Aneel avalia apago

A Agncia Nacional de Energia Eltrica (Aneel) conclui na semana que vem a primeira fase do processo administrativo que est analisando as causas e a culpa pelo apago em Florianpolis, ocorrido no final de outubro passado. O relatrio preliminar culpa as Centrais Eltricas de Santa Catarina (Celesc) pela interrupo do fornecimento de energia eltrica na Capital. O superintendente de fiscalizao da Aneel, Paulo Henrique Lopes, informou na quarta-feira que a anlise preliminar dever ser mantida. O relatrio foi feito com base em muita pesquisa. No deve haver mudanas substanciais no relatrio final.

Esta declarao foi dada aps uma reunio entre Lopes e os deputados federais Paulo Afonso, Joo Matos e Adelor Vieira, ambos do PMDB, o presidente da estatal, Carlos Rodolfo Schneider, e o secretrio de articulao nacional, Valdir Colatto. Se o relatrio for mantido, a Celesc poder ser multada com at com 4% do seu faturamento bruto dos ltimos 12 meses.

Na semana passada, o diretor tcnico da Celesc, Eduardo Sitnio, disse que a empresa no tinha conhecimento do modelo mais recente do manual do fabricante das emendas usadas nos reparos das linhas de transmisso em Florianpolis. Essa informao foi desmentida pelo superintendente da Aneel. Foi a Celesc que nos forneceu os manuais do fabricante referentes aos cuidados com a manuteno, revela.

Ontem, durante a reunio, os parlamentares e o presidente da Celesc pediram ao diretor-geral da agncia, Jos Mrio Abdo, que o processo fosse arquivado e que a empresa no fosse multada porque no teria como fazer os investimentos necessrios na Ilha. Ns cumprimos todas as exigncias da Aneel e, de acordo com o que prev a resoluo 318, estamos solicitando o arquivamento do processo, disse Schneider. Contudo, dos cinco documentos pedidos pela agncia Celesc, dois no foram entregues e um no foi repassado por inteiro.

Schneider tambm contrariou as declaraes do seu diretor tcnico. Sitnio disse que as obras da nova substao da Capital, que ligaria as duas linhas de transmisso, teriam incio ainda esse ano. Isso no est garantido. Nossos investimentos se baseiam em critrios tcnicos e na previso de recursos. Como no temos garantia de que receberemos os recursos do governo federal da compensao tarifria, cerca de R$ 137 milhes, no h garantia de verba para esse investimento, ressaltou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *