Alscia

Hoje vamos falar de uma regio muito especial e que se assemelha muito nossa por se tratar de uma regio produtora de grandes vinhos brancos. A Alscia, regio hoje pertencente Frana, por muitos anos foi motivo de disputa com a Alemanha e s ao final da Primeira Guerra Mundial que passou a ser de domnio francs em definitivo. Por isso, a influncia germnica forte, visto muito nas casas, na cultura e na prpria lngua.
A partir de 1925, ento, comeou-se a banir as uvas hbridas e, finalmente, em 1962, foi introduzida a primeira Appellation Contrle. Caractersticas fortes da apelao, a uva Riesling e a garrafa flute, postas como obrigatrias a partir de 1972 s so substitudas pelos espumantes e pelos vinhos feitos com Pinot Noir.
A regio caracterizada por um clima continental, com veres quentes e outonos secos e longos. As encostas incluem solos granticos, argila, calcrio, marga, arenito e at mesmo solos vulcnicos. Chove no mais que 500mm por ano, o que muito pouco, com mais de 1800 horas de sol.
Sem sombra de dvida, a rainha das uvas nesta regio a Riesling, mas outras uvas tm grande destaque, se aproximando muito de serem rainhas tambm. Gewurztraminer, Pinot Gris e Must, juntamente com a rainha, so consideradas nobres e so apropriadas para fazer o Vendange Tardive (colheita tardia), Slection de Grains Nobles (seleo de gros nobres) e os Gran Cru (os melhores vinhos). Outras uvas muito utilizadas so a Pinot Noir, fazendo um tradicional rose e entrando nos cortes dos espumantes. A Sylvaner, uma das mais plantadas na Alscia e a Pinot Blanc para os vinhos espumantes.
Slection de Grains Nobles (SGN): seleo de gros de uvas atacados pelo fungo Botrytis cinrea. Esta seleo de gros produz vinhos estupendamente excelentes e somente em safras especiais, produzindo vinhos sempre doces naturalmente. Normalmente, um mnimo de lcool potencial residual deve ficar, para Riesling e Muscat, 15,2% apv (lcool por volume) e para Pinot Gris e Gewurztraminer, 16,6% apv.
Abbraccio e salute!

Lembrana da Capital

O diretor de Esportes e Lazer de Urussanga, Thiago Mutini, foi presenteado na tera-feira, no Estdio da Ressacada, com uma camiseta comemorativa do Ava, time da Capital, que disputa a Srie B do Brasileiro. A camiseta tem estampada na parte da frente o portal de entrada da Capital do Vinho, uma homenagem cidade quando o time completou 89 anos de histria.

Campeonato Municipal Futebol de Campo

Trs jogos foram disputados, no ltimo domingo, 27, pela terceira rodada do Campeonato Municipal de Futebol de Campo, Taa Estrametal. Jogando em Santana, o Minerasil F.C. derrotou o E.C. Canela Grande por 2 x 0. Lucas Vieira e Erick Junior marcaram os gols do Minerasil. Em Canela Grande, o Urussanga F.C, o placar foi de 3 x 1 para o Urussanga F.C. Os trs gols foram feitos por Leonardo Carvalho, Ademir Bonomi e Diego da Silva. O nico gol do Armazm N.S Graas foi marcado por Cleber Fraga.
Em casa, o De Villa goleou a A.A Alumasa por 5 a 0. Mateus Cechinel e Richard Damiani marcaram dois cada um e Jean Carlos fez o quinto. No prximo domingo, 02, acontece a quarta rodada da competio, a partir das 15h. No Bairro De Villa jogaro A.A. Alumasa x E.C. Canela Grande, no Poliesportivo (Centro de Urussanga) disputam Urussanga F.C. x Minerasil F.C e na comunidade do Rio Maior o ser entre Armazm N.S. Graas x C.A. De Villa.

Classificao da 3 rodada:
1= C.A. De Villa: 9 pontos
2=Urussanga F.C.: 4 pontos

3= A.A. Alumasa: 4 pontos

4= Minerasil F.C: 3 pontos

5= E.C. Canela Grande: 3 pontos

6 = Armazm N.S. Graas: 3 pontos

Alunos da Apae participam de corrida rstica

De 21 a 28 de agosto, todas as Associaes de Pais e Amigos dos Excepcionais, Apaes do pas viveram um semana de intensas atividades. Tudo porque foi celebrada a Semana Nacional da Pessoa com Deficincia Intelectual e Mltipla. Em Urussanga, diversas atividades foram realizadas para promover a integrao entre os alunos, pais e toda a sociedade.
A principal ocorreu no dia 23 de agosto com a realizao da 12 edio da corrida rstica. Uma atividade que engloba as nove Apaes da Regio Carbonfera.
Tivemos a participao de 150 alunos. Foram 23 largadas, sendo que em todas as provas foram premiados os primeiros, segundos e terceiros lugares. O Centro Poliesportivo amplo, grande e fechado, o que garantiu uma excelente segurana aos nossos alunos, explica a coordenadora de Educao Fsica da Apae de toda a regio, Maria Albertina Guollo.
Para a diretora da escola em Urussanga, Silvana De Bona, a semana foi muito proveitosa. Conseguimos atingir todas as nossas expectativas. Vamos aguardar para as prxima edies, salienta.
Alm do incentivo ao esporte, a corrida rstica proporcionou o desenvolvimento bio-psico-social e teve por objetivo a integrao das Apaes e a desmistificao da imagem negativa que a sociedade possui dos alunos especiais. O evento ocorre de dois em dois anos em um municpio da regio carbonfera. Este ano o escolhido foi Urussanga.

Fumar pra que?

