerca de sete vezes por semana.
Os lanches rpidos geralmente so ricos em gordura, acar e sdio e podem provocar doenas como a obesidade e at cncer, como explica Mdico Nutrlogo Daniel Zanatta. A principal doena causada pela troca de uma refeio balanceada por um lanche rpido seria a obesidade, porm podemos observar outras alteraes no organismo, que pode ser um simples problema intestinal at o aumento dos nveis de triglicerdeos e colesterol, alm de alteraes na glicemia que a medida do acar no sangue, a qual pode se transformar em diabetes, explica. O consumo excessivo de lanches pode desencadear tambm intolerncias e alergias alimentares, como as intolerncias ao glten e lactose.
Para um equilbrio na alimentao, necessrio realizar seis refeies ao dia, sendo trs delas maiores, o caf da manh, almoo e janta e trs menores, colao, lanche e ceia. As trs menores so essencialmente lanches, pois servem para quebrar o jejum entre as refeies grandes. O que proibido trocar uma refeio maior por um lanche e realizar ms escolhas para os lanches, afirma o Mdico.

Orientaes para refeies mais saudveis
Conforme o Nutrlogo, planejar a alimentao do dia seguinte ou ir a um restaurante so formas de manter uma vida mais saudvel.
Sabemos que mais prtico se alimentar de um lanche, mas isso pode ser evitado planejando a refeio do dia seguinte e deixar preparados os alimentos e levar em recipientes prprios. O mesmo tempo que se leva para ir at uma padaria, muitas vezes o mesmo que se leva para ir a um restaurante, que possui uma alimentao mais saudvel, aconselha.
Os excessos alimentares em comemoraes podem acontecer, mas preciso ter cuidado de no fazer dos excessos escolhas erradas e transformar em uma rotina, como aconselha o Nutrlogo.
Somos o que comemos, ento devemos definir o que gostaramos de ser e nos alimentarmos de acordo. Se o plano ter uma vida saudvel, tudo fica mais fcil, pois nossas escolhas apenas precisam ser saudveis, a necessidade de exerccios, proporcionais a este plano alimentar e uma extravagncia ou outra, de vez em quando completamente permitida e aceitvel, explica Zanatta.
O Nutrlogo destaca ainda que a Associao Brasileira de Nutrologia (ABRAN) aboliu recentemente a expresso obeso saudvel que so os pacientes acima do peso, porm com sade normal. Sabemos que sade vai muito alm do peso e que uns quilos a mais j nos colocam numa situao de risco para doenas cardacas, ortopdicas, alguns tipos de cncer, diabetes, entre outros problemas, finaliza.

Urussanguense integra autoria de livro online sobre desafios fiscais do Brasil

Os desafios fiscais do Brasil foi o assunto que virou livro online e conta com a participao do urussanguense Leandro Damasio, formado em administrao pblica. O livro intitulado Discutindo 10 Desafios Fiscais do Brasil, consiste em uma anlise crtica das contas pblicas nacionais.
A obra foi escrita por sete profissionais, entre eles um executivo do Ministrio da Fazenda e um da Secretaria da Fazenda de Alagoas. O livro foi lanado na ltima semana em Atibaia (SP), durante uma mesa de discusses sobre as contas pblicas dos municpios brasileiros no Encontro Nacional dos Estudantes de Administrao Pblica.
A histria do livro comeou em um grupo de estudos montado no Instituto PVBLICA, que um grupo de amigos que se rene para fazer debates e anlises de conjuntura poltica-econmica. Sou o presidente desse Instituto, que tem uma presena mais virtual, levantando bandeiras para defender alguns temas que consideramos relevantes. Ns decidimos abordar o assunto, pois prevamos que iria estourar uma crise de arrecadao nos municpios, o que se consolidou, com impactos sociais perversos para as regies mais pobres, conta.
A abordagem do livro foi dividir o assunto entre receitas e despesas. Na primeira parte do livro feita uma anlise da arrecadao, ou seja, os impostos e a reforma tributria. Na segunda parte, a despesa, o que gasto, a forma como o governo federal gasta os recursos, investindo, por exemplo, 80 bilhes por ano no BNDES.
Na realidade o primeiro livro sobre Desafios Fiscais que vai mostrar a razo de uma poltica econmica fadada a levar o pas ao fundo do poo, ressalta o coordenador do Programa de Ajuste Fiscal do Estado de Alagoas, Wagner Torres.
O livro est disponvel para download gratuito no link: http://www.pvblica.org.br/downloads/desafiosfiscais-ebook.pdf