No dia de ontem foi celebrado o Dia Nacional de Combate ao Fumo. De acordo com a OMS, o fumo uma das principais causas de morte evitvel, hoje, no planeta. Um tero da populao mundial adulta cerca de 1,3 bilho de pessoas fuma: aproximadamente 47% da populao masculina e 12% da populao feminina fazem uso de produtos derivados do tabaco. Nos pases em desenvolvimento, os fumantes somam 48% dos homens e 7% das mulheres, enquanto nos desenvolvidos, a participao do sexo feminino mais do que triplica, num total de 42% de homens e 24% de mulheres fumantes.
No Brasil, pesquisa realizada recentemente pelo Ministrio da Sade, por meio do Instituto Nacional de Cncer (Inca), indica que 18,8% da populao brasileira fumante (22,7% dos homens e 16% das mulheres).
Somente a fumaa do cigarro contm mais de 4.700 substncias txicas, incluindo arsnico, amnia, monxido de carbono (o mesmo que sai do escapamento dos veculos), substncias cancergenas, alm de corantes e agrotxicos em altas concentraes.
Alm dos problemas que afetam diretamente o fumante, ao longo da cadeia produtiva do tabaco h fatores que afetam o meio ambiente e toda a sociedade. Os agricultores so vtimas de doenas causadas pelos pesticidas e pelo manuseio da folha do fumo. Existe um mdia que afirma que para cada 300 cigarros produzidos, uma rvore sacrificada. Alm disso, 25% dos incndios rurais e urbanos so causados por pontas de cigarro, explica a Coordenadora do Programa de Tabagismo em Urussanga, Elisiane de Bona Sartor.

Voc sabia?

Que a fumaa do cigarro rene, aproximadamente, 4,7 mil substncias txicas diferentes e muitas delas so cancergenas?

Que o tabagismo est ligado a 50 tipos de doenas como cncer de pulmo, de boca e de faringe, alm de problemas cardacos?

Que, no Brasil, 23 pessoas morrem por hora em virtude de doenas ligadas ao tabagismo?

Que crianas com sete anos de idade nascidas de mes que fumaram 10 ou mais cigarros por dia durante a gestao apresentam atraso no aprendizado quando comparadas a outras crianas?

* Fonte: Ministrio da Sade

Um auxlio na hora de largar o cigarro

Segundo informaes da secretaria de sade, o cigarro um dos principais problemas que precisam ser combatidos no municpio. No temos um dado preciso da quantidade de fumantes, mas o municpio possui um agravante. Aqui, a maioria da populao era mineiro e fumava. Esse processo era cultural, dava status. As propagandas de cigarro incentivavam ao fumo. Por isso houve um grande crescimento de pessoas fumantes, e que hoje buscam largar o cigarro, explica a coordenadora.
Segundo ela, h aproximadamente quatro anos, foi implantado no municpio um programa que visa auxiliar as pessoas que pretender largar o vcio. Os grupos anti-tabagismo se renem semanalmente em prol de um nico objetivo. Deixar de fumar. O mais importante ter vontade. Depois buscar o apoio da sade e tambm muito importante a ajuda da famlia nessa hora. Neste programa as pessoas recebem uma cartilha com as fases do programa. tambm realizada uma avaliao clnica para ver se h a necessidade de utilizao de medicamentos ou adesivos como complemento ao tratamento, relata Elisiane.
O material necessrio e tambm a medicao fornecida gratuitamente par aos participantes dos grupos. Vale ressaltar que s tem acesso a medicao as pessoas que esto cadastradas no grupo. Existe todo um acompanhamento que realizado, com enfermeiros, mdicos e se h a necessidade, tambm de um psiclogo. Temos profissionais disponveis para auxiliar que quer parar de fumar, conta.
De acordo com Elisiane um trabalho muito gratificante. J tivemos grupos que dos dez participantes, nove pararam. Tivemos o caso de um jovem de 14 anos que nos procurou, gestantes tambm bem comum. Atualmente estamos com cerca de 50 pessoas em tratamento distribudas em grupos no ESF do De Villa, Bela Vista, Santana e Bairro da Estao, relata Elisiane.
Alm do programa anti-tabagismo, no municpio tambm so realizadas aes educativas com pneumopediatra e palestras em comunidades que mostram os problemas causados pelo fumo.

A fora de vontade o primeiro e principal passo para deixar o vcio

Joo Batista fumava desde os nove anos de idade e considera que o apoio da famlia tambm muito importante

Joo Batista Delponte Pereira, 52 anos, um dos exemplos que mostram o quanto a fora de vontade capaz de auxiliar para deixar o fumo. Joo fumava desde os nove anos de idade. Eu morava em Pindotiba e naquela poca fazia os palheiros da minha av. Eram oito para ela e um que eu deixava escondido para mim. Comecei assim, de um em um, e aos 14 anos passei para o cigarro de papel. Era uma carteira por semana. De 1985 at 1995 eu trabalhei na mina. Nessa poca era palheiro e cigarro, os dois juntos, relata Joo.
Segundo ele, na fase final, at decidir parar de fumar, eram duas carteiras por dia. Eu j tinha tentado deixar o cigarro por duas vezes, mas no consegui. Foi graas ao apoio que tive nos grupos anti-tabagismo que isso foi possvel. O auxlio do mdico e a medicao foi muito importante, relata.
Segundo ele, um dos pontos principais a fora de vontade. preciso que a pessoa queira. Querendo e principalmente tendo o apoio da famlia que fundamental, se torna mais fcil. A gente fica irritado, sem pacincia, por isso eles precisam estar do nosso lado, relata.
A dica de Joo para aqueles que esto deixando de fumar e que sentem vontade de voltar uma s. Quando bate aquela loucura pelo cigarro, a gente sai, deixa de fazer o que est fazendo e ocupa a cabea com outra coisa. D certo, garante.

Uma visita educativa aos pomares de pssego e ameixa

A Escola Municipal Vereador Rosalino De Nez, da localidade de Palmeira do Meio, juntamente com os alunos do quarto e quinto ano do ensino fundamental, com as professoras Denizia, Vera e com a diretora Ieda foram realizar uma visita de estudos aos pomares de pssego e ameixa, durante a poca de florada, na propriedade de Fabrcio Marangoni. um espetculo lindssimo que a me natureza to gentilmente nos oferece. Essa atividade de campo foi muito proveitosa para nossos educandos que elaboraram textos, aumentando com isso seus conhecimentos sobre como plantar, cuidar e colher esses frutos saborosos, explica a diretora Ieda.
A escola aproveita a oportunidade para agradecer a todos os amigos, convidados e familiares que prestigiaram a grande festa julina entre famlia e escola, que aconteceu com diverdas atraes, entre as apresentaes artsticas e atividades tpicas, tais como roleta e pescaria. A presena de cada participante foi indispensvel para o sucesso do evento.

Cidado pode registrar BOs sem sair de casa

Dependendo do tipo de ocorrncia que o cidado catarinense quer registrar na polcia, ele nem precisa sair de casa. Pela internet possvel acessar a Delegacia Eletrnica e fazer on line o registro. Essa ferramenta j existe h 10 anos e desde 2002 mais de 160 mil ocorrncias foram registradas pela internet. Segundo o agente de polcia Diego Coradini que gerencia o sistema na Diretoria de Inteligncia da Policia Civil o cidado tem sete opes de registro de ocorrncias. Ele pode optar por denuncias annimas, ameaas, danos em razo da causas naturais, perda de documento e objetos, por exemplo.
Feito o registro da ocorrncia importante guardar o nmero do protocolo que ser gerado. Todo registro feito na Delegacia Eletrnica o cidado vai fazer pela internet e depois o policial vai fazer a homologao dos dados. Assim que o policial verificar que est tudo correto vai encaminhar para o e-mail da pessoa a homologao que vai valer como um documento. Em situaes especificas pode haver algum problema o protocolo a soluo para caso acontea um problema de e-mail, explica o agente Diego.
O maior volume de ocorrncias registradas pela Delegacia de perda de documento, objetos e furto de celulares. Juntas, essas trs ocorrncias somaram mais de 130 mil BOs nos ltimos 10 anos. As denuncias annimas ou no somaram 21 mil ocorrncias e os registros de ameaas chegaram a sete mil casos. Somente o registro de ameaas tem um encaminhamento diferente. Ele encaminhado para a Delegacia da sua regio que aconteceu o fato e l vai ser instaurado o procedimento.
O volume de registro de ocorrncias a Delegacia Eletrnica a maior do Estado. Se for considerar s o perodo de 2011, ela registrou mais de 57 mil, enquanto que a maior Delegacia do Estado registrou 24 mil. Para acessar o sistema de registro de ocorrncias basta entrar no site da polcia civil www.pc.sc.gov.br e clicar no banner delegacia eletrnica que fica do lado direito da tela.

Apoio: reprter Patrcia Gomes

Domingo festivo na Capital do Bom Vinho

O ltimo domingo foi dia de receber visitantes em Urussanga. O trem de turismo chegou por volta do meio-dia ddos municpios de Tubaro e Jaguaruna, atravs da Ferrovia Teresa Cristina, desembarcando aproximadamente 160 pessoas na Estao de Trem de Urussanga. Turistas, estes, provenientes da regio de Florianpolis e de Tubaro.
O grupo receptivo do turismo e da ProGoethe ofertou vinho e suco de uva aos visitantes, alm das informaes tursticas necessrias boa permanncia na cidade durante as trs horas seguintes.
O Restaurante e Churrascaria Baggio, no bairro das Damas, acolheu os turistas da Petry Excurses, atendendo a 100 refeies, ao custo de R$ 20 por adulto. J quem fez o transporte de um canto a outro da cidade foi o nibus da empresa META, tambm de Urussanga, levando-os a passear pela Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceio. Enquanto isso, o Restaurante Thereza Cristina, no bairro da Estao atendeu a 50 refeies, custando R$ 15 por adulto pagante, facilitando em muito pela proximidade Estao de Trem. O bazar da ProGoethe, que comercializa produtos da terra, bem como vinhos, biscoitos caseiros e artesanato das Voluntrias do Hospital, dos Clubes de Mes e artesos autnomos faturou aproximadamente R$ 600,00.
No total, o faturamento mnimo da cidade em trs horas de um domingo com metade da lotao do trem de turismo chegou a R$ 5.000,00.

Cavalos Gypsies passam por Urussanga

O Centro de Equoterapia e Equitao Nunes localizado em Alto Rio Molha, recebeu seus visitantes ilustres. Os cavalos da raa Gypsies, vindo diretamente de So Paulo passaram uma pernoite em Urussanga. A vinda dos animais para a regio ocorre devido a realizao da Expointer em Esteio no Rio Grande do Sul. Na sexta, os cavalos seguiram diretamente para o estado gacho. As pessoas que compareceram no Centro de Equoterapia puderam ver um pouco mais da beleza dos animais e tambm da docilidade da raa que encantou os urussanguenses pela sua beleza.

Dr. Arnon assume o comando da campanha a partir de hoje

O empresrio Geraldo Fornasa, candidato a prefeito pela coligao Urussanga mais Forte, reuniu a imprensa na tarde de ontem para passar o comando da campanha para o seu vice, Dr. Arnon Borges Teixeira.
Nos prximos 10 dias, o lder do grupo Gera Fornasa e Banda Bandalheia ficar desligado da campanha por um motivo nobre. Geraldo vai comandar a Bandalheia durante a apresentao na terra do Tio Sam. Um momento histrico para o grupo e para Urussanga que passa a figurar no cenrio musical internacional. Sei que vo aproveitar esta minha viagem para dizer que se for prefeito no vou ter tempo por culpa da banda e de minhas outras atividades. Isso besteira. Sei que vou dedicar quatro anos da minha vida para administrar a minha cidade e estou pronto. Nada me impede de tocar rocknroll nos sbados e ensaiar depois das 22 horas, avisou Geraldo.
Emocionado, ele reconheceu a importncia das duas apresentaes. Sei que estamos no meio da campanha, mas eu tenho que ir, tenho que tocar, tenho este compromisso. Ser um momento histrico, lembra Gera, que ensaiou inclusive uma msica para homenagear o Rei do Baio. Este ano o tema faz referncia aos 100 anos de Luiz Gonzaga e vamos tocar a A volta da Asa Branca, adianta.

Gera Fornasa e Bandalheia participam de maior evento brasileiro fora do pas

Rock urussanguense subir ao palco da Lavagem da Rua 46 durante a festa de abertura do Brazilian Day

Falta pouco para que a o grupo Gera Fornasa & Bandalheia toque o melhor do rock urussanguense no pr-evento do Brazilian Day. A banda comemora seus 25 anos de carreira cantando em Nova York, no Brazilian Day, maior evento brasileiro fora do pas. Ela sobe ao palco no dia 1 de setembro, durante a Lavagem da Rua 46, evento de abertura do Brazilian Day, e tambm no dia 2, quando participa do Tributo a Luiz Gonzaga, o Gonzago. A comunidade brasileira que vive nos Estados Unidos ser embalada pelo classic rock do grupo, que apresentar as msicas de seu mais recente disco, acstico, disponvel em CD, DVD e Blu-Ray. Alm de trs canes prprias, a banda vai homenagear o compositor brasileiro Luiz Gonzaga artista cujo centenrio de nascimento comemorado este ano. Estamos fazendo um arranjo da msica A volta da Asa Branca, que no to conhecida quanto Asa Branca, mas uma msica com uma mensagem muito bonita, antecipa Gera, o vocalista da banda, explicando que a escolha da msica se d porque A volta da Asa Branca simboliza a felicidade que vem com a chegada da chuva, superando a seca anunciada por Luiz Gonzaga, em Asa Branca.
Pela primeira vez participando do maior evento brasileiro fora do Brasil, Gera Fornasa e os demais integrantes da banda ensaiam todos os dias o repertrio que vo apresentar no Brazilian Day. Vai ser muito gratificante tocar para os brasileiros que esto nos Estados Unidos trabalhando, diz o vocalista, ao lembrar dos trabalhadores que ajudam suas famlias no Brasil com o fruto do trabalho em solo norte-americano.