Menos concursos, mais empreendedores

Entre as medidas anunciadas pelo governo federal com o objetivo de minimizar o rombo do oramento est a suspenso dos concursos pblicos em 2016. A deciso, lgico, foi tomada apenas por conta das contingncias, e no por convico. Ainda assim a mediada bem-vinda. Com exceo dos que visam melhoria dos servios essenciais populao, todos os demais concursos deveriam ser suspensos indefinidamente, porque o Brasil no precisa de mais servidores pblicos. Precisamos de menos burocracia e de mais iniciativa privada.
O sonho de grande parte dos brasileiros passar num concurso e ser empregado do governo. Raros so os que terminam os estudos com o objetivo de empreender ou de se arriscar no mercado de trabalho competitivo. Convenhamos: realmente bem mais tranquilo conquistar um emprego na Administrao e gozar as comodidades que a condio oferece: estabilidade, licenas, gratificaes, aposentadoria integral e possibilidade de fazer greves regularmente sem grandes riscos. O servio pblico uma imensa zona de conforto dos brasileiros.
Melhor ainda ser empregado pblico sem precisar passar pelas agruras dos concursos. Milhares de cidados conseguem esta proeza. Entram nas folhas de pagamento da Unio, dos Estados e dos Municpios porque existem infinitos cargos de livre nomeao, criados para que nossos gestores possam fazer sua politica pedestre valendo-se da mquina estatal. Somando tudo isso, temos uma Administrao que um imenso paquiderme. Um monstro que suga toda a capacidade produtiva do pas para sustentar a si mesmo e aos seus vcios.
O governo no produz riquezas, ele as consome. Dizem que tambm as redistribui, mas, quando o faz, sempre em funo dos interesses do grupo que est no poder. Por isso, quanto mais pessoas trabalharem para o Estado, menos brasileiros restaro para sustent-lo, menos capital ser gerado, todos ficaremos mais pobres. Enquanto o motor da vida for o governo, e no a sociedade, enquanto a vontade geral for a de fazer concursos pblicos, e no a de empreender, ns vamos continuar sendo uma imensa autarquia sem nenhuma eficincia.

Associao Bellunesi aposta na renovao e empossa nova diretoria

A Associao Bellunesi de Urussanga realizou na noite de quarta-feira, dia 16, a posse da nova diretoria que conduzir os trabalhos no perodo de 2015 a 2017. O jovem Fernando Luigi Fontanella, de 26 anos, estar frente das aes como presidente da entidade. A associao aposta na renovao com a integrao de novos nomes na composio da diretoria.
Segundo Fontanella, a nova diretoria ter o objetivo de aproximar os jovens da cultura italiana e dar continuidade ao trabalho realizado pela associao h 27 anos. Os novos componentes iro seguir as metas e os objetivos gerais da instituio, bem como planejar uma srie de atividades cvicas, culturais e recreativas para a manuteno das tradies culturais da provncia de Belluno e regio do Veneto. Congregar os imigrantes da provncia de Belluno e seus amigos, manter a rede de contatos com associaes de outras cidades, trabalhos relacionados histria e pesquisa, so aes feitas pela diretoria anterior e que tero continuidade. Tambm queremos trabalhar no sentido de promover alguma forma de intercmbio que seria de carter bem contemporneo que a associao vai ter, visto que temos contato neste sentido, ressalta.
O novo presidente, Fernando Luigi Fontanella, afirma que a entidade tambm ir trabalhar no projeto Belluno Radici, uma rede social voltada para os jovens com fins profissionais. Outro objetivo da nova diretoria ser estudar a viabilidade de reabrir a escola de arte vitral em Urussanga.
Minhas expectativas so muito boas em relao aos trabalhos que iremos desenvolver nos prximos anos. A Bellunesi formada por pessoas que se envolvem na entidade por ter o desejo de realizar aes culturais. Quem quiser se associar e integrar a associao pode procurar a diretoria e mostrar seu interesse, finaliza.
Na prxima semana, a nova diretoria ir criar uma pgina na rede social Facebook para divulgar as aes da entidade, alm de disponibilizar o e-mail para contato: bellunesi.urussanga@gmail.com

Urussanga pode integrar pacto global da ONU

Urussanga est iniciando uma mobilizao para que a cidade integre o Programa de Cidades do Pacto Global das Naes Unidas. O programa da Organizao das Naes Unidas (ONU) oferece apoio, orientao e reconhecimento para os municpios que participam visando a busca de solues para os problemas que as cidades enfrentam nas reas sociais, econmicas e ambientais urbanas.
A representante da iniciativa no Brasil, Rosane de Souza vir a Urussanga na prxima quarta-feira, dia 23, s 19h30min, na Cmara de Vereadores, para apresentar o programa aos muncipes, empresrios e Poder Pblico. A participao de Urussanga pode dar ao municpio o acesso a uma rede de parceiros em todo o mundo, alm de potenciais investidores.
Segundo a coordenadora do evento em Urussanga, Marlene Zannin, o programa uma metodologia para tornar as cidades mais sustentveis e segue dez princpios. A ideia melhorar o ndice da sustentabilidade em vrios setores. A ONU percebeu a necessidade de dar este apoio as cidades para que elas alcancem o objetivo da sustentabilidade do planeta. O objetivo formar uma rede para ultrapassar e superar indicadores ruins, alm de promover aes e projetos para melhorar os indicadores de qualidade de vida, ressalta.
O movimento da ONU requer o posicionamento de trs setores: empresarial, Poder Pblico e sociedade civil. De acordo com Marlene, este o trip que alimenta a sustentabilidade. A aliana destes trs setores fundamental para discutir o futuro das cidades at 2030. Independente de governo preciso que a plataforma de projetos caminhe para uma mobilizao conjunta. um espao que vai auxiliar a governar a cidade dando valor a cidadania. Caso ocorra a implantao deste programa em Urussanga, ele trar um amadurecimento nas discusses e compreenso de como ter qualidade de vida se espelhando em valores de sustentabilidade, frisa.