Alunos da Escola Municipal Rosalino Damiani participam de dia diferente

Os alunos do 4 ano da Escola Municipal Vereador Rosalino Damiani participaram juntamente com a professora Paula de uma aula diferente ao ar livre, na Epagri, onde foi explicada sobre a conservao do meio ambiente, os vegetais, a nascente e os aparelhos onde fazem as observaes dirias de meteorologia. Os alunos participaram, gostaram muito, tiraram suas dvidas, andaram por uma trilha e no final se divertiram fazendo um delicioso piquenique.

Abertura da Semana da Ptria acontece neste sbado

A Secretaria de Educao, Esporte e Cultura de Urussanga vai realizar neste sbado, 1 de setembro, a Abertura da Semana da Ptria no municpio. A solenidade vai iniciar com o repique dos sinos, s 6h. O Hasteamento das Bandeiras ser realizado no Pao Municipal Lydio De Brida pelo Lo Clube de Urussanga e o Coral Santa Ceclia. O arriamento acontecer s 18h e ser conduzido pelo Corpo de Bombeiros Militar e Voluntrios de Urussanga.
No dia 03, prxima segunda-feira, o municpio ir receber a Banda e o Peloto de soldados do 28 GAC. A apresentao ser s 15h e far o contorno na Praa Anita Garibald, encerrando no Pao Municipal.
Durante toda a semana o hasteamento ser feito pelas escolas e o arriamento pelos clubes de servio e entidades sociais. Ns sabemos que importante comemorar porque esta data um marco histrico para o pas. Participar dessa semana da Ptria comemorar esse dia de independncia. lutar e contribuir para a construo de um pas de paz, justia, solidariedade, fraternidade e igualdade, destaca a Secretria de Educao Mrcia Echamendi Possamai.
O desfile ser realizado no dia 7 de setembro, s 8h30, na Praa Anita Garibaldi. Mais de 30 escolas e entidades faro parte da solenidade. As escolas iro destacar durante o desfile os valores, conforme os projetos trabalhados em sala de aula na rede municipal.

ACIU e CDL realizam debate para ouvir propostas dos candidatos

Empresrios e comerciantes de Urussanga se reuniram, na ltima quarta-feira (22), para questionar e conhecer as propostas dos dois candidatos a prefeito de Urussanga por meio do debate promovido pela Associao Comercial e Industrial de Urussanga (ACIU) e Cmara dos Dirigentes Lojistas (CDL). O encontro fez parte do calendrio eleitoral na corrida prefeitura do municpio e aconteceu na Sociedade Recreativa Urussanga, no centro da cidade.
O debate foi apresentado pelo jornalista Enio Biz e transmitido ao vivo pelas rdios Marconi e FM Urussanga. Depois da apresentao dos candidatos, Geraldo Fornasa e Johnny Felippe que fazem parte das coligaes Urussanga Mais Forte e Muda Urussanga, respectivamente, responderam aos questionamentos com foco no desenvolvimento econmico do municpio. Abaixo, o leitor vai acompanhar algumas das propostas apresentadas.

Aciu/CDL: O que o Governo far para incentivar os eventos na cidade?
Fornasa: Ns participaremos com parcerias para incentivar os comerciantes.
Johnny: Como comerciante, ns sabemos como foi o incentivo nos ltimos sete anos. Nossa praa est sempre suja e mal iluminada. Vamos incentivar todas as festas.

Aciu/CDL: Sabendo que existe uma grande dificuldade na liberao de licenas ambientais para a instalao de empresas, que medidas o candidato pretende para solucionar tal situao?
Johnny: Ns vamos tirar a Fundao Municipal do Meio Ambiente do papel. Ns seremos geis e a Fundao essencial para o desenvolvimento dando agilidade para as empresas.
Fornasa: A Fundao foi criada e ficou no papel sim. Como o prefeito tem responsabilidade de pagar as contas avaliou os custos. Ns vamos ativar a Fundao, s que nem todas as licenas essa Fundao ter o poder de determinar, de liberar, como os casos mais complexos. A Fundao ter que fiscalizar. Ns no temos que s viabilizar, mas fiscalizar para que o meio ambiente tambm no seja prejudicado ainda mais.

Aciu/CDL: Que incentivos a sua Administrao dar s indstrias e empresas atuais e as que pretendem se instalar em nosso municpio?
Johnny: Ns vamos apoiar as empresas. Urussanga ficou em penltimo lugar na gerao de novas empresas. Alguma coisa est acontecendo. Ns vamos agilizar para o empresrio e dar apoio.
Fornasa: Se ns somos a quarta economia na regio da Amrec porque baseado na qualidade do empresrio, mo de obra, incentivo a indstria. Ns vamos sim ser parceiros dos empresrios, conceder os terrenos dentro da Lei, investir em treinamentos, entre outros.
Aciu/CDL: Como o candidato analisa a atual situao da rea industrial e o que pretende fazer para a instalao das empresas?
Johnny: Levaram oito anos para desatar um n. Urussanga no tem uma rea industrial. Dizem que tem um problema com a FATIMA, mas no resolvem. Tem que ser gil, tirar do papel. Essa no a velocidade que ns queremos. Ns vamos que incentivar e muito.
Fornasa: A rea industrial de So Pedro tem um problema ambiental. Ns temos uma maneira de resolver o problema decretando a rea urbana. Este terreno foi comprado e pago, enquanto que o da Estao foi comprado e no foi pago. No So Pedro ns vamos resolver o problema e esperamos conceder os terrenos por licitao s empresas interessadas e queremos que a Aciu monitore esse trabalho.
Aciu/CDL: Existem srios problemas referentes iluminao pblica na zona rural, urbana e nas rodovias SC- 445 e SC- 446 que so as principais rodovias de circulao dos funcionrios das indstrias. Qual o projeto de governo sobre o assunto?
Johnny: Na rea de iluminao pblica, Johnny lembrou que houve compromisso firmado em 2008 e no foi cumprido pela atual administrao. Ns vamos buscar recursos em programas do Governo Federal e criar um atendimento de telefone 0800 para agilizar a conservao da iluminao.
Fornasa: Iluminao pblica segurana. Temos uma dvida para pagar de iluminao pblica rural de aproximadamente R$ 1 milho para a Coopercocal de governos que no pagaram. Nem todas as lmpadas esto acessas. nosso objetivo tambm implantar o 0800. Foram substitudas vrias lmpadas na SC- 445 onde tinha rede de baixa tenso. A iluminao ser nossa prioridade na questo de trazer segurana.