Buscando verdadeiramente a Deus: Silncio!

Saudaes fraternas aos meus irmos e irms em Cristo e a todas as pessoas de boa vontade!
Muitas pessoas vivem uma f fervorosa, uma experincia profunda com Deus, porm, h muitas que tm dificuldade emencontr-Lo, dificuldades de senti-Lo… de perceber Deus-Pai com um amor materno agindo em suas vidas. Por isso, hoje quero iniciar com vocs um caminho que nos levar a fazer uma experincia muito concreta com Deus, nosso Senhor. Com inspirao monstica, o primeiro passo para nossa experincia de f est no Silncio, em saber fazer silncio, em saber silenciar. Voc j notou que existem pessoas que no sabem escutar? Que h pessoas que numa conversa nunca do espao para que o outro fale? Que h pessoas no sabem fazer silncio e por isso esto toda hora utilizando um dos sentidos para se comunicar? Esto conectados ao mundo quase 24h. H pessoas que tem medo do Silncio! Pois bem, o Silncio a primeira das prticas para se encontrar a Deus verdadeiramente. Quando silenciamos os lbios, os pensamentos e os desejos temos mais condies de ouvir a voz de Deus, de ouvirmos o nosso Criador. a que comeamos a entrar em comunho com Ele, ou seja, a prtica do silncio interior um caminho para a comunho com Deus. Mas preciso que prestemos ateno numa coisa: o barulho que impede a experincia da escuta de Deus se deriva em sua maior parte no dos sons externos (cidades, colegas, msicas), mas do prprio interior. Assim, para silenciar o corao, a alma, os sons interiores, preciso educar o corpo (respirao) e a mente (libertando-se das distraes).
Quando se conseguir silenciar dessa maneira, ento preciso dizer como o jovem profeta Samuel Fala, Senhor, que o teu servo escuta (1Sm 3,10b). O Silncio sempre um escola numa linguagem pura e simples, cujo contedo seja sempre o encontro de duas verdades: a Verdade de Deus e a Verdade da vida daquele que aprendeu a silenciar!
Este um processo, uma caminhada. Na sociedade atual h muitas tcnicas e filosofias que se solidificam nesta perspectiva (tcnicas de respirao, yoga, exerccios de relaxamento…), mas a ns que somos cristos, podemos escolher um outro caminho: aprender a silenciar para ouvir a voz de Deus, para ouvir o som do corao. Que o Esprito Santo de Deus nos acompanhe nesta caminhada a fim de que aprendamos a discernir entre tantas vozes, a voz de Deus: vinde comigo para um lugar deserto e descansai um pouco! (cf. Mc 6,31).

Um bom final de semana. Que Deus abenoe a todos! Um forte abrao.

4 Sagra Della Polenta rene mais de 600 pessoas

A tradicional Sagra Della Polenta teve sua 4 edio no ltimo domingo, dia 13. O evento que reuniu mais de 600 pessoas aconteceu no Centro Comunitrio da Igreja Matriz de Urussanga. Polenta, galinha ensopada, saladas e fortaia fizeram parte desta festa que evidencia a gastronomia tpica italiana.
O grupo Amici Della Polenta formado por 20 pessoas usou mais de 60 quilos de farinha de milho para produzir uma polenta gigante de 200 quilos. Segundo o Presidente do grupo, Valdecir Miotello, esta uma festa para manter viva a tradio Italiana. Vendemos todos os ingressos e vieram pessoas de toda regio, isto nos deixa muito contentes porque mostra o interesse do pblico em apreciar a nossa gastronomia, comenta.
O grupo Bellunesi de Siderpolis animou o pblico ainda pela manh com canes canes italianas. Aps o almoo, o bom humor ficou por contado grupo Teatral Vanti In Drio de Carlos Barbosa (RS).
Voluntrios da comunidade do Rio Caet ajudaram na organizao do evento como forma de retribuir ao apoio do grupo na restaurao da Igreja do Rio Caet. Ns agradecemos a solidariedade de todos na concretizao deste evento, frisa Miotello. Durante a Sagra tambm houve uma exposio com fotos do restauro que est acontecendo na Igreja do Rio Caet, realizada pelo Arquiteto Fernando Luiggi Fontanela.
Quem desejar contratar o grupo Amici Della Polenta para eventos culturais pode entrar em contato no telefone: (48) 91078686 (Miotello).