Estudantes exploram o Rio Urussanga

Olhos atentos e mos preparadas para observar e anotar as informaes transmitidas pelos professores. Estes foram os gestos demonstrados pelos 44 estudantes das turmas de 4 e 5 ano das escolas Baro do Rio Branco e Rio Caet, localizadas em Urussanga, nesta segunda-feira, dia 27, durante a sada de campo para conhecer a Bacia Hidrogrfica do Rio Urussanga. A atividade, desenvolvida pelo Comit da Bacia atravs do projeto Minha escola, meu rio, contempla instituies educacionais de noves municpios da regio Sul de Santa Catarina.
A sada de campo iniciou pela manh no interior do municpio de Urussanga, na localidade de Rio Maior, nas dependncias da Pousada Vale dos Figos. Os professores e integrantes da Comisso de Educao Ambiental do Comit da Bacia, Andressa Bonetti e Alan Dutra, apresentaram o roteiro para os estudantes entregando um folheto com um mapa ilustrado do passeio e atividades. Nesta primeira parada, os alunos analisaram a qualidade da gua do afluente rio Maior, a vegetao ao redor e concluram que a rea ainda est preservada.
Em seguida, na localidade de So Joo do Rio Maior, os estudantes observaram o divisor de guas, a extrao de rochas e a presena de vegetao extica das espcies Pinus e Eucalipto. Na comunidade de Santana, o coordenador da Comisso de Educao Ambiental do Comit da Bacia, Alan Dutra, destacou a histria e a situao do local. Esta reas foram mineradas pela mquina Marion na dcada de 80, retirando o solo para encontrar carvo e deixando o solo invertido. Por isso essas reas no so mais aproveitadas, afirmou. No bairro Nova Itlia, os alunos acompanharam o encontro do rio Maior, de guas limpas, com o rio Carvo, de guas cidas, no qual nasce o rio Urussanga.
Na divisa dos municpios de Morro da Fumaa e Treze de Maio, o coordenador Alan Dutra mostrou para os estudantes que o rio foi retilinizado para facilitar o escoamento das guas e evitar inundaes. Conforme Dutra, o rio carrega os sedimentos provenientes das plantaes de arroz, lixo, esgoto e reas degradadas pela minerao de fluorita, argila, areia e carvo. No caminho prximo foz, No municpio de Iara, o rio se apresentar em curvas, denominadas de meandros, at encontrar o mar. A cor da gua neste local impressionou os alunos. O mais bonito este rio de cor azul, mas ele est todo poludo, disse Gabriel Bialeski, 10 anos, estudante do 5 ano da escola Baro do Rio Branco. O estudante Joo Matheus Cavagnoli, 11 anos, da escola Baro do Rio Branco, desconhecia as informaes repassadas durante o passeio. Eu no sabia que tinha tanta poluio no Rio Urussanga e agora vou passar tudo o que aprendi hoje para os meus pais, ressaltou.At o ms de outubro deste ano, o Comit da Bacia realizar mais quatro sadas de campo. A prxima acontecer no dia 10 de setembro com a participao de 60 alunos dos municpios de Cricima e Iara.

Reconhecimento, danos e manejo ecolgico dos principais insetos-pragas – Parte VI

Tripes (Thrips tabaci): so insetos com asas franjadas e de colorao preta. Vivem na face inferior das folhas, onde sugam a seiva e so responsveis por transmitirem doenas virticas, alm de favorecer a entrada de outras doenas. Apresenta tamanho reduzido de 1 mm e, dificilmente, so percebidos a olho nu. Estes insetos so facilmente encontrados nas principais culturas como alface, tomate, batata, pimento e, especialmente, cebola e alho e tambm em outras plantas hospedeiras como: beldroega, caruru, maria-pretinha e outras. Danos: em cebola e alho, o ataque deixa as folhas raspadas com aspecto prateado ou esbranquiado, alojando-se em locais mais escondidos (entre as folhas). Quando a temperatura aumenta e ocorrem estiagens, os tripes podem causar srios danos por meio da raspagem e suco da seiva das plantas. Com o aumento do ataque ocorre o amarelecimento e a retoro das folhas, a seca dos ponteiros das plantas e, como conseqncia, a diminuio do tamanho dos bulbos de cebola e alho, favorecendo a entrada de doenas, especialmente a mancha-prpura (Alternaria porri). Manejo: o uso de armadilhas serve para monitorar a sua presena na lavoura. As armadilhas so bandejas plsticas ou de metal, pintados de branco no seu interior; coloca-se 1 L de gua e 5 gotas de detergente, instalando-a sobre suporte de madeira com cerca de 0,5m de altura. Para cada 2,5 ha, devem ser instaladas 2 armadilhas, sendo uma colocada na parte mais alta e outra na mais baixa da lavoura na direo de predominncia dos ventos. Folhas de papelo de colorao azul contendo cola, tambm atrai e prende os insetos. A irrigao por asperso tambm reduz a infestao da praga. O preparado com alho tambm pode ser utilizado para o manejo de tripes. Modo de preparar: dissolver 50g de sabo em 4 L de gua, juntar 2 cabeas picadas de alho e 4 colheres (sopa) de pimenta vermelha picada. Coar com pano fino e pulverizar as plantas atacadas. O uso de calda sulfoclcica na concentrao de 0,5% (fase inicial) e 3% (plantas adultas) tambm eficiente no manejo desta praga.
caros: so pequenas aranhas, medindo fraes de milmetros que vivem na face inferior das folhas. No so vivveis a olho nu; para v-los preciso utilizar uma lente com, no mnimo, dez vezes de aumento. So pragas tipicamente causadas pelo desequilbrio ambiental. A ocorrncia de caro mais comum em lavouras com uso contnuo de inseticidas e de herbicidas. O seu ataque mais intenso em pocas quentes e secas. Danos: os caros introduzem os estiletes no tecido vegetal e removem o contedo citoplasmtico das clulas. Os sintomas e danos dependem da espcie do caro e da cultura considerada. Provocam enrolamento das bordas das folhas, deixando a face inferior bronzeada ou folha amarelada com pontos necrticos tomando toda a folha, provocando o secamento e queda das mesmas. Os danos indiretos so a transmisso de viroses. Manejo: tendo em vista que existem inmeros inimigos naturais, recomenda-se manter vegetao entre as linhas dos cultivos, permitindo assim o abrigo e alimento do inimigos naturais (caros predadores) para que possam se desenvolver e realizar o controle biolgico dos caros que atacam as plantas cultivadas; a farinha de trigo, alm de ser um espalhante adesivo ecolgico, tambm serve para o manejo de caros. Modo de preparar: diluir 1 colher (sopa) de farinha de trigo em 1 L de gua e pulverizar as plantas atacadas. Aplicar pela manh em cobertura total nas folhas, em dias quentes, secos e com sol. Mas tarde, as folhas secando com o sol formam uma pelcula que envolve as pragas e caem com o vento; uso de enxofre, produto natural que pode ser usado puro ou na calda sulfoclcica; ao utilizar a calda sulfoclcica deve-se pulverizar as plantas na concentrao de 0,3 a 0,5% na fase inicial das plantas e de 1,5 a 3,0% nas plantas adultas.

Uma semana para celebrar as diferenas

Eles so reconhecidos pela capacidade de ver a vida com os olhos da alegria. Encarar os obstculos como um novo desafio e no como uma desculpa para desistir. O sorriso o principal elemento da face, o talento em vrias reas uma das caractersticas que se tornam mais evidentes. No h como resistir aos encantos trazidos por eles, pessoas que trabalham, que estudam, gostam de danar e de viver a vida de uma maneira intensa, sem medos, repleta de entrega e muita alegria, de uma maneira nica e especial.
Durante toda esta semana, de 21 a 28 de agosto comemorada a Semana Nacional da Pessoa Com Deficincia Mltipla e/ou Intelectual. Cinco dias que tem por objetivo apresentar para a sociedade o trabalho desenvolvido pela Associao de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae). Criada em 1964 a semana mostra as atividades que so realizadas durante todo o ano e garantem dias de integrao com as escolas regulares e momentos de descontrao, incentivo e alegria para os alunos e professores da instituio.
Este um perodo em que ganhamos um espao para divulgar os trabalhos que a escola realiza e mostrar para a sociedade do que nossos alunos so capazes. uma maneira de fazer com que as pessoas passem a valorizar mais o trabalho realizado na Apae, explica a diretora da instituio, Silvana De Bona.
A semana Nacional este ano tem como tema Queremos uma igualdade que reconhea as diferenas e uma diferena que no produza desigualdade.

A histria da Apae em Urussanga

A APAE de Urussanga foi fundada em 10 de Julho de 1978, tendo como primeiro Presidente Jos Luiz Nascimento. A instituio iniciou com 10 alunos em uma sala no Centro Social Urbano sem estrutura e com muitas dificuldades.
Preocupados em adquirir um terreno para construo da sede prpria, o segundo Presidente da Apae, Omero de Bona conseguiu a doao de um terreno que o Lions possua na Rua Vidal Ramos. O Lions solicitou que em troca uma sala para suas reunies. E assim foi feito, explica Silvana.
Com a posse da Escritura, os representantes da escola em visita ao prefeito da poca, Ruberval Francisco Pilloto, que j havia doado uma kombi para o transporte da Apae fez uma proposta para os diretores da escola. Eles nos props que se a Diretoria da Apae conseguisse o material de construo para a Escola, ele daria toda a mo de obra.Foi ento que o desafio foi aceito e no dia 29 de Junho de 1982, a escola estava sendo inaugurada, relata a diretora.
Hoje com 34 anos de Fundao, a APAE uma associao civil, beneficente, com atuao nas reas de assistncia social, educao, sade, preveno, trabalho, defesa e garantia de direitos entre outros. uma instituio sem fins lucrativos, com durao indeterminada.
A escola atualmente est com 62 alunos matriculados, atende alunos com Deficincia Intelectual (moderada, severa e profunda) associada ou no a outras deficincias, crianas com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor at 03 anos e 11 meses e educandos com transtorno global de desenvolvimento, informa Silvana.

Representantes mais que especiais

Luiz Alexandro Claudino, Ramon De Lorenzi e Grazielle Crescncio tem uma funo muito especial na Apae de Urussanga. So eles os defensores da instituio. Quando o presidente eleito eles tambm so eleitos, mas pelos alunos. H uma campanha com apresentao de propostas e uma votao, conta Silvana.
Essa eleio foi muito boa e bastante disputada. Tinham trs meninas e trs rapazes concorrendo. uma responsabilidade muito grande. Existem regras que precisam ser respeitadas e isso que a gente faz, explica o defensor Luiz.
De acordo com a diretora, o trabalho desempenhado pelos alunos de extrema importncia para a instituio. So eles os porta-vozes dos estudantes. Quando notam alguma coisa errada eles nos relatam. Por exemplo, o Luiz acabou de me dizer que algumas das lajotas que cercam a escola esto frouxas, e vamos mandar arrumar. A defensora passada foi que percebeu que na fachada, no estava escrito o nome da Apae e nem o smbolo que caracteriza a instituio. Foi graas ao que ela nos falou que fizemos a fachada como est hoje, diz.
So os defensores que representam a escola em datas especiais, como a Semana Nacional da Pessoa com Deficincia Intelectual e Mltipla. A gente tem que ficar bem ligado em tudo. Tem horas que difcil, mas muito importante o que a gente faz. Procuramos garantir que as regras sejam respeitadas, seno a coisa desanda e no queremos isso, explica Ramon.

Produo de leite sofre os efeitos da crise

Urussanga alm de ser conhecida como a capital do Bom Vinho e pela produo de uva, tambm vem crescendo no que se refere a criao de gado leiteiro. Um dos exemplos o agricultor Claudinei Della Giustina que h cinco anos deixou Brao do Norte e veio para a Benedetta a fim de continuar com o trabalho realizado pela sua famlia no vale.
Todos ns estamos envolvidos com a produo do leite e a criao de porcos. Aqui em So Joo do Rio Maior tenho 105 cabeas de gado que do uma mdia de 750 litros de leite. Esta a principal fonte de renda da nossa famlia. H tambm cerca de 300 sunos que so utilizados para garantir a adubao do solo, ressalta Claudinei.
Segundo ele, um dos problemas que dificulta o crescimento da produo a crise que o setor vem enfrentando. Assim como na suinocultura, ns tambm estamos com graves problemas com o leite. Tudo isso graas ao alto valor da alimentao do gado e dos insumos. Tivemos informao que no Brasil existe soja somente para os dois prximos meses, conta o produtor.
Segundo ele, atualmente o litro do leite vendido pelo valor de R$ 0,80. preo mais alto que ns atingimos foi de R$ 0,85. Nessa poca do ano, devido ao inverno, tradicionalmente um perodo que o valor sobre, mas no o que ocorreu devido a crise. Estvamos com o valor fixado em R$ 0,82, em vez de aumentar, houve a queda de R$ 0,02 por litro, conta Claudinei.
Na propriedade so aproximadamente 10 cabeas de gado Jersey e Holands por hectare. A minha expectativa dobrar o plantel. Mas com essa crise, os planos precisam ser adiados, enaltece.

 

Gado Leiteiro tema de discusso dos agricultores

Um seminrio realizado em Siderpolis este ms discutiu a atividade na regio sul do estado. O objetivo do encontro foi debater os entraves e as potencialidades da produo de leite, com base na organizao dos agricultores, qualidade do produto e sanidade do rebanho. De acordo com o veterinrio e coordenador de pecuria da regio Sul de Santa Catarina, Marcelo Silva Pedroso, a ideia foi discutir os gargalos da atividade na regio. Em todo o Estado, a nossa prioridade na agricultura com relao criao de gado leiteiro com pastagem. Esse trabalho vem como uma alternativa para o homem do campo, j que algumas culturas, a exemplo do fumo, esto em decadncia, informa.
A Epagri, diz o veterinrio, defende a diversificao na agricultura, para que o trabalhador no dependa de apenas uma cultura para sobreviver. O consumo de leite vem crescendo muito por conta da situao econmica do Pas. Os primeiros produtos que as pessoas tendem a comprar quando esto em uma situao mais favorvel so os derivados do leite. Por isso, espao no mercado tem sobrando, garante.

*Colaborao: Samira Pereira

Saiba mais:

– A atividade leiteira est presente em mais de 50% das propriedades rurais do Estado
– Santa Catarina o quinto produtor nacional de leite
– O Estado possui mais de 55 mil propriedades leiteiras
– A regio Sul a que mais cresce na atividade em toda Santa Catarina
– Os 11 municpios da Amrec produzem 100 mil litros por dia
– Na mesma regio existem 2 mil criadores de gado
– 550 propriedades trabalham em parceria com a Epagri
– 6 mil hectares so de pastagem melhorada

Especial Dia dos Pais

Um amor para contradizer a cincia

Dia dos Pais, 1999. Josiele Talamini, na poca com 14 anos, foi entregar o presente de seu pai, Jos Mrcio. Naquela manh, ele estava chateado com a filha, pois havia descoberto, na noite anterior, que ela gostava de um menino da sua idade. Por este motivo, Mrcio sequer abriu o presente que Josi lhe deu. Ele ignorou a lembrana, e mostrou-se indiferente presena da menina. Criado moda antiga, no costumava abraar a filha, no demonstrava o sentimento que nutria por ela, no a beijava, nem dizia que a amava. Foi naquele Dia dos Pais, no entanto, que tudo mudou. Poucos minutos depois de entregar o presente para Mrcio, Josi foi atravessar a via estadual que passava pela frente de sua casa. A adolescente olhou para a estrada, viu um carro vindo em sua direo e, dali em diante, no lembra de mais nada.
O automvel atingiu a menina, que foi praticamente arrastada a uma distncia de 30 metros. Ela quebrou as pernas, bacia, braos, clavcula e crnio, sofrendo um grave traumatismo craniano. Eu entrei em desespero, no sabia o que fazer. Foi horrvel, conta o pai. No hospital, os mdicos no davam a ela pouco mais que alguns minutos de vida, e caso sobrevivesse, permaneceria em estado vegetativo. No saberia quem ela era, no conseguiria fazer absolutamente nada sozinha. Os mdicos diziam que era como se tivessem aberto a cabea e mexido l dentro com uma colher. Estava tudo fora do lugar, sem chance alguma de recuperao, mas eu dizia para eles que isso no iria acontecer. A Josi melhoraria, voltaria a ser a menina que era, e eu tinha certeza, afirma Mrcio.
Da em diante, uma longa luta foi travada. Josi ficou por 72 dias em coma induzido na UTI. Durante o perodo, teve trs paradas cardacas e uma infeco generalizada. Retornou para casa ainda em coma e praticamente vegetando. O mdico falava que ela ficaria daquele jeito e que jamais voltaria a enxergar. Ele chegou a dizer para mim que no dava um fio de cabelo pela vida da Josi. E eu respondia que no tinha problema. A nossa f era maior que tudo, conta o pai. Ele e a esposa, Hlia, tiveram de sair do trabalho para cuidar da menina. Quando a situao financeira piorou, comearam a se desfazer dos bens mais valiosos que tinham em casa. Carro, moto, eletrodomsticos, tudo foi vendido para que o tratamento tivesse continuidade.
Depois de 28 dias em casa, ela comeou a articular algumas palavras. Foi, ento, que perceberam que Josi ainda enxergava. Aos poucos, ela foi reaprendendo a sorrir, a chorar, a se alimentar. As fraldas foram tiradas, e quando queria ir ao banheiro, batia as mos. Vagarosamente as palavras articuladas se transformaram em frases longas. Comeou a dar os primeiros passos novamente, como uma criana que aprendia a andar. Antes dessa melhora, quando a virvamos de um lado para o outro, ela soava, porque no conseguia chorar. E depois foi reaprendendo tudo de novo. Cada coisa nova que ela fazia era uma grande vitria, fala Mrcio.
Em novembro do mesmo ano, formou-se na oitava srie do Ensino Fundamental. No ms seguinte, crismou-se na igreja Matriz de Urussanga, e no colo foi levada para receber a bno do bispo. Em dezembro foi para Braslia, a fim de comear um tratamento na garganta, e l permaneceu por 48 dias seguidos. De acordo com a me, l a jovem demonstrou todo o amor que sentia pelo pai. Quando colocaram uma espcie de cano na garganta para que ela conseguisse pronunciar as primeiras palavras, ela disse me, me desculpe, mas eu preciso chamar pelo meu pai , conta Hlia, emocionada.
Acidente, uma lio de vida

Hoje, Josi tem certa dificuldade para se locomover, precisando do andador ou da bengala para andar. D alguns passos sozinha, mas com a superviso dos pais. Tambm fala vagarosamente e teve parte da viso afetada. Mas isso no nada, perto de tudo o que ela enfrentou. Essa histria um milagre, tenho certeza, diz a me. Para a jovem, que hoje tem 27 anos, a recuperao representou uma grande lio de vida. Ningum d valor para o ar que respira, mas quando eu respirei sozinha, pela primeira vez, foi uma grande vitria para mim e para toda a minha famlia. Eu sei que foi Deus que permitiu esse acidente. Eu sofri muito, mas ele serviu como uma grande lio para mim. Sempre fui muito orgulhosa, e s depois percebi que isso no adianta nada. Hoje, consigo dar uns passos sozinha e, quando deso o degrau sem a ajuda de ningum, fico muito feliz. A recuperao demorada, mas tudo o que fao de exerccio traz algum resultado, diz ela.
O pai, que diferentemente de anos atrs agora consegue demonstrar o amor que sente pela filha, acredita que o acidente teve um motivo, o de unir ainda mais a famlia. O acidente da Josi me deixou virado de pernas para cima, sem que eu conseguisse mais desvirar. No tinha o que fazer, a nica coisa era esperar a vontade de Deus. E ele quis que a Josi ficasse conosco. Eu s tenho ela, estamos direto juntos, e tento fazer o melhor para ver se a minha nica filha se recupera ainda mais. A Josi tudo para mim, garante Mrcio.

 

Meu pai, meu heri, meu amigo…

Quando se pensa em definir a palavra pai, lembramos de uma pessoa amiga, companheira, que apia em grande parte das nossas
decises, e que quando no d seu aval, porque sabe o que melhor para todos. ele um dos responsveis por dar a vida, ensinar os primeiros passos, incentivar nos estudos, caminhar ao lado dos filhos e na hora certa, apontar o caminho que se deve seguir. J dizia
Fbio Jnior em uma de suas canes, que pai nosso heri e nosso amigo…

Luiz dos Passos Accio um desses que traduzem exatamente o significado da palavra pai. Hoje com 54 anos tem nos filhos Ana Lcia e Alan e no neto Bryan, os principais presentes que a vida lhe deu. Casado h 34 anos com Vera Lcia Souza Accio, a famlia completa, no fosse pela distncia que os separa.
Em dezembro de 2004 meu filho Alan decidiu ir para os Estados Unidos, junto com a esposa, tentar a vida l. No dia 16 de abril de 2005 ele partiu. Foi uma travessia muito difcil. Eles foram pelo Mxico e era bem na poca daquela novela Amrica que evidenciou muito os imigrantes ilegais que iam para o pas. Eles conseguiram nos dar notcia que haviam chego no pas no dia dois de maio. Foram 15 dias de desespero. S nesse perodo ficamos sabendo que eles se perderam, o Alan desmaiou na travessia que foi muito complicada, mas ainda bem que deu tudo certo, relata Luiz.
Enquanto Alan tentava a vida nos Estados unidos, no Brasil ficou a filha Ana. Ela a nossa companheira, o nosso socorro quando mais precisamos. Est sempre ao nosso lado, muito preocupada, relata Luiz.
Quando parei para pensar o que o meu pai significava para mim, a nica coisa que veio em mente que ele meu pai e isso diz e significa tudo pra mim. ele quem me d proteo, cuidado, educao, carinho e muito amor. Ele o meu dolo, o exemplo de pessoa que eu quero ser. Desde criana, ele sempre conseguiu s com palavras ou simplesmente com um olhar, me fazer entender o era certo ou errado. E o olhar de decepo dele quando eu fazia alguma travessura, me doa mais do que um puxo de orelha. Mas, com certeza, me ensinava e ensina at hoje a ser uma pessoa melhor. Tudo o que eu tenho e sou hoje, devo ao meu pai, que no mede esforos pra me ajudar, e estar sempre do meu lado, relata a filha mais velha, Ana Lcia.
Apaixonado por crianas, uma das notcias mais felizes com certeza foi o nascimento do neto Bryan, h um ano e um ms. Triste seria apenas a distncia que separa o av do neto. Eu ainda consegui ir quatro vezes para os Estados Unidos nesse perodo que eles esto l. A ltima fomos eu e a Vera quando Bryan nasceu. Ficamos l 40 dias. O mais triste foi deixar ele l e voltar para a casa, conta Luiz.
O meu pai meu ponto de referncia para ser com o meu filho o que ele foi para mim. Apesar da distncia, a gente sempre conversa pelo computador. O Bryan j conhece o pai s pela voz. Ele canta no Brasil e o Bryan dana aqui. J chegou at a baixar a tela do computador para ver se ele estava atrs. Acho que vai ser da mesma forma com o segundo beb que est vindo. Minha esposa Daniela est grvida de quatro meses. A gente sente muita falta de tudo. Das reunies com a famlia, de tudo. O momento pior foi quando o pai descobriu a doena e eu no sabia o que fazer. Voltar ou no voltar? Hoje eu penso se vale a pena ficar longe de tudo, principalmente deles, relata Alan, direto dos Estados Unidos e que pretende em no mximo dois anos estar de volta ao Brasil.
A doena a que ele se refere foi um cncer no intestino que foi descoberto no dia 24 de novembro do ano passado. Precisei fazer uma cirurgia e como tratamento foi necessrio 18 sesses de quimioterapia que encerraram na quarta-feira passada. Agora s esperar pelos exames para ver se deu tudo certo com o tratamento. Enquanto o Alan estava longe, a Ana corria comigo para todos os lugares, foi a nossa grande companheira. A falta que ele faz imensa, afirma Luiz com lgrimas nos olhos.
A paixo pelos filhos recproca pelo pai. So histrias que nem mesmo a distncia capaz de diminuir o amor existente entre ambos. Um verdadeiro exemplo do significado da palavra. Eu agradeo todos os dias ao Pai do Cu pela famlia maravilhosa que eu tenho, e pelo meu pai, meu melhor amigo, que eu amo demais refora Ana